Os bispos alemães, “atônitos” diante das teorias da conspiração de Müller, Viganò e os ultraconservadores

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco e a guerra russa contra a Ucrânia: os caminhos políticos, diplomáticos e eclesiais da Santa Sé. Entrevista com Marco Politi

    LER MAIS
  • O Brasil rumo às eleições

    LER MAIS
  • “Os cardeais eleitores terão que reinventar o perfil do futuro papa. Mas uma única pessoa não conseguirá mudar a Igreja.” Entrevista com Marco Politi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Mai 2020

“Atônitos”. Os bispos alemães, como a grande maioria dos católicos do mundo, assistem perplexos ao novo espetáculo que estão dando os ultras comandados pelo ex-núncio Viganò, nesta ocasião secundado pelos cardeais Müller e Zen. Não por Sarah, que depois de assinar um manifesto acusando os governos de utilizar a pandemia para atacar o culto, voltou atrás. Não em vão, e ninguém sabe o porquê, continua sendo prefeito do Culto Divino, em Roma.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 11-05-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

“A Conferência Episcopal Alemã geralmente não faz comentários sobre a chamada dos bispos individuais fora da Alemanha”, disse o presidente do episcopado Georg Bätzing, quem, não obstante, deixou claro que as restrições “são razoáveis e responsáveis” e que devem ser relaxadas “com responsabilidade e juízo”, segundo explica a agência de notícias da Igreja alemã.

“Estou atônito pelo que está se difundido em nome da Igreja”, destacou o vigário geral de Essen, Klaus Pfeffer. “Qualquer um que tenha assinado essa declaração expõe a si mesmo. Teorias da conspiração sem provas, é uma retórica populista de direitas que dá pânico”.

No manifesto, três cardeais, vários bispos e um pequeno grupo de católicos criticaram as medidas de confinamento, que apelidaram de “desculpa” para “restringir as liberdades fundamentais de maneira desproporcional e injustificável”, entre elas, a liberdade religiosa.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os bispos alemães, “atônitos” diante das teorias da conspiração de Müller, Viganò e os ultraconservadores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV