Pelo menos 236 padres e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa contra Putin: “Guerra Fratricida”

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Por defender indígenas, arcebispo de Porto Velho é alvo de intimidações até nas missas

    LER MAIS
  • Algorética: os valores atemporais da religião e sua contribuição insubstituível para o desenvolvimento humano e pacífico da inteligência artificial. Artigo de Paolo Benanti

    LER MAIS
  • “Elon Musk é um exemplo de que o capitalismo está se desintegrando”. Entrevista com Jonathan Crary

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Março 2022

 

“Nós, sacerdotes e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa, cada um com seu próprio nome, recorremos a todos aqueles de quem depende a cessação da guerra fratricida na Ucrânia”.

"Nenhum apelo não violento à paz e ao fim da guerra deve ser rejeitado pela força".

"Desejamos o retorno de todos os soldados, russos e ucranianos, para suas casas e famílias sãos e salvos".

Os clérigos reconhecem que o povo ucraniano deve ser livre para tomar suas próprias decisões, "não sob a mira de metralhadoras, sem pressão do Ocidente ou do Oriente".

“Chamamos todas as partes do conflito ao diálogo, porque não há outra alternativa à violência. Somente a capacidade de ouvir o outro pode dar esperança de uma saída do abismo em que nossos países foram lançados em apenas alguns dias”.

 

A reportagem é de José Manuel Vidal, publicada por Religión Digital, 03-03-2022.

 

A frente religiosa também está se movendo na guerra na Ucrânia. Enquanto seu principal líder, o patriarca Kirill, cerra fileiras com Putin e proclama que "não devemos permitir que forças externas sombrias e hostis riam de nós", seu clero rompe fileiras. Mais de 236 padres e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa acabam de assinar uma carta, na qual descrevem a invasão da Ucrânia como uma "guerra fratricida" e pedem um cessar-fogo imediato e uma reconciliação.

"Lamentamos a provação a que nossos irmãos e irmãs na Ucrânia foram imerecidamente submetidos ", diz a carta, que continua a angariar assinaturas de clérigos, embora por enquanto nenhum dos metropolitanos ortodoxos, os cargos mais altos da hierarquia russa, tenha se unido...

A carta começa assim: "Nós, sacerdotes e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa, cada um com seu próprio nome, nos dirigimos a todos aqueles de quem depende a cessação da guerra fratricida na Ucrânia".

Depois de lamentar "o sofrimento ao qual nossos irmãos e irmãs na Ucrânia foram imerecidamente submetidos", eles insistem que a vida de cada pessoa "é um dom inviolável e único de Deus e, portanto, desejamos o retorno de todos os soldados, tanto russos quanto ucranianos, para suas casas e famílias sãos e salvos”.

Uma dor e uma lágrima que podem permanecer por muito tempo na consciência das pessoas. Por isso, reconhecem o “abismo” que “nossos filhos e netos na Rússia terão que superar para voltar a ser amigos, respeitar e amar uns aos outros”.

Além disso, os clérigos reconhecem que o povo ucraniano deve ser livre para tomar suas próprias decisões, "não sob a mira de metralhadoras, sem pressão do Ocidente ou do Oriente".

Os sacerdotes e diáconos ortodoxos lembram-se do que Deus disse a Caim : “A voz do sangue de seu irmão clama por mim do chão. Agora, pois, maldito és tu da terra, que abriu a boca para receber da tua mão o sangue de teu irmão”.

Mas também asseguram que, apesar da maldição de Caim, há salvação para quem se arrepende: "as portas do paraíso estão abertas a qualquer pessoa, mesmo a quem pecou gravemente, se pedir perdão àqueles a quem humilhou, insultado, desprezado, ou aqueles que foram mortos por suas mãos ou por sua ordem. Não há outro caminho, apenas o caminho do perdão e da reconciliação mútua".

Porque, como dizem os clérigos ortodoxos, o Juízo Final virá para todos.

"Nenhuma autoridade terrena, nenhum médico, nenhum guarda nos protegerá deste julgamento. Preocupados com a salvação de cada pessoa que se considera um filho da Igreja Ortodoxa Russa, não queremos que ele venha a este julgamento, carregando o pesado fardo das maldições de sua mãe. Lembremo-nos de que o sangue de Cristo, derramado pelo Salvador pela vida do mundo, será recebido no sacramento da Comunhão por aqueles que dão ordens assassinas, não para a vida, mas para o tormento eterno".

E nesse sentido, eles terminam sua carta com um apelo à paz e à cessação imediata das hostilidades : “Apelamos a todas as partes em conflito ao diálogo, porque não há outra alternativa à violência. Somente a capacidade de ouvir o outro pode dar esperança de uma saída do abismo em que nossos países foram lançados em apenas alguns dias”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pelo menos 236 padres e diáconos da Igreja Ortodoxa Russa contra Putin: “Guerra Fratricida” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV