O teólogo Fumagalli e “O amor possível. Pessoas homossexuais e moral cristã”

Mais Lidos

  • Eucaristia e Casa Comum: entre a vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Bossi

    LER MAIS
  • Para Ailton Krenak, o capitalismo “teve metástase”

    LER MAIS
  • Mataram uns 12 milhões de indígenas, contabiliza Las Casas. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

15 Outubro 2020

“A doutrina sobre homossexualidade, portanto, pode desenvolver-se em 'continuidades disforme' sem se contradizer e sem se fossilizar, mas 'assumindo novas formas'? A resposta do padre Aristide Fumagalli, professor de teologia moral na Faculdade de Teologia Itália Setentrional, é cautelosamente positiva”, escreve Luciano Moia, em artigo publicado por Avvenire, 14-10-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

“O que a doutrina da Igreja, desde sempre, julga negativamente não é tanto a pessoa homossexual, mas sim o comportamento homossexual”. Embora o Catecismo, referindo-se à Carta da Congregação para a Doutrina da Fé, A cura pastoral das pessoas homossexuais (1986), defina a orientação homossexual como "intrinsecamente desordenada", não rejeita a ideia de que a orientação sexual possa corresponder “à identidade pessoal da pessoa, ser-lhe conatural, tanto que não exige uma mudança na orientação homossexual”.

Ora, é verdade que a doutrina - como toda a história da Igreja demonstra - não é um "monólito fixado de uma vez por todas", mas pode ser comparada "a um edifício que é reestruturado para melhor corresponder ao seu sentido e à sua função no curso da história". O que não significa arrasar ao solo o prédio, mas valorizar sua estrutura e seus alicerces. Até mesmo a doutrina sobre homossexualidade, portanto, pode desenvolver-se em "continuidades disforme" sem se contradizer e sem se fossilizar, mas "assumindo novas formas"?

A resposta do padre Aristide Fumagalli, professor de teologia moral na Faculdade de Teologia Itália Setentrional, é cautelosamente positiva, como emerge de um livro publicado há poucos dias. L’amore possibile. Persone omosessuali e morale cristiana (O amor possível. Pessoas homossexuais e moral cristã, em tradução livre, Editora Cittadella, Assis) é um texto exigente e rigoroso. O prefácio é do bispo Marcello Semeraro. O posfácio de Giannino Piana.

L’amore possibile. Persone omosessuali e morale cristiana (Foto: Capa/Divulgação)

Nenhum slogan, mas uma rigorosa revisitação à doutrina sobre o assunto, das raízes bíblicas à pesquisa teológica contemporânea, para refletir sobre um dado objetivo. O juízo moral não pode ser abstrato, mas deve referir-se à condição concreta das pessoas e, nesse caso, também aos resultados científicos. A condenação dos atos homossexuais, explica o teólogo, “não contempla a possibilidade, desconhecida até a época contemporânea, de que os atos homossexuais correspondam à natureza da pessoa e expressem o amor pessoal”.

Portanto, não atos ditados pela "idolatria religiosa e egoísmo hedonista" - as duas condições que os tornam inaceitáveis - mas "uma expressão de amor pessoal cristão". Fumagalli parte de um dado científico que não pode ser ignorado. Hoje, os estudiosos em grande parte concordam em considerar a homossexualidade "a expressão de uma condição existencial que constitui e permeia, à semelhança da heterossexualidade, a identidade da pessoa".

Nenhum arbítrio e nenhuma autodeterminação por trás da homossexualidade, portanto "mas a interação de fatores biológicos, ambientais e pessoais" que remetem a fatores complexos, a ponto "que não existe sob o perfil etiológico e estrutural uma única homossexualidade", mas sim "homossexualidades múltiplas e diferentes".

Nesse enigma interior, porque essa condição assim permanece, o teólogo entra na ponta dos pés, com o respeito devido a cada pessoa independente de sua orientação sexual, no esforço de entender se o amor homossexual pode ser considerado interpessoal, respeitoso da alteridade, fecundo, casto, responsável e, portanto, cristãmente aceitável, por ser modelado no amor de Cristo.

O teólogo não nega os limites do amor homossexual em relação à "redução estrutural da alteridade sexual" e à "ausência da fecundidade da geração” (que, explica ele, pode ser compensada por fecundidade espiritual, relacional e social), mas observa que hoje “uma teologia mais atenta às vivências pessoais considera o caminho para o ideal, reconhecendo a gradualidade necessária para cumpri-lo e os eventuais obstáculos que o limitam”.

Não o idealismo abstrato do "tudo ou nada", mas a razoabilidade do "melhor possível". O fruto que essa teologia produziu em referência às chamadas situações matrimoniais irregulares, continua o texto, "pode instruir adequadamente o discernimento moral e o acompanhamento pastoral das pessoas homossexuais no caminho do amor cristão".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O teólogo Fumagalli e “O amor possível. Pessoas homossexuais e moral cristã” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU