A visita do Papa Francisco ao Canadá será a quarta visita papal depois das três de João Paulo II

Mais Lidos

  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS
  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “A destruição das florestas não se deve apenas ao que comemos, mas também ao que vestimos”. Entrevista com Rubens Carvalho

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Outubro 2021

 

Com uma declaração bastante inesperada, ontem a Sala de Imprensa do Vaticano confirmou, em italiano e inglês, a visita do Santo Padre Francisco ao Canadá. O documento afirma textualmente que “a Conferência Episcopal do Canadá convidou o Santo Padre Francisco a realizar uma visita apostólica ao Canadá, também no contexto do processo pastoral, já em curso há tempo, de reconciliação com os povos indígenas. Sua Santidade manifestou sua disponibilidade para visitar o país em uma data a ser marcada posteriormente".

 

A reportagem é publicada por Il Sismografo, 28-10-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Obviamente, por enquanto, a data não é conhecida, mas em princípio poderia ser em 2022. É uma decisão que depende de vários outros fatores. De qualquer forma, quando Francisco for para o Canadá, com toda probabilidade, ele visitará cidades do Canadá de língua inglesa e cidades do Canadá de língua francesa, a parte mais católica do país, embora uma realidade muito reduzida nas últimas décadas.

 

Os encontros no Vaticano de 17 a 20 de dezembro

 

Há algumas semanas, os bispos canadenses anunciaram que de 17 a 20 de dezembro Francisco realizará "encontros pessoais com cada um dos três grupos distintos de delegados, First Nations, Métis e Inuit" e, no final, uma audiência conjunta.

Avvenire, em junho passado, lembrava em sua reportagem que “a delegação incluirá também representantes dos indígenas canadenses que sobreviveram às escolas residenciais, ou seja, a rede de institutos de formação administrados pela Igreja na qual eram obrigatoriamente criados, longe de suas famílias, os filhos dos nativos.

Além disso, a delegação terá a participação de "um grupo diversificado de Anciãos / Guardiães do conhecimento, sobreviventes de escolas residenciais e jovens de todo o país", que estarão acompanhados por "um pequeno grupo de bispos e líderes indígenas". Finalmente, os bispos reafirmavam sua "sincera esperança de que esses próximos encontros levem a um futuro compartilhado de paz e harmonia entre os povos indígenas e a Igreja Católica no Canadá".

O encontro anunciado assume um valor especial, à luz das duas recentes e trágicas descobertas de restos mortais de numerosos alunos das escolas residenciais. O primeiro caso diz respeito aos restos mortais de 215 estudantes da "Escola Residencial Indígena Kamloops", ativa desde o final do século XIX até o final dos anos 1960, enquanto o segundo episódio é relativo a 715 sepulturas anônimas encontradas perto da "Marieval Indian Residencial School".

Acontecimentos dramáticos que desencadearam uma tormenta na Igreja canadense e sobre os quais o Papa Francisco se deteve no Angelus de 6 de junho, expressando tristeza e solidariedade pelo acontecido, observando: “Que as autoridades políticas e religiosas do Canadá devem continuar a colaborar com determinação para trazer luz sobre essa triste história e engajar-se humildemente num caminho de reconciliação e cura”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A visita do Papa Francisco ao Canadá será a quarta visita papal depois das três de João Paulo II - Instituto Humanitas Unisinos - IHU