Na Igreja muitas vezes "se deseja o trabalho das mulheres, mas não a sua voz"

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Holodomor não está distante no tempo nem no espaço

    LER MAIS
  • “Estamos em um mundo sem direção política”. Entrevista com José Mujica

    LER MAIS
  • A humanidade em risco. Artigo de Frei Betto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Setembro 2022

 

Algumas das mulheres que preparam o documento para a segunda etapa do Sínodo analisam as preocupações que vêm de todo o mundo sobre seu papel na Igreja.

 

A reportagem é de Maria Martinez Lopes, publicada por Alfa y Omega, 28-09-2022.

 

"A questão do papel das mulheres e sua exclusão das decisões-chave tem sido frequente em quase todos os relatórios" que as conferências episcopais de todos os países enviaram a Roma no âmbito do processo sinodal. Susan Pascoe, uma das 14 mulheres que integram o grupo de especialistas que se reúnem em Frascati, perto de Roma, para redigir o documento da segunda fase, sublinha ao Vatican News.

 

Apesar da frequência com que essa questão surge, ela não o faz com as mesmas nuances em todas as áreas. "Em alguns continentes as mulheres já têm certos papéis de liderança, algumas são chanceleres de dioceses, etc.", explica Gill Goulding, outro membro da equipe. Mas em outros lugares "há realmente muito poucas oportunidades para elas, mesmo em nível local". Não trabalhar na Igreja, o que elas fazem e desempenham um papel "vital"; mas na tomada de decisão.

 

Da América Latina, por exemplo, muitas vozes vieram "também dos homens", pedindo que sejam muito mais homenageadas porque "tecnicamente são elas que estão realizando a maior parte da missão", enfatiza Brigit Weiler. Essas mulheres "sentem que seu trabalho é amado", mas não "sua própria voz, seu modo de pensar, o que podem contribuir para os processos de discernimento".

 

 

Luta de identidade

 

Também acontece com os religiosos, diz Philomena Njeri Mwaura. “Elas também gostariam de participar. Em geral, as mulheres são os pilares da Igreja. Sem mulheres não há Igreja". Esta situação, acrescenta Maike Sieben, gera em muitos uma "profunda luta de identidade", pois dizem não saber "conciliar sua identidade católica e seu amor pela Igreja com sua identidade de mulher", sendo "fiéis a ambos".

 

Os participantes deste grupo de trabalho estão cientes de que em alguns ambientes há "um certo medo de que haja lavagem de dinheiro" ou que os problemas que surgiram localmente sejam diluídos nos documentos intermediários e finais. “Quero assegurar-lhe que este é um processo autêntico. Estamos analisando minuciosamente todos os envios de todo o mundo."

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Na Igreja muitas vezes "se deseja o trabalho das mulheres, mas não a sua voz" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV