Prêmio Augsburg da Paz para o ecumenismo

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Estamos em uma crise civilizatória que começou antes da pandemia”. Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Essa ideia do fim da história é uma invenção dos conservadores”. Entrevista com Thomas Piketty

    LER MAIS
  • O bispo de Tonga: “A Oceania está em risco. É hora de nos ouvirem”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Agosto 2020

O cardeal católico Reinhard Marx, de Munique, e o bispo da Baviera e presidente do Conselho da Igreja Evangélica da Alemanha (EKD), Heinrich Bedford-Strohm receberão, no dia 10 de outubro, o Prêmio da Paz de Augsburg 2020 por sua “vontade incondicional de viver juntos em paz”. O prêmio foi anunciado no domingo, 8 de agosto, Dia do Alto Festival da Paz comemorado na cidade desde 1650, em referência à Paz de Westfália de 1648, que encerrou um período de guerras e conflitos religiosos na Europa.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

Em 11 de março de 2017, o então presidente da Conferência Episcopal Alemã, cardeal Marx, e Bedford-Strohm, presidiram celebração de arrependimento e reconciliação entre católicos e evangélicos-luteranos em Hildesheim. No serviço, as dolorosas divisões entre as duas igrejas separadas foram consideradas e trocados pedidos de perdão pelos fracassos de ambos os lados. Os dois religiosos também expressaram alegria e agradeceram pelo que as igrejas têm em comum.

O cardeal Marx e o bispo Bedford-Strohm “deram-nos um testemunho impressionante de que a verdadeira comunhão na fé é possível apesar das diferentes afiliações confessionais”, disse a prefeita de Augsburg, Eva Weber, ao anunciar os vencedores do prêmio deste ano.

O bispo regional protestante de Augsburg e presidente do júri, Axel Piper, afirmou que os dois teólogos “pensam e falam com o mesmo espírito”, com uma comum “paixão por Deus e pelo mundo”. O trabalho deles pelo desenvolvimento pacífico do ecumenismo foi exemplar, assinalou.

Ao tomar conhecimento de que ele e seu colega protestante foram escolhidos para receberem o Prêmio da Paz de Augsburg, o cardeal Marx frisou que “o cristianismo na Alemanha e na Europa só terá futuro se trabalharmos fortemente juntos e permanecermos juntos ecumenicamente. Isso é importante e é aí que vejo o prêmio como um incentivo”. Bedford-Strohm assinalou que o prêmio é um “forte incentivo para continuarmos no caminho do ecumenismo. É por isso que também estou feliz em receber este prêmio junto com o cardeal Marx”.

Bedford-Strohm foi eleito bispo da Igreja Luterana da Baviera em 2011. Ele preside o Conselho da EKD desde 2014. Marx foi nomeado arcebispo de Munique e Freising em 2007. Desde 2013, ele integra o Grupo Cardeal de oito membros que aconselha o papa Francisco sobre governança da Igreja universal e presidiu a Conferência Episcopal alemã de 2014 a 2020, segundo o serviço de imprensa da Federação Luterana Mundial.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Prêmio Augsburg da Paz para o ecumenismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV