A idiotice de Biden e a possível saída de Putin. Artigo de Stefano Levi Della Torre

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Março 2022

 

Sem saída por meio da negociação, a guerra só pode se endurecer até perigos extremos. A repressão só pode se acentuar, o nacionalismo de apoio ao regime só pode se inflamar.

 

A opinião é de Stefano Levi Della Torre, pintor e ensaísta italiano, e professor da Faculdade de Arquitetura do Politécnico de Milão. O artigo foi publicado em Il Fatto Quotidiano, 30-03-2022. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o texto.

 

O presidente estadunidense, Joe Biden, repete que o presidente russo, Vladimir Putin, é um criminoso que deve ser abatido, e, enquanto isso, os Estados Unidos e a Inglaterra estão perseguindo Julian Assange por ter documentado sistemáticos crimes de guerra estadunidenses no mundo.

Mas Biden, acima de tudo, sugere que seu objetivo é abater Putin, enquanto o interesse da Europa e da Ucrânia é acabar com a guerra. Para isto, seriam úteis a iniciativa diplomática e a negociação, enquanto a acusação de “criminoso” (embora totalmente fundamentada) é especificamente prejudicial. Os estadunidenses se aproveitam dos erros de Putin para repropor o seu jugo aos europeus. Também em relação à energia.

Seria hora de a União Europeia, ou algum governo, incluindo o italiano, tentar frear Biden e tomar a iniciativa de propostas diplomáticas, oferecendo a Putin saídas do atoleiro sangrento em que se encontra, perigosíssimo para todos. Desde a guerra no Iraque de Bush Jr., os estadunidenses não fizeram nada além de derrubar ditadores para substituí-los pelo caos ingovernável e sangrento.

O risco é que queiram instrumentalizar a justa resistência ucraniana para fazer a mesma coisa com a Rússia: derrubar Putin com sangue ucraniano e reduzir a Rússia ao caos e talvez à guerra civil.

É preciso se distanciar dos Estados Unidos, aumentar a autonomia e forçar as iniciativas diplomáticas europeias, que acompanhem a resistência ucraniana e favoreçam uma saída para a negociação e o compromisso.

Continuo considerando justo enviar instrumentos militares à resistência; mas muito equivocado o repentino aumento das despesas militares, por vassalagem aos Estados Unidos e à Otan, em vez de elaborar um plano da União Europeia para uma autonomia de defesa.

Em um primeiro artigo meu no Il Fatto Quotidiano, eu defendi que não se devia repetir o erro da paz depois da Primeira Guerra Mundial. Na época, não foi o fato de vencer, mas sim a pretensão de vencer demais que impôs à Alemanha a mais profunda humilhação, favorecendo a ascensão do nazismo e do seu consenso de massa.

Assim, agora, Putin certamente merece a humilhação mais profunda possível, mas seria um erro muito grave. O fim da URSS e do império já foi uma derrota da Rússia, no nível geopolítico, econômico, tecnológico e cultural.

Na Ucrânia, Putin parece agora politicamente derrotado, talvez até militarmente (mas sobre isso há versões discordantes). A sua agressão é um espasmo, uma sangrenta tentativa de recuperação, a fim de reagir à competição e à pressão que vem do Ocidente.

Certamente, não é o juízo intransigente sobre o regime e sobre a ideologia de Putin que nos divide, mas por si só a sua derrota ou o seu fracasso torna essa situação terrivelmente perigosa: muitas armas catastróficas estão em alerta. Trata-se de focar no desenvolvimento de uma oposição e de uma alternativa na Rússia (há muitos sintomas disso), e é preciso tempo para que se desenvolvam.

Os estadunidenses, por outro lado, têm a pressa idiota de derrubar regimes para substituí-los pelo caos. Sem saída por meio da negociação, a guerra só pode se endurecer até perigos extremos. A repressão só pode se acentuar, o nacionalismo de apoio ao regime só pode se inflamar.

E tudo isso atrasa em um longo período de tempo a possibilidade de desenvolvimento de uma alternativa, não de importação, mas de dentro e por necessidade.

A perspectiva desejável não é que a Rússia se feche por muito tempo, derrotada, em um nacionalismo ressentido, mas que, ao invés disso, se abra a relações positivas com o restante da Europa e do mundo. Portanto, é melhor que o regime de Putin ferva no seu fracasso e se desgaste nisso do que a Rússia gangrene em um ressentimento humilhado e xenófobo, talvez com o objetivo de se tornar uma referência ideológica (segundo as doutrinas do filósofo Aleksandr Dugin e do patriarca ortodoxo russo Kirill) das tendências autocráticas e reacionárias que cercam aquilo que resta das democracias no mundo.

Por todas essas razões, eu defendo a necessidade de uma iniciativa diplomática que ofereça a Putin alguma saída, que lhe permita se gabar no fracasso de algum resultado, que afaste o perigo extremo, que dê tempo ao seu regime para se desgastar sem golpes atômicos ou químicos exasperantes e que dê tempo para que uma alternativa se desenvolva dentro da Rússia.

Acredito que a China possa estar seriamente interessada em ser mediada de tal processo, cujo resultado não está assegurado, mas que seria irresponsável não buscar.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A idiotice de Biden e a possível saída de Putin. Artigo de Stefano Levi Della Torre - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV