Bento XVI, o teólogo que passou de cargos avançados a cargos mais conservadores

Mais Lidos

  • O desaparecimento da teologia acadêmica: onde está o futuro da “fé em busca de entendimento”? Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Cardeal McElroy critica EWTN, diz que a Diocese de San Diego não publicará conteúdo

    LER MAIS
  • Papa: não a uma moral de escrivaninha, a teologia deve estar atenta à vida real

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Janeiro 2023

  • "Eu não o tratava muito. Às vezes, num domingo à tarde, nós nos cruzávamos em um beco em Tübingen (dois celibatários que saíam para passear sozinhos) e acenávamos com a cabeça um para o outro sem que eu (eu idiota) ousasse aproximar-me dele";
  • "Não há dúvida de que ele passou por uma evolução de posições claramente avançadas para outras mais conservadoras: identificação com Rahner e posterior rejeição de Metz quando já era arcebispo de München, para dizer apenas com um exemplo";
  • "É provável que no futuro haja novas renúncias de papas. Seria altamente desejável que o papa renunciante não ficasse em Roma";
  • "Bento XVI recomendou a carta de São Bernardo ao Papa Eugênio III como leitura obrigatória";
  • "Ele se opôs ao acesso das mulheres ao ministério eclesiástico, alegando que não é a 'vontade de Deus'".

O artigo é de José I. González Faus, jesuíta e teólogo espanhol, publicado por Religión Digital, 02-01-2023.

Eis o artigo.

A partida de Bento XVI certamente provocará elogios exagerados (para os interessados) e duras críticas. Acho que nenhum dos dois estará certo. Prefiro ficar com o grande serviço à Igreja que foi a sua renúncia ao papado: um ato inusitado e audacioso em nossos dias, mas muito oportuno, realizado por um homem bastante medroso, que numa homilia em 2005 havia dito: "Rezem por mim para que eu não fuja diante dos lobos por medo”.

O certo é que sofreu uma evolução de posições claramente avançadas para posições mais conservadoras: identificação com Rahner e posterior rejeição de Metz quando já era arcebispo de München, para o dizer com apenas um exemplo. Já contei a anedota de que vivi por volta de 1967 em Tübingen, numa aula de seu curso de cristologia. Explicando muito pedagogicamente as diferenças entre as duas grandes escolas dos primeiros séculos (Alexandria e Antioquia), ele olha para os alunos e pergunta: “e em Roma?”. Silêncio expectante. Ratzinger fecha o paletó trespassado e exclama: “em Roma, sabe, não se faz boa teologia”. As ovações dos alunos devem ter chegado a Roma, enquanto o professor sorria compreensivo.

Em outra ocasião, tive que defender sua ortodoxia diante de um espanhol, leitor de espanhol daquela universidade e que frequentava um de seus cursos noturnos. E é surpreendente que aquele que publicou um magnífico livro sobre a Igreja intitulado "O novo povo de Deus", tenha posteriormente se oposto à designação conciliar de "a Igreja povo de Deus" , alegando que pode incorrer num reducionismo sociológico. Como se a designação da Igreja como corpo de Cristo não pudesse cair em outro reducionismo orgânico...

Eu o tratei pouco. Às vezes, em uma tarde de domingo, nos encontrávamos em um beco de Tübingen (dois celibatários que saíam para passear sozinhos) e acenávamos um para o outro sem que eu (eu idiota) ousasse abordá-lo e buscar uma aproximação relação. Mas ele sempre teve a reputação de ser um homem requintado: respeitoso, cordial e delicado ao mesmo tempo: "excepcionalmente bom", como o chamou um entrevistador.

Eu me perguntei várias vezes quais poderiam ser as causas de sua evolução. Com os dados que tenho, apontaria três: a influência de seu irmão mais velho, Georg, que é muito mais conservador do que ele. A difícil relação com Hans Küng (o outro teólogo sistemático de Tübingen naqueles anos). Os grandes méritos de Küng, seu faro para a história e sua fidelidade à Igreja não precisam ser comentados agora. Mas somos todos da mesma massa; e Küng era um homem de vaidade inconsciente e proeminência que poderia ter dificultado o relacionamento com o tímido Ratzinger.

Em Tübingen, dizia-se então que, se você não desse a um aluno de doutorado de Küng uma “summa cum laude”, você ganharia sua inimizade perene. O fato é que, ao que parece, Ratzinger pediu uma transferência para Rottenburg (baixando um nível) para evitar essa difícil convivência. E em terceiro lugar ficou a decepção de Ratzinger com o que significou o famoso maio de 1968 na Alemanha (bem diferente da França). Essa irresponsabilidade típica de algumas esquerdas que me ensinou a lição de que os medos não cristãos da direita e a impaciência da falta de solidariedade da esquerda são o que fazem a história funcionar mal.

Seja como for, a evolução de Ratzinger foi inegável e contínua; e sua evidente incompreensão da teologia da libertação . Curiosamente, o cardeal Müller, hoje tão contrário a Francisco por outros motivos, compreendeu-o muito melhor até conseguir publicar um livro conjunto com Gustavo Gutiérrez. Não pude verificar, mas me asseguram que ao reeditar suas "obras completas" ele corrigiu e retocou várias coisas de seus primeiros textos. Se assim for, sinto muito, porque eles eram muito bons.

Eu lamentaria se o que eles querem que sejam lembranças continue sendo mera fofoca. Aqui valem as palavras de Jesus: quem estiver sem pecado que atire a primeira pedra. Isso significa que os homens não dão mais de si mesmos, embora mais tarde o Amor de Deus possa tirar isso de nós. É por isso que podemos admirar, mas não idealizar.

E como balanço deixarei um pedido, algumas sugestões e alguns textos.

1.- É provável que no futuro haja novas renúncias de papas.

Seria muito desejável que o papa renunciante não ficasse em Roma: que fosse “ouvir confissões” (como diz Francisco) ou a um convento contemplativo onde seria muito bem recebido. O papado não é um sacramento, mas uma função. E fingir falar de "dois papas" é linguagem interessada, tão falsa como a de quem afirma que D. Mariano Rajoy continua hoje a ser presidente do governo.

2.- Três sugestões.

2.1.- Bento XVI recomendou como leitura obrigatória a carta de São Bernardo ao Papa Eugênio III. Eu desejo que isso fosse radicalmente cumprido por seus sucessores: porque a carta de Bernardo tem muita migalha.

2.2.- Além disso, opôs-se ao acesso das mulheres ao ministério eclesiástico, alegando que não é "a vontade de Deus". Eu entendo que as feministas podem ficar chateadas; mas aceitemos que ele colocou a questão em seu devido lugar: não se trata de ser mais moderno ou mais feminista, mas de qual é a vontade de Deus. E aí muitos crentes sinceros discordam de Bento e pensam que a Igreja pode cair naquela denúncia de Jesus: “Hipócritas! Você quebra a vontade de Deus ao aceitar as tradições dos mais velhos"...

2.3.- E se tiver que citar ou procurar algo de Ratzinger, é melhor que seja das primeiras edições do que da edição corrigida.

3.- Três textos

3.1.- “O amor é a chave do cristianismo e deve ser lido a partir daí” (Luz do mundo. Entrevista com P. Seewald). Nisso todos podemos concordar.

Papa Francisco e Bento XVI (Foto: Religión Digital)

3.2.- "O que a Igreja precisa hoje e de todos os tempos não são os panegiristas do que existe, mas homens que amem a Igreja mais do que o conforto e a intangibilidade do próprio destino... A verdadeira obediência não é a obediência dos bajuladores. ...que evitam todos os confrontos e colocam seu conforto intangível acima de todas as coisas” (O novo povo de Deus, p. 292). Aqui, "quem é irmão que pega fogo". Este capítulo desse livro (intitulado algo como “crítica e obediência”: Freimut und Gehorsam em alemão) pode valer a pena reproduzir em algum lugar agora para que saibamos e sempre lembremos que antes da Igreja, antes do socialismo, antes da democracia, antes do feminismo, antes da ecologia, ou antes de qualquer grande causa. Não são melhores militantes os que aplaudem o que já existe, mas os que procuram melhorá-lo, ainda que sejam acusados ​​de pouco amor à Igreja e assim por diante.

3.3.- «A fé cristã é um escândalo para o homem de todos os tempos: que o Deus eterno se importe com os homens e nos conheça... Este escândalo tem sido encoberto com frequência ao longo da história, pelo escândalo secundário dos pregadores da fé, que não é essencial para o cristianismo, mas concorda de bom grado com o escândalo fundamental e se entrega a uma postura de martírio quando na realidade ele é apenas uma vítima de sua própria mente fechada.

O escândalo secundário, self-made e portanto culpado, é que, para defender os direitos de Deus, apenas se defende uma determinada situação social e as posições de poder nela conquistadas. Um escândalo secundário de sua própria autoria e, portanto, culpado é que, a pretexto de defender a invariabilidade da fé, defende-se apenas o próprio ficar acordado até tarde e não a própria fé. Um escândalo secundário de sua própria autoria e, portanto, culpado é que, a pretexto de assegurar a eternidade da verdade, as sentenças escolares são eternizadas...

E o perigoso é que este escândalo secundário se identifica sempre de novo com o primeiro e assim o torna inacessível, escondendo as exigências propriamente cristãs e a sua seriedade, por detrás das pretensões dos seus mensageiros» (O novo povo de Deus, 351.52).

Bento XVI (Foto: Religión Digital)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bento XVI, o teólogo que passou de cargos avançados a cargos mais conservadores - Instituto Humanitas Unisinos - IHU