Leis econômicas que não funcionam mais: a dívida pública é um obstáculo ao crescimento

Mais Lidos

  • A rede de estradas dos incas, guaranis e outras etnias vira tema de livro do professor da UFPel

    Pesquisador desbrava o caminho milenar dos povos originários da América do Sul. Entrevista com Carlos Dominguez

    LER MAIS
  • Como o PT abraçou o Centrão e deixou Marina e Sonia à deriva

    LER MAIS
  • Agroecologia: Os modos de ser, de produzir e de lutar. Artigo de Denise de Sordi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

02 Setembro 2020

Este é um dos resultados da ciência econômica “oficial” que sempre serviu para defender a necessidade de recorrer a políticas de austeridade orçamentária: assim que a dívida pública ultrapassar um determinado limiar, o crescimento da economia começa a patinar. Porque, a partir de um certo nível de endividamento, os investidores que o financiam começam a duvidar da capacidade do poder público em reembolsá-lo. Então, eles dizem para si mesmos que o Estado certamente terá que aumentar os impostos para ter o dinheiro para pagar, o que reduzirá o consumo e/ou o investimento. Aos seus olhos, o país está se tornando mais arriscado, levando-os a pedir taxas de juros mais altas. Como resultado, o custo da dívida aumenta, tornando mais difícil pagá-la e absorvendo uma parcela cada vez maior da receita tributária. Se quisermos evitar isso, temos absolutamente que controlar a dívida.

A reportagem é de Christian Chavagneux, publicada por Alternatives Économiques, 01-09-2020. A tradução é de André Langer.

A partir de que nível de endividamento a situação se torna arriscada? Trabalhos empíricos publicados pelos economistas norte-americanos Carmen Reinhart (agora economista-chefe do Banco Mundial) e Kenneth Rogoff logo após a crise financeira de 2007-2008 estabeleceram o limite em 90% do Produto Interno Bruto (PIB): acima deste patamar, os efeitos negativos da dívida superam seus efeitos positivos de apoio à economia.

O contraexemplo da pandemia

Vários argumentos questionam esse resultado. Em primeiro lugar, o fato de que, uma vez verificados por um jovem doutorando, os cálculos de Reinhart e Rogoff se mostraram errados! Outros estudos confirmaram que é impossível estabelecer um patamar inalterável e válido para todos os países além do qual a dívida pública seria prejudicial ao crescimento.

Em segundo lugar, as fortes políticas de austeridade implementadas após a crise financeira mostraram que elas interrompem o crescimento muito mais rápido do que ajudando a reduzir os déficits orçamentários.

Além disso, o grande aumento da poupança global pronta para ser investida e as políticas dos bancos centrais fazem com que as taxas de juros permaneçam sustentavelmente baixas, reduzindo o custo da dívida, mesmo para países que tomam muitos empréstimos, como a França, mas que são considerados bons devedores.

Finalmente, a pandemia da Covid-19 demonstrou que o aumento dos déficits e da dívida públicos representa a arma absoluta para lutar contra os efeitos negativos de uma economia confinada. Caso contrário, a queda das economias teria sido muito pior.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Leis econômicas que não funcionam mais: a dívida pública é um obstáculo ao crescimento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU