Um terço das emissões globais de gases de efeito estufa provêm do sistema alimentar

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Março 2021

Primeiro inventário global de emissões de alimentos.

Depois que o alimento é cultivado, colhido ou capturado, ele precisa ser transportado, processado, embalado, distribuído e cozido e, em seguida, todos os resíduos descartados. Todas essas etapas consomem energia e resultam em emissões diretas e indiretas espalhadas pela maioria dos setores econômicos em todo o mundo.

Um terço das emissões globais de gases com efeito de estufa (GEE) está relacionado com os alimentos, de acordo com os resultados deste novo estudo do JRC.

A informação é publicada por Joint Research Centre (JRC) e reproduzida por EcoDebate, 10-03-2021. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

EDGAR-FOOD fornece uma imagem sem precedentes de como um sistema alimentar em evolução respondeu à evolução da população mundial nos últimos 25 anos, impulsionado, entre outros, por mudanças no bem-estar, hábitos alimentares e tecnologia relacionada a alimentos.

Principais descobertas

Um terço das emissões globais e 30% das emissões de gases com efeito de estufa da UE (os 27 países da UE variam entre 25-42%) provêm do sistema alimentar.

O sistema alimentar global está se tornando mais intensivo em energia, com quase um terço das emissões do sistema alimentar vindo diretamente do consumo de energia. Globalmente, o uso de energia no portão da fazenda também está aumentando.

Em média, o sistema alimentar produz 2 toneladas de emissões de dióxido de carbono equivalente (CO2eq) por pessoa a cada ano.

Cerca de metade das emissões de GEE são CO2, principalmente ligadas à mudança do uso da terra e energia, um terço é metano (CH4) devido à pecuária e à produção de arroz, mas também à gestão de resíduos; a maior parte do restante é emitida como N2O de fertilizantes de nitrogênio. Os gases fluorados ainda desempenham um papel menor, mas estão aumentando.

As emissões do setor de varejo têm aumentado rapidamente (emissões até 3 vezes mais altas em comparação com 1990) em nível global. Uma “rede de frio” em funcionamento é importante para reduzir a deterioração dos alimentos; a refrigeração industrial e doméstica atualmente é responsável por 5% das emissões globais dos sistemas alimentares de GEE, mas devido à baixa capacidade de refrigeração per capita nos países em desenvolvimento, sua importância tende a aumentar.

Rumo a um padrão de consumo mais sustentável e informado

Os cidadãos da UE esperam alimentos sustentáveis com baixas pegadas de gases com efeito de estufa, e dados transparentes e robustos são necessários para compreender a complexidade dos sistemas alimentares, analisar as emissões das diferentes fases alimentares e apoiar o desenvolvimento de ferramentas políticas para a transição para um ambiente mais sustentável e informado Padrão de consumo.

Políticas eficazes para transformar os sistemas alimentares em direção à sustentabilidade precisam ser abrangentes e fornecer respostas para a economia e os consumidores, com informações adequadas.

A parcela das emissões de GEE vinculadas ao uso de energia e processamento industrial está aumentando. O sistema alimentar precisará, portanto, investir em eficiência energética e tecnologias de descarbonização para reduzir as emissões de GEE, além de tecnologias de mitigação baseadas na terra dentro e fora da fazenda.

A integridade do banco de dados EDGAR-FOOD é um ativo importante para monitorar as emissões de GEE do sistema alimentar global como parte das estratégias integradas de mitigação de emissões de GEE para o sistema alimentar, como a estratégia Farm to Fork da Comissão Europeia.

Setores de emissões antrópicas que contribuem para o sistema alimentar. Emissões de GEE do sistema alimentar em 2015. Os gráficos de pizza mostram a contribuição dos diferentes setores do sistema alimentar (baseado na terra, energia, indústria e resíduos) para as emissões de GEE dos alimentos
(Reprodução: Nature Food)

Joint Research Centre (JRC)

O JRC desenvolveu um novo banco de dados global de emissões de alimentos (EDGAR-FOOD) estimando as emissões de gases de efeito estufa (GEE) para os anos 1990-2015. É o primeiro banco de dados de emissões de GEEs cobrindo todos os países e setores do sistema alimentar, desde a produção até o descarte.

Referência:

Crippa, M., Solazzo, E., Guizzardi, D. et al. Food systems are responsible for a third of global anthropogenic GHG emissions. Nat Food (2021). Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um terço das emissões globais de gases de efeito estufa provêm do sistema alimentar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV