Ajudei a escrever o primeiro documento sinodal global. Aqui está o que ouvimos de católicos de todo o mundo. Artigo de Austen Ivereigh

Mais Lidos

  • Como o Papa Francisco está tentando “feminilizar” a Igreja

    LER MAIS
  • Varsóvia e Gaza: 80 anos depois, dois guetos e o mesmo nazismo... e a mídia finge não ver o Terror de Estado de Netanyahu. Artigo de Luiz Cláudio Cunha

    LER MAIS
  • “Os maus-tratos aos animais é uma expressão do mal e da nossa incapacidade de aceitar os outros”. Entrevista com Corine Pelluchon

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

28 Outubro 2022

 “Os relatórios de todo o mundo diziam: As estruturas de cima para baixo e o modus operandi da Igreja hoje estão esgotados e não se encaixam no contexto missionário, seja a Igreja velha ou jovem. Os recipientes existentes não são adequados para conter a diversidade da Igreja, nem para permitir a participação de todos na missão. Era hora de dar corpo às palavras do Concílio Vaticano II da Igreja como povo de Deus”, relata Austen Ivereigh, em artigo publicado por America, 27-10-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 Austen Ivereigh, escritor e jornalista britânico e pesquisador em História da Igreja Contemporânea no Campion Hall, na Universidade de Oxford, foi o responsável pela síntese dos relatórios diocesanos da Inglaterra e País de Gales, a ser enviada para o Sínodo de 2023. Seu livro mais recente é “Vamos sonhar juntos: o caminho para um futuro melhor” (Ed. Intrínseca, 2020), uma entrevista com o Papa Francisco

Eis o artigo.

 Ao final de nosso primeiro dia em Frascati, no final de setembro, impressionado com a solenidade da tarefa que tínhamos pela frente, enviei uma mensagem a um amigo para dizer que muitos de meus colegas “especialistas” sentiram a mão da história e o peso da responsabilidade sobre nossos ombros. “Espero que você esteja registrando em um diário”, respondeu o meu amigo.

Não me refiro apenas à pressão para criar, em duas curtas semanas, um documento que colhe os frutos do maior exercício de escuta e consulta que a Igreja Católica já realizou. Foi mais solene do que isso. Como o cardeal Mario Grech, secretário geral do Sínodo dos Bispos, nos disse naquela manhã, estávamos em res sacra, terra santa. Os documentos que foram confiados aos 26 membros do grupo de leitura/escrita foram escritos com lágrimas e às vezes com sangue de mártires. Lê-los superficialmente, ou usá-los a serviço de alguma agenda ou outra, seria desrespeitoso não apenas com as pessoas, mas com o Espírito Santo agindo através do sensus fidelium. “Somos o coração e os ouvidos da Igreja, para ouvir o clamor do povo de Deus”, disse-nos Grech, falando em italiano.

Nossa tarefa era apresentar, em um único documento acessível a toda a Igreja, as esperanças e sonhos do povo de Deus que se reuniu em números sem precedentes ao longo de muitos meses em todo o mundo para a primeira fase do Sínodo sobre a Sinodalidade.

Documento de Trabalho para a Etapa Continental do Sínodo sobre a Sinodalidade. "Alarga o espaço da tua tenda".

Lembrando-nos dos famosos quatro princípios do Papa Francisco (1. o tempo é maior que o espaço; 2. as realidades são maiores que as ideias; 3. a unidade prevalece sobre o conflito e; 4. o todo é maior que a parte), Grech disse que a primeira fase foi sobre permitir a voz do Espírito para emergir acima de conflitos e divisões; sobre ouvir a experiência em vez de discutir ideias; e sobre capturar o quadro maior, “o que o Espírito está dizendo a toda a Igreja, não apenas a uma parte dela”. Muitas pessoas, ele nos lembrou, não participaram do sínodo ou o fizeram com ceticismo por causa de experiências anteriores nas quais falaram, mas o que disseram não foi ouvido ou posto em prática. Desta vez precisava ser diferente.

Para ser a voz do povo de Deus, acrescentou o cardeal jesuíta Jean-Claude Hollerich, relator do sínodo, “vocês precisam não apenas de sua mente, mas de todo o seu ser para estar presente”. Significava estar atento, por exemplo, à maneira como em alguns relatórios sinodais foram aplicados filtros ao que as pessoas diziam por bispos interessados em embelezar ou grupos com agendas.

“Estejam abertos ao transbordamento”, disse-nos o jesuíta Giacomo Costa, “Onde está? Para que estamos sendo chamados?”. Costa, veterano do Sínodo da Juventude de 2018 e especialista em processos de discernimento grupal, foi o engenheiro do nosso processo. Mas naquele primeiro dia, ele foi mais como um guia de retiro, instando-nos a abrir as graças de que precisávamos: estar abertos, confiar no processo e trabalhar em colaboração – não apenas escrevendo um documento juntos, mas a serviço de a missão mais ampla. Fiel ao que ouvimos do povo, fomos chamados a estar atentos ao que o Espírito havia despertado em nós, a captar o “novo” que Deus estava oferecendo à sua Igreja em nosso tempo, que é o que o Papa Francisco quer dizer com “el desborde”, o transbordamento.

O processo e o espírito de Frascati

 Chamados pelo secretariado sinodal para Frascati, uma cidade nos arredores de Roma, entre 22 de setembro e 2 de outubro, viemos, ao que parece, de todos os cantos do globo. Uma mistura de religiosos, clérigos e leigos de muitos lugares – entre eles Líbano, França, Canadá, Singapura, Hungria, Portugal, Peru, Quênia e Coreia do Sul – caímos em três categorias sobrepostas. A maioria eram teólogos, advogados canônicos e pesquisadores das Escrituras; alguns eram facilitadores de processos sinodais e programas de liderança; dois de nós estávamos nas comunicações da Igreja. Muitos também eram membros das quatro comissões do sínodo: teologia, metodologia, espiritualidade e comunicação. O único bispo do grupo de leitores/escritores convidados foi o arcebispo salesiano Timothy Costelloe, de Perth, presidente do Concílio Plenário Australiano.

Somando nossos 26 membros do grupo de leitura/escrita aos três superiores da secretaria sinodal e aos quatro membros do grupo coordenador do sínodo, 33 pessoas estiveram diretamente envolvidas na elaboração do documento, 12 delas mulheres. Embora os relatórios que lemos possam estar em qualquer um dos cinco idiomas permitidos pela secretaria, para facilitar o processo de Frascati, usamos apenas inglês e italiano em nossas deliberações.

Cada membro do grupo de leitura/escrita chegou tendo lido cerca de 15 a 20 dos “relatórios nacionais de síntese” de 10 páginas enviados ao secretariado por 112 – ou seja, quase todas – das conferências episcopais e igrejas orientais do mundo.

Esses relatórios da Igreja local, cada um uma síntese de processos diocesanos, foram o principal material em que trabalhamos. Mas também mantivemos em vista os relatórios que o secretariado sinodal já havia examinado: sínteses dos superiores das ordens religiosas de todo o mundo; uma única apresentação de 150 associações de fiéis leigos; relatórios de 17 dicastérios da Cúria Romana; e um relatório compilado por “influenciadores” no mundo digital cujo exercício inovador de escuta online atraiu mais de 100 mil pessoas. Finalmente, ouvimos uma apresentação sobre as submissões de mais de mil indivíduos ou grupos que escolheram, por diferentes razões, escrever diretamente para a secretaria em vez de por meio de suas igrejas locais.

A quinzena foi dividida aproximadamente em três períodos. Primeiro vieram quatro dias de “escuta” de trabalho em pequenos grupos para identificar elementos centrais – se refletindo vozes consensuais ou minoritárias e proféticas – que resumimos em apresentações para as sessões plenárias. Depois vieram outros quatro dias de “escrita” de compilação de um primeiro rascunho. Depois de um dia livre em uma visita em grupo ao palácio papal e jardins de Castel Gandolfo, os últimos dias foram gastos na revisão, com a ajuda do conselho do sínodo, principalmente cardeais, que precisavam aprovar o projeto final. E conhecemos o Papa Francisco.

O processo foi intenso e cansativo, e a tarefa uma corrida contra o tempo. Mas participar disso também foi um privilégio. Passar muito tempo na companhia um do outro — nas refeições, nas liturgias e nas conversas espirituais, trabalhando em pequenos grupos e ocasionalmente caminhando até a cidade para tomar um café e tomar sorvete — ajudou a formar um instrumento de discernimento. Ao nos sintonizarmos uns com os outros, com as vozes nos relatos e, finalmente, com o Espírito Santo, o que parecia impossível a princípio começou a dar lugar à percepção de que algo importante estava nascendo.

Giacomo Costa mudava constantemente a composição dos grupos: primeiro por continente, depois por gênero e depois por status eclesial. Assim, de manhã, por exemplo, eu estava no grupo “Europa-italiano”, à tarde em “homens-inglês” e na manhã seguinte em “leigos-italiano”. Tudo isso para garantir que nossas perspectivas particulares não fossem perdidas, além de produzir conteúdo para o relatório na forma de parágrafos com citações de apoio dos documentos. Essas citações, captando não apenas o que, mas também como as pessoas nas Igrejas locais se expressavam, ficaram conhecidas em Frascati como “as pérolas do povo de Deus”.

A principal tensão que senti dentro dos grupos foi que alguns pareciam ansiosos para abandonar essas pérolas em favor de comentários abstratos. A tentação de teologizar, como se o que o povo disse não pudesse ficar simplesmente de pé, esteve sempre presente em Frascati, uma resistência compreensível entre pessoas altamente competentes e educadas à humildade que nossa síntese exigia de nós.

Nos grupos, experimentei a tentação como uma espécie de peso morto, e achei frustrante. Apenas deixar o povo falar! Isso se tornou minha oração e minha esperança para o documento. Grech e Costa também estavam cientes da tentação e saíram ao seu encontro. “Fomos convocados aqui com a tarefa de ouvir o povo de Deus”, lembrou-nos Grech. “Se em nossa síntese não representarmos o que o povo de Deus está tentando dizer, então falhamos”.

A mensagem chegou. O documento final fica enraizado nas pessoas. Mas tendo experimentado a tentação em nossos grupos, percebi como é difícil, nos processos sinodais, realmente ouvir as pessoas, especialmente para aqueles de nós acostumados a analisar e opinar. Isso me tornou muito mais consciente da tentação nos relatórios sinodais, muitos dos quais aplicaram os ansiosos “filtros” sobre os quais Hollerich havia alertado no primeiro dia.

Eu tive dois casos extremos em meu próprio lote de sínteses nacionais: em um, o filtro era um establishment clerical que obviamente não estava acostumado com a ideia de que o Espírito fala através de pessoas comuns. Em outro, o filtro foi aplicado por um establishment leigo convencido de que já possuía todas as respostas às perguntas, de modo que ouvir as pessoas nas paróquias seria inútil. Cheguei ao final de ambos os relatórios sem saber o que as pessoas pensavam sobre qualquer coisa, muito menos o que o Espírito poderia estar dizendo através delas.

Mas eles foram a exceção. A maioria dos relatórios, escritos ou não diretamente pelos bispos ou por equipes que eles designaram, fizeram grandes esforços para capturar o que as pessoas haviam dito, transmitindo-o sem julgamento.

Encontrando a ovelha perdida

 Em Frascati, aprendi também a importância de não só incluir a todos, mas também de ir em busca dos desaparecidos. Disseram-nos para adicionar uma cadeira vazia aos nossos grupos e fazer várias perguntas: Onde estavam as vozes minoritárias que eram constantes nas reportagens, mas arriscavam se perder no foco nas questões das celebridades? A voz profética de quem não foi ouvida? Qual perspectiva ainda não surgiu? O plenário que se seguiu encheu-se de repente de vozes que estavam nos relatórios mas ainda não tinham sido bem ouvidas por nós.

Os relatórios de todo o mundo diziam: As estruturas de cima para baixo e o modus operandi da Igreja hoje estão esgotados e não se encaixam no contexto missionário, seja a Igreja velha ou jovem. Os recipientes existentes não são adequados para conter a diversidade da Igreja, nem para permitir a participação de todos na missão. Era hora de dar corpo às palavras do Concílio Vaticano II da Igreja como povo de Deus.

No entanto, a voz que veio não exigiu nem hesitou; era uma voz mais humilde e amorosa, que falava direta e firmemente, nomeando realidades que precisavam ser enfrentadas, mas que confiava na sabedoria do processo sinodal para discernir as respostas certas. O chamado que começava a ganhar forma em Frascati estava ali, naquela esperança de espaços de pertença em que todos pudessem se expressar sem medo de exclusão, em que tanto o compromisso com a verdade evangélica quanto a inclusão radical de todos pudessem ser mais bem tensão fértil.

No que emergiu, comecei a compreender a verdade do que o Papa Francisco diz na “Evangelii Gaudium”, que “Deus fornece à totalidade dos fiéis um instinto de fé – sensus fidei – que os ajuda a discernir o que é verdadeiramente de Deus. “ É um instinto que vem, prossegue o papa, com um certo tipo de sabedoria, “apreender intuitivamente essas realidades, mesmo quando lhes faltam os meios para exprimi-las com precisão”. O que o Espírito dizia à Igreja estava, afinal, bem ali nos relatos, naquele “instinto de fé” nas vozes machucadas pela fragmentação e divisão, que ansiavam por uma Igreja materna, acolhedora, paciente, mais ampla, que pudesse reunir os que ficaram de fora, que fosse mais capaz de manter em tensão a diferença e o desacordo e que levasse a sério a ideia de que todos os batizados são chamados à missão e a sentar-se à mesa onde se discernem as decisões.

Apesar do nosso cansaço, nos sentimos estimulados por essa percepção. O povo de Deus estava em movimento. Precisávamos ajudar a Igreja a se mover com isso.

Uma Igreja que amplia sua tenda

Foi um pouco depois da reunião, no final da primeira semana, que surgiu entre nós a ideia que se tornou o ícone no coração do documento de Frascati. A tenda de Isaías (54, 2), com o tabernáculo no centro e firmemente ancorada por estacas robustas; no entanto, é capaz de ser ampliada e movimentada conforme a missão exige. Pareceu-nos uma metáfora perfeita para o que o povo de Deus estava pedindo, que o documento chama de “Igreja Sinodal Missionária”.

Alguns ficarão surpresos que o documento não aprofunde as questões levantadas pelo Sínodo, mas as deixe suspensas, observando as divergências onde existem e convidando-as a serem combatidas. A maior parte do documento é entregue não às questões, mas ao “processo”. O processo, afinal, é o ponto de um Sínodo sobre a Sinodalidade, e é onde o documento abre novos terrenos importantes por colher e expressar o desejo nos relatórios por um modo sinodal de proceder. Daí o sonho no relatório dos superiores religiosos de “uma Igreja global e sinodal que viva a unidade na diversidade” e que acrescenta: “Deus está preparando algo novo, e devemos colaborar”.

O que é essa coisa nova, essa Igreja de tenda ampliada? Inspirados pela “Evangelii Gaudium”, os parágrafos 30-33 do documento continental observam as duas tentações espirituais enfrentadas por uma Igreja diversa: por um lado, ficar presa no conflito e na polarização; por outro, ignorar as tensões que a diversidade traz, fingindo que não existem numa espécie de convivência fragmentada. Ninguém pode ler os relatórios e não encontrar as pessoas lamentando ambos em nossa Igreja. Tanto a polarização quanto a fragmentação na Igreja hoje mostram que os moldes que temos são inadequados. O que o documento de Frascati oferece é uma ferramenta hermenêutica para um novo recipiente, que nos permite criar aquela Igreja de tenda ampliada, mais capaz de manter juntos diversidade e desacordo em uma tensão generativa.

A partir das sugestões dos relatórios, o documento oferece uma ampla variedade de abordagens para as próximas etapas do sínodo a serem levadas adiante nas assembleias regionais em fevereiro do próximo ano. Mas o que pode ser perdido é o que isso significa para as questões muitas vezes espinhosas levantadas pelos relatórios sinodais nacionais. Significa, antes de tudo, que, como Igreja, não devemos considerar essas questões como problemas a serem imediatamente “resolvidos” ou “decididos”, mas como tensões dinâmicas que – se lidarmos com elas abertos ao Espírito – são geradoras de vida. O convite é “articulá-los em um processo de constante e contínuo discernimento para aproveitá-los como fonte de energia sem que se tornem destrutivos”.

O Papa Francisco estendeu o processo sinodal por esse motivo, de modo que não conclua com uma única assembleia em Roma em outubro de 2023, mas uma segunda um ano depois. Isso dará tempo para o Espírito entrar nessas tensões para que elas se tornem novas possibilidades em vez de causas de conflito cada vez mais profundo.

Foi através de tais processos que em sua era inicial, missionária, a Igreja foi capaz de crescer tão rapidamente atravessando das fronteiras de raça, língua e cultura. Com a extraordinária reunião de fiéis globais que começou em 2021, o que emergiu é o sonho de uma maneira de proceder que regenere essa tradição sinodal de maneira apropriada para a Igreja global de imensa diversidade de hoje.

O foco nos processos sinodais pode ser frustrante para aqueles impacientes em ver mudanças particulares que, vistas pelo menos de Manhattan ou Munique, parecem auto-evidentes. Para outros que suspeitam que todo o processo sinodal é uma diluição ou capitulação, soará perigosamente vulnerável e sem fim. Mas ninguém pode duvidar, lendo os relatórios da Igreja local como fizemos em Frascati, que o sensus fidelium despertou e falou, e que não podemos enfrentar essas tensões sem primeiro criar a capacidade de uma Igreja sinodal. Se conseguimos engarrafar esse chamado e compartilhá-lo para que outros possam compreendê-lo, nossa missão em Frascati está cumprida.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ajudei a escrever o primeiro documento sinodal global. Aqui está o que ouvimos de católicos de todo o mundo. Artigo de Austen Ivereigh - Instituto Humanitas Unisinos - IHU