Queimadas na Amazônia durante o mês de julho tem aumento de 8% em comparação ao ano anterior

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Agosto 2022

 

Os dados são contabilizados pelo BDQueimadas do Inpe que registraram 5.373 incêndios florestais.

 

A informação é publicada por Portal Amazônia, 02-08-2022.

 

De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em julho de 2022 a Amazônia contabilizou 5.373 focos de incêndio, se comparado ao mesmo período de 2021, quando foram detectados 4.977 focos, o aumento foi de 8%. Em 2019 os números também ficaram na casa dos 5 mil (5.318) e em 2020 ultrapassaram seis mil (6.803).

 

 

Segundo o Inpe, os números de incêndios acumulados de janeiro a julho de 2022, contabilizam 12.906 focos, houve um aumento de 13% em comparação ao mesmo período de 2021.

 

Juntos, o estado do Pará e do Amazonas representam mais de 50% dos focos registrados, foram 31,3% (1.681 focos) e 26,6% (1.428) para cada um respectivamente. O Mato Grosso também registrou números elevados de incêndios foram 1.196 (22,3%). Os 19,8% representam um acumulado de focos em Rondônia (555), Acre (313), Maranhão (146), Tocantins (37), Roraima (12) e Amapá (5).

 

Em 22 de junho, o governo publicou no Diário Oficial da União, decreto que proíbe a utilização de fogo por 120 dias em territórios da Amazônia e do Pantanal, isso torna ilegal os mais de 5 mil focos de queimadas registrados. A proibição ocorre porque julho é o mês que dá início a estação seca na região amazônica, o que eleva os números de queimadas.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Queimadas na Amazônia durante o mês de julho tem aumento de 8% em comparação ao ano anterior - Instituto Humanitas Unisinos - IHU