Uma quarentena superior a 40 dias, como na peste negra

Mais Lidos

  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • A 'facisfera' católica: jovens sacerdotes ultraconservadores que rezam no YouTube pela morte do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A fé que ressurge do secularismo e do vírus. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

27 Agosto 2020

Quem está observando o isolamento social recomendado para o enfrentamento do coronavírus já percebeu que a quarentena, neste caso, não se limita a 40 dias de reclusão, como a prática literalmente significaria. Estudiosos retrocedem até a China, depois até Veneza, no tempo da peste negra, para determinar o início desse cuidado.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista. 

Em artigo para a revista do Centro Universitário São Camilo, sob o título de “As medidas de quarentena humana na saúde pública: aspectos bioéticos”, Iris Almeida Santos e Wanderson Flor Nascimento indicam que a prática tem origem nos primórdios da vacinação antivariólica na China antiga. Chineses observaram que as crostas extraídas das pessoas infectadas pela varíola permaneciam infectantes por 40 dias. A partir dessa observação, a quarentena foi difundida como prática de purificação ou contenção da propagação de doenças.

A palavra quarentena tem origem, no entanto, na língua veneta. Quarenta dias era o período em que todos os barcos que aportavam em Veneza eram isolados, quando passageiros e tripulantes não podiam pisar em terra firme antes desse período durante a peste negra, no século XIV. Eram os “quaranta giorni”.

O número 40, aponta o pastor belga Gijsbertus van Hattem, ocupa um papel importante na Bíblia. “O dilúvio durou quarenta dias e noites, quarenta anos durou a jornada do povo de Israel para a terra prometida; depois de quarenta dias de jejum, Jesus foi tentado no deserto; depois de sua ressurreição na Páscoa, Jesus apareceu aos seus discípulos quarenta dias até sua ascensão, apenas quarenta dias após o parto uma mulher deixava de ser impura”, arrola.

Van Hattem assinala que 40 representa “uma mudança, um tempo de preparação para outra coisa ou algo novo, algo melhor. De impuro a limpo, da morte à vida, do antigo ao novo, por exemplo. Na quarentena atual, esperamos naturalmente que após dela o vírus Covid-19 seja administrável”.

O pastor aponta sinais de melhora já agora motivados pela diminuição da atividade humana neste período de pandemia: a qualidade do ar está melhor, os rios estão ficando mais limpos. “Pode-se dizer que a terra está tomando uma pausa, ironicamente, porque o que o homem normalmente não consegue realizar, agora acontece naturalmente como resultado de uma pandemia”, sinalizou.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Uma quarentena superior a 40 dias, como na peste negra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU