A Comissão Europeia retira a sua proposta de felicitar “as férias”, e não o Natal, após reclamações do Vaticano

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Nacionalismos e patriotismos. Artigo de Flavio Lazzarin

    LER MAIS
  • “Fratelli Tutti” coisa nenhuma. “Memorando” exorta que antes do conclave os cardeais releiam “Dominus Iesus”

    LER MAIS
  • “Pontifexit”: o papado romano e o Ocidente. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Dezembro 2021

 

Este documento, agora retirado, propunha a mudança do termo “férias” para “Natal”, dado o facto de “nem todos o celebrarem da mesma forma” porque existem diferentes sensibilidades e tradições religiosas entre os europeus.

Tem sido o ponto mais polêmico, mas o texto também inclui outras recomendações sobre uma linguagem inclusiva de gênero. Entre eles, evitar o uso de pronomes ou discursos dirigidos a "senhoras e senhores" e promover o equilíbrio de gênero nos painéis.

Hollerich: "Neutralidade não pode significar relegar a religião à esfera pública. O Natal não faz parte apenas das tradições religiosas europeias, mas também da realidade europeia"

 

A informação é publicada por Religión Digital, 01-12-2021.

 

Volte ao polêmico documento interno que a Comissão Europeia levantou sobre a linguagem inclusiva. A comissária para a Igualdade, Helena Dalli, anunciou a retirada de um guia interno que gerou polêmica por recomendar felicitar as “festas” e não o Natal, e que motivou a denúncia do secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin.

Em um tweet publicado na terça-feira, Dalli reconheceu que "não era um documento maduro e não atende aos padrões de qualidade da Comissão". Ela admite que essas recomendações "claramente precisam de mais trabalho, por isso estou retirando o documento e vamos trabalhar mais nele."

Este documento, agora retirado, propunha a mudança do termo “férias” para “Natal”, dado o facto de “nem todos o celebrarem da mesma forma” porque existem diferentes sensibilidades e tradições religiosas entre os europeus.

Tem sido o ponto mais polêmico, mas o texto também inclui outras recomendações sobre uma linguagem inclusiva de gênero. Entre eles, evitar o uso de pronomes ou discursos dirigidos a “senhoras e senhores” e promover o equilíbrio de gênero nos painéis.

A comissária defende que o objetivo do guia linguístico inclusivo perseguia um “objetivo importante” como “ ilustrar a diversidade cultural da Europa e realçar a natureza inclusiva da Comissão Europeia no que diz respeito a todos os modos de vida e crenças dos cidadãos. ”.

Posteriormente, um porta-voz do Executivo Comunitário quis insistir, quando questionado sobre o assunto em entrevista coletiva em Bruxelas, que se tratava de um documento interno que não fora feito para divulgação pública e que, de qualquer forma, seria revisado para reformulação. O porta-voz destacou ainda que o guia traz "recomendações" sobre a comunicação e não orientações obrigatórias sobre o uso da linguagem.

COMECE pede respeito pela diversidade religiosa

Por seu turno, o COMECE, o órgão que reúne em Bruxelas, na Bélgica, os delegados das Conferências Episcopais dos países-membros da União Europeia, emitiu um comunicado no qual mostra o seu respeito pelo direito da Comissão Europeia de moldar a sua comunicação escrita e verbal e reconhece a importância da igualdade e da não discriminação, mas não pode deixar de se preocupar com a impressão de que um anti - o viés religioso caracteriza algumas passagens no documento de rascunho.

A este respeito, o Cardeal Jean-Claude Hollerich SJ, Presidente da COMECE, declarou: “Neutralidade não pode significar relegar a religião à esfera privada. O Natal não faz apenas parte das tradições religiosas europeias, mas também da realidade europeia.” O respeito pela diversidade religiosa não pode conduzir à conseqüência paradoxal de suprimir o elemento religioso do discurso público . "

O Presidente da COMECE sublinhou ainda que «embora a Igreja Católica na UE apoie plenamente a igualdade e a luta contra a discriminação, também é claro que estes dois objetivos não podem conduzir a distorções ou autocensura. A valiosa premissa de inclusão que não deve ter o efeito oposto da exclusão".

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Comissão Europeia retira a sua proposta de felicitar “as férias”, e não o Natal, após reclamações do Vaticano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV