Mais Médicos sem os cubanos. Pior do que se esperava

Mais Lidos

  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS
  • Povos Indígenas em debate no IHU. Do extermínio à resistência!

    LER MAIS
  • “Quanto sangue palestino deve fluir para lavar a sua culpa pelo Holocausto?”, questiona Varoufakis

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Abril 2019

Desde que Cuba saiu do Maís Médicos o alerta vinha sendo feito: a taxa de desistências dos brasileiros é alta e o número animador de inscrições nas duas rodadas de seleção não queria dizer muita coisa. Pois a quantidade de médicos que já saíram do Programa conseguiu superar as expectativas.

A informação é publicada por Outra Saúde, 04-04-2019.

Segundo a reportagem de Natália Cancian na Folha, foram pelo menos 1.052, ou 15% dos 7.120 que assumiram desde dezembro. O tempo de permanência dos desistentes variou de uma semana a três meses. Nos últimos anos, a média era 20% de saídas em até um ano.

O cenário fica ainda pior quando se lembra que o Ministério da Saúde já anunciou que não vai mais abrir vagas nos atuais moldes. Existe uma reformulação do programa em pauta, mas ainda não se sabe exatamente o que vai ser feito, muito menos quando haverá novas contratações. A pasta disse em nota que as vagas "poderão ser ofertadas em novas fases do provimento de profissionais ainda em análise". Os gestores ouvidos por Cancian estão preocupados, com razão.

Os principais motivos para a saída dos médicos foram a busca por outros locais de trabaho e por cursos de especialização e residência médica. As cidades mais afetadas são aquelas em que mais de 20% da população vive em extrema pobreza. Vieram delas 31% das desistências. Mas em segundo lugar estão capitais e regiões metropolitanas (com 20% do total). Mauro Junqueira, representante dos secretários municipais de saúde, notou que as vagas do Mais Médicos nas cidades grandes em geral estão em bairros pobres e violentos. Já Mário Scheffer (USP) lembrou ainda que, nelas, há mais vagas de trabalho para as quais esses médicos podem ter migrado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais Médicos sem os cubanos. Pior do que se esperava - Instituto Humanitas Unisinos - IHU