Apenas 25 megacidades produzem 52% das emissões urbanas mundiais de gases de efeito estufa

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Julho 2021

 

Mais de 50% da população global reside nas cidades. As cidades são relatadas como responsáveis por mais de 70% das emissões de GEE e compartilham uma grande responsabilidade pela descarbonização da economia global.

A reportagem foi publicada por EcoDebate, 12-07-2021.

Em 2015, 170 países em todo o mundo adotaram o Acordo de Paris, com o objetivo de limitar o aumento da temperatura média global a 1,5 ° C. Após o acordo, muitos países e cidades propuseram metas para a mitigação de gases de efeito estufa. No entanto, o Relatório de Lacunas de Emissões do PNUMA 2020 mostra que, sem ações drásticas e rígidas para mitigar a crise climática, ainda caminhamos para um aumento de temperatura de mais de 3 ° C até o final do século XXI.

Um novo estudo publicado na revista Frontiers in Sustainable Cities apresenta o primeiro balanço global de gases de efeito estufa (GEE) emitidos pelas principais cidades ao redor do mundo. O objetivo era pesquisar e monitorar a eficácia das políticas históricas de redução de GEE implementadas por 167 cidades distribuídas globalmente que estão em diferentes estágios de desenvolvimento.

Embora cobrindo apenas 2% da superfície da Terra, as cidades são grandes contribuintes para a crise climática. Mas as atuais metas urbanas de mitigação de GEE não são suficientes para atingir as metas globais de mudança climática até o final deste século. “Hoje em dia, mais de 50% da população global reside nas cidades. As cidades são relatadas como responsáveis por mais de 70% das emissões de GEE e compartilham uma grande responsabilidade pela descarbonização da economia global. Métodos de inventário atuais usados pelas cidades variam globalmente, tornando difícil avaliar e comparar o progresso da mitigação de emissões ao longo do tempo e do espaço “, diz o co-autor Dr. Shaoqing Chen, da Sun Yat-sen University, China.

 

Os maiores poluidores


Em primeiro lugar, os autores realizaram inventários de emissões de GEE em nível de setor de 167 cidades – de áreas metropolitanas como Durban, na África do Sul, a cidades como Milão, Itália. Em seguida, eles analisaram e compararam os avanços na redução de carbono das cidades com base nos inventários de emissões registrados em diferentes anos (de 2012 a 2016). Por último, eles avaliaram as metas de mitigação de carbono de curto, médio e longo prazo das cidades. As cidades foram escolhidas em 53 países (na América do Norte e do Sul, Europa, Ásia, África e Oceania) e foram selecionadas com base na representatividade em tamanhos urbanos e distribuição regional. O grau de desenvolvimento foi distinguido com base no fato de pertencerem a países desenvolvidos e em desenvolvimento de acordo com os critérios de classificação da ONU.

Os resultados mostraram que tanto os países desenvolvidos quanto os em desenvolvimento têm cidades com altas emissões totais de GEE, mas que as megacidades na Ásia (como Xangai na China e Tóquio no Japão) são emissores especialmente importantes. O inventário de emissões per capita mostrou que cidades na Europa, Estados Unidos e Austrália tiveram emissões significativamente mais altas do que a maioria das cidades em países em desenvolvimento. A China, aqui classificada como um país em desenvolvimento, também tinha várias cidades onde as emissões per capita eram iguais às dos países desenvolvidos. É importante observar que muitos países desenvolvidos terceirizam cadeias de produção de alto carbono para a China, o que aumenta as emissões relacionadas à exportação para esta última.

Os pesquisadores também identificaram algumas das fontes mais importantes de emissões de gases de efeito estufa. “A divisão das emissões por setor pode nos informar quais ações devem ser priorizadas para reduzir as emissões de edifícios, transportes, processos industriais e outras fontes”, diz Chen. A energia estacionária – que inclui as emissões da combustão de combustível e uso de eletricidade em edifícios residenciais e institucionais, edifícios comerciais e edifícios industriais – contribuiu com 60 a 80% das emissões totais nas cidades norte-americanas e europeias. Em um terço das cidades, mais de 30% das emissões totais de GEE foram provenientes do transporte rodoviário. Enquanto isso, menos de 15% das emissões totais vieram de ferrovias, hidrovias e aviação.

Por fim, os resultados mostram que os níveis de aumento e diminuição das emissões variaram entre as cidades ao longo do período de estudo. Para 30 cidades, houve uma clara redução de emissões entre 2012 e 2016. As quatro principais cidades com a maior redução per capita foram Oslo, Houston, Seattle e Bogotá. As quatro principais cidades com o maior aumento de emissões per capita foram Rio de Janeiro, Curitiba, Joanesburgo e Veneza.

 

Recomendações de política


Das 167 cidades, 113 estabeleceram vários tipos de metas de redução de emissões de GEE, enquanto 40 estabeleceram metas de neutralidade de carbono. Mas este estudo se junta a muitos outros relatórios e pesquisas que mostram que estamos muito longe de atingir as metas estabelecidas pelo Acordo de Paris.

Chen e seus colegas fazem três recomendações políticas importantes. Primeiro: “Os principais setores emissores devem ser identificados e direcionados para estratégias de mitigação mais eficazes. Por exemplo, as diferenças nos papéis que o uso de energia estacionária, transporte, uso doméstico de energia e tratamento de resíduos desempenham nas cidades devem ser avaliadas.”

Em segundo lugar, o desenvolvimento de inventários globais de emissões de GEE metodologicamente consistentes também é necessário, para rastrear a eficácia das políticas de redução de GEE urbanas. Por último: “As cidades devem definir metas de mitigação mais ambiciosas e facilmente rastreáveis. Em um determinado estágio, a intensidade de carbono é um indicador útil para a descarbonização da economia e fornece maior flexibilidade para cidades de rápido crescimento econômico e aumento de emissões . a longo prazo, mudar de metas de mitigação de intensidade para metas de mitigação absoluta é essencial para alcançar a neutralidade global de carbono até 2050."

 

Referência:

 

Ting Wei et al, Keeping Track of Greenhouse Gas Emission Reduction Progress and Targets in 167 Cities Worldwide, Frontiers in Sustainable Cities (2021). DOI: 10.3389/frsc.2021.696381 - Acesse clicando aqui.

Keeping Track of Greenhouse Gas Emission Reduction Progress and Targets in 167 Cities Worldwide: Acesse clicando aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Apenas 25 megacidades produzem 52% das emissões urbanas mundiais de gases de efeito estufa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV