Três exercícios espirituais para enfrentar um futuro longo com a covid-19

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Estados Unidos são uma ameaça à paz mundial e a seus cidadãos. Entrevista com Noam Chomsky

    LER MAIS
  • Misericórdia. O funeral negado a Welby: Zuppi remedia à vergonha da Igreja de Ruini

    LER MAIS
  • Terça-feira, 9 de agosto de 2022. 80º Aniversário do Martírio de Edith Stein

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Agosto 2021

 

“Durante a era pré-vacina da pandemia, cada um de nós fez sacrifícios incríveis. Ser confrontado com o fato de que ainda podemos pegar o vírus e transmiti-lo a outras pessoas é desanimador e um tanto assustador. Para mim, parte de lidar espiritualmente com nosso momento presente é permitir a nós mesmos o tempo e o espaço para sentirmos o que estamos sentindo agora. O pânico geralmente é o medo que foi ignorado por muito tempo. Atacar os outros pode ser a mesma coisa – uma expressão de algo dentro de nós que ainda não tivemos tempo para realmente ver e ouvir. E se reservássemos algum tempo para repousar na presença de Deus e ouvir o que está acontecendo dentro de nós, para dar aos nossos sentimentos uma chance de falar, sem julgamento ou necessidade de responder? Talvez descubramos que precisamos de algum espaço para lamentar a morte de nossa crença de que estávamos quase fora de perigo, ou para nos sentarmos com nossa indignação para com os outros que não serão vacinados, ou para lidar com nosso medo de adoecer”, escreve o jesuíta estadunidense Jim McDermott, em artigo publicado por America, 20-08-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Aproximadamente um mês atrás, um amigo mencionou conhecer alguém que havia se vacinado e mesmo assim contraiu covid-19. Ele estava bem; seus sintomas nunca passaram de coriza e tosse. Mas ele contraiu. Isso era surpreendente, enquanto o bem-conceituado estudo da Kaiser Family Foundation também constatava que “a taxa de casos reportados entre os totalmente vacinados” era menor que 1%.

Três semanas depois, eu mesmo conheci uma pessoa que contraiu o vírus apesar de ter sido vacinada. Eu suspeito que você também conheça – ou conhecerá. As autoridades do condado de Los Angeles anunciaram que até julho, 30% dos novos casos de covid-19 eram de vacinados. Em Massachusetts, as autoridades confirmaram 12.641 infecções de covid-19 entre aqueles plenamente vacinados, esse montante representa 0.29% das mais de 4,4 milhões de pessoas com a vacinação completa no estado.

Talvez seja porque tantas pessoas continuam se recusando a ser vacinadas (ou a ficarem seguras perto de outras pessoas) que até mesmo nossas defesas imunológicas vacinadas podem ser sobrecarregadas. Ou talvez seja porque nossas vacinas são um pouco menos adequadas contra a variante Delta. Mas parece que muitos de nós vamos pegar esse maldito vírus, quer sejamos vacinados ou não.

Isso é muito o que enfrentar. Pode facilmente nos levar por caminhos de indignação, pânico e desespero.

Estou lutando com isso sozinho. E esses são três exercícios espirituais que estou tentando usar para me ajudar a encontrar o caminho através dele.

Em certo sentido, cada um deles oferece uma maneira diferente de nos tornarmos mais presentes no momento em que estamos vivendo.

 

1. Centralize-se em sua própria experiência atual

 

A maioria dos exercícios espirituais começa com algum tipo de momento de ancoragem no presente. É o momento de silêncio antes do início da missa ou o convite para prestar atenção à sua respiração ao começar a rezar. Pode ser descrito como permitir-nos entrar em um espaço sagrado, o que pode ser uma maneira útil de visualizar a experiência.

Pessoalmente, penso nisso mais como um momento em que nos permitimos estar mais presentes para nós mesmos. Depois de toda a correria do nosso dia-a-dia, paramos para nos atualizar e saber o que se passa dentro de nós. Quando fazemos isso, descobrimos que Deus já estava lá, em nossas experiências e em nossos sentimentos, esperando por nós.

Durante a era pré-vacina da pandemia, cada um de nós fez sacrifícios incríveis. Ser confrontado com o fato de que ainda podemos pegar o vírus e transmiti-lo a outras pessoas é desanimador e um tanto assustador. Para mim, parte de lidar espiritualmente com nosso momento presente é permitir a nós mesmos o tempo e o espaço para sentirmos o que estamos sentindo agora. O pânico geralmente é o medo que foi ignorado por muito tempo. Atacar os outros pode ser a mesma coisa – uma expressão de algo dentro de nós que ainda não tivemos tempo para realmente ver e ouvir.

E se reservássemos algum tempo para repousar na presença de Deus e ouvir o que está acontecendo dentro de nós, para dar aos nossos sentimentos uma chance de falar, sem julgamento ou necessidade de responder? Talvez descubramos que precisamos de algum espaço para lamentar a morte de nossa crença de que estávamos quase fora de perigo, ou para nos sentarmos com nossa indignação para com os outros que não serão vacinados, ou para lidar com nosso medo de adoecer.

Na oração, permitimos que Deus esteja presente para nós. E talvez nesta oração ele possa nos ajudar a estarmos presentes para nós mesmos, a sermos atenciosos e gentis conosco da mesma forma que seríamos com uma criança ou ente querido que está assustado ou sofrendo.

 

2. Tenha uma perspectiva do todo

 

Em seus Exercícios Espirituais, Santo Inácio propõe uma meditação na qual olhamos para o mundo inteiro com a Trindade e consideramos o que vemos. Eu não sei sobre você, mas quando estou com medo ou com raiva, meu mundo pode ficar muito pequeno. Isso tende a ser um ciclo que se autoperpetua; quanto menor fica o meu mundo, mais fora de controle eu me sinto e mais na defensiva fico. Um exercício como esse, que Inácio chama de contemplação da Encarnação, oferece uma maneira de romper tudo isso.

Se dermos um passo para trás de nossas próprias situações e preocupações agora, e nos sentarmos com Deus olhando para nosso mundo abençoado, o que notamos?

A primeira coisa que se destaca para mim é o grau em que os relatórios sobre a pandemia estão por toda parte. Alguns na imprensa estão divulgando estatísticas assustadoras e enterrando os detalhes mais importantes (e geralmente muito menos assustadores) em seus artigos. Enquanto isso, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças e outros centros médicos geralmente confiáveis parecem inconsistentes em suas recomendações e ainda precisam definir a seriedade da questão do avanço.

Eu posso me preocupar com tudo isso. Mas do ponto de vista mais distante que Inácio imagina, sinto-me menos envolvido emocionalmente e mais consciente de que preciso ler mais amplamente e pensar criticamente sobre o que está sendo dito.

A consciência dessas inconsistências na orientação também me faz reconsiderar algumas de minhas próprias escolhas. Talvez eu deva evitar ir a restaurantes, teatros ou outros lugares que não exijam máscaras ou comprovante de vacinação. Talvez eu precise fazer o teste a cada uma ou duas semanas como uma coisa natural. Notavelmente, Kevin Clarke, da revista America, na semana passada, escreveu um relatório sobre como diferentes dioceses e bispos estão lidando com a questão de se as paróquias deveriam voltar a exigir máscaras. A realidade crescente desses novos casos parece sugerir que a resposta a essa pergunta deve ser um enfático sim, independentemente dos mandatos estaduais ou federais.

Uma coisa ainda maior que noto quando tento ver o quadro geral é os bilhões de pessoas que ainda não tiveram o benefício de uma foto, muito menos a oportunidade de um reforço. Um amigo meu que trabalha com refugiados no exterior me disse recentemente que não acha que algum dia poderá ser vacinado enquanto estiver trabalhando lá. Enquanto a Delta corre solta, a maior parte do mundo está completamente desprotegida.

Não posso dizer que sei exatamente o que fazer com essa informação. Se eu tivesse que esperar o máximo possível para receber uma injeção de reforço, isso ajudaria mais pessoas em outros lugares a serem vacinadas? Existe alguma fundação para a qual eu possa fazer uma contribuição que possa permitir que refugiados ou outras pessoas no exterior sejam vacinadas?

Mas, em certo sentido, o objetivo do exercício é a conscientização. Que mundo é esse em que estou vivendo? Quanto mais consigo ficar ancorado nessa realidade, mais abro a minha própria vida às necessidades das outras pessoas e à possibilidade de poder ajudar de alguma forma.

 

3. Olhar para frente com aceitação (e talvez esperança)

 

O que acho mais difícil de aceitar agora é a possibilidade de que, em vez de apenas alguns anos terríveis de nossas vidas, a covid possar estar aqui para ficar de uma forma ou de outra – e com isso, coisas como máscaras, variantes, doenças e lockdowns. Eu não quero acreditar nisso. Espero estar errado. Mas não está claro. E se isso não for um pontinho, mas nossa nova realidade, o que acontecerá?

Às vezes, descubro que um mantra simples pode me ajudar a aceitar o mundo como ele é. São apenas três palavras que repito para mim mesmo em silêncio: “Agora. Aqui. Isto”.

Em certo sentido, todas as três palavras têm o mesmo propósito. Eles me posicionam no presente. “Agora. Aqui. Isto”.

Mas também me fazem considerar o que está diante de mim de uma maneira diferente. Não importa quais eram meus planos ou como eu me sinto. Não há nada para debater ou julgar. Agora é apenas agora. Aqui está apenas aqui. É apenas isto. Assim, sinto uma espécie de liberdade.

Também contém um tipo estranho de antecipação. Isso que está diante de nós, é a vida que está reservada para nós. Não é uma vida que teríamos escolhido – Deus, não. Mas aqui está. Agora. E quem sabe o que pode conter?

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Três exercícios espirituais para enfrentar um futuro longo com a covid-19 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV