Kirill volta a defender a Guerra Santa da ‘Grande Rússia’: “A Rússia nunca atacou ninguém (...), só defendeu suas fronteiras”

Mais Lidos

  • Ideias e paixões para a Igreja na Europa. Artigo de Tomáš Halík

    LER MAIS
  • “A maneira de viver dos indígenas é completamente diferente do modo que o agronegócio usa os territórios”. Entrevista com Manuela Carneiro da Cunha

    LER MAIS
  • “Bolsonaro e Trump mostraram que as ruas hoje podem ser da direita”. Entrevista com Ignacio Ramonet

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Mai 2022

 

Ele pede para orar "pelo estado russo, por nosso país, para que nossas fronteiras sagradas sejam inexpugnáveis, para que sempre tenhamos sabedoria, força e honra suficientes para protegê-los, se necessário".

 

"Que o Senhor proteja a terra russa de conflitos internos e invasões de estrangeiros, e fortaleça a fé ortodoxa, a única força espiritual que pode realmente manter nosso povo unido."

 

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 03-05-2022.

 

"Não queremos lutar contra ninguém. A Rússia nunca atacou ninguém. É surpreendente que um país grande e poderoso nunca tenha atacado ninguém, apenas defendeu suas fronteiras." A afirmação surpreendente e contundente vem, nem mais nem menos, do patriarca de Moscou.

 

Em um sermão por ocasião do dia de Radonitsa (comemoração dos mortos), publicado pelo site oficial do Patriarcado, Kirill novamente expressa seu distanciamento das teses defendidas por praticamente todos os líderes religiosos mundiais, e confirma as dificuldades para um encontro com o Papa Francisco, avançado pelo próprio Bergoglio em sua entrevista hoje ao Il Corriere.

Da Catedral do Arcanjo do Kremlin, "rodeada pelos caixões de reis e rainhas" que "serviram a Pátria da melhor maneira possível", especialmente antes "dos anos pós-revolucionários de inconsciência", Kirill quis rezar "pelo estado russo, para o nosso país, para que nossas fronteiras sagradas sejam inexpugnáveis, para que sempre tenhamos sabedoria, força e honra suficientes para protegê-las, se necessário".

 

 

"Que o amor ao país nunca seque"

 

"Para que o amor à Pátria nunca se esgote, especialmente nas mentes e nos corações da jovem geração que vem depois de nós", sublinha o patriarca russo, que acrescenta que "enquanto a for preservada, será preservada com o amor à pátria e a capacidade de defender o próprio povo e a própria pátria".

 

"Não queremos brigar com ninguém. A Rússia nunca atacou ninguém. É surpreendente que um país grande e poderoso nunca tenha atacado ninguém, só defendeu suas fronteiras", diz Kirill, que clama a Deus para que "não rejeite seu amor de nosso povo e de nossa Igreja, que ilumine as autoridades, que na fé, piedade e sabedoria fortaleçam nosso povo, que nos dê força para trabalhar, viver e, se necessário, lutar pela vida livre e independente nosso povo e nossa pátria sejam preservados".

 

Kirill não parou por aí: "Que o Senhor proteja a terra russa dos conflitos internos e da invasão de estrangeiros, e que ele fortaleça a fé ortodoxa, a única força espiritual que pode realmente manter nosso povo unido. E acreditamos que o Senhor não nos deixe com Sua misericórdia e graça, mesmo no momento difícil atual".

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Kirill volta a defender a Guerra Santa da ‘Grande Rússia’: “A Rússia nunca atacou ninguém (...), só defendeu suas fronteiras” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU