“O egoísmo acabará destruindo até os países ricos do Ocidente.” Entrevista com Alex Zanotelli

Mais Lidos

  • Congo está sendo “martirizado” devido a seus recursos naturais. Vaticano desafiará EUA e China?

    LER MAIS
  • Eucaristia e Casa Comum: entre a Vida e o ouro. Artigo de Pe. Dário Boss

    LER MAIS
  • Três coisas a saber sobre a visita do Papa Francisco ao Sudão do Sul

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

08 Mai 2021

 

De 1965 a 2001, o padre Alex Zanotelli participou de missões na África (no Sudão, no Quênia), testemunhando o efeito que as epidemias têm no Sul do mundo: “O egoísmo, no fim, acabará nos matando também”, comenta ele, sobre as vacinas anti-Covid-19.

A reportagem é de Adriana Pollice, publicada em Il Manifesto, 07-05-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis a entrevista.

 

Qual é o efeito das desigualdades tão fortes na distribuição das vacinas?

Os países ricos, de 10 a 14% da população, asseguraram 53% das doses. O que importa não é a saúde pública, mas o lucro. A Índia e a África do Sul propuseram quebrar as patentes. Pode ser que a abertura de Biden sobre o tema dependa de motivos de geopolítica, mas o fato é que ele é católico, pode ser que a doutrina social da Igreja tenha um peso, que esteja presente como uma ideia, mesmo que não declarada explicitamente. O surpreendente é que ele parece mais decidido do que Obama: talvez ele aprendeu, precisamente quando era vice de Obama, que tergiversar não leva a nada.

O que nos diz a doutrina social da Igreja?

Uso as palavras do Papa Francisco na Fratelli tutti: “A tradição cristã nunca reconheceu como absoluto ou intocável o direito à propriedade privada, e salientou a função social de qualquer forma de propriedade privada. O princípio do uso comum dos bens criados para todos é o primeiro princípio de toda a ordem ético-social [...]. O direito à propriedade privada só pode ser considerado como um direito natural secundário” [n. 120].

As empresas farmacêuticas não parecem dispostas a abrir mão de sua vantagem competitiva sobre as vacinas.

A pandemia afeta a todos. Somos estúpidos se achamos que vamos nos salvar fazendo os outros morrerem. O vírus fica mais agressivo e se volta contra nós, cada vez mais perigoso, por meio das variantes. A saúde é um bem comum. As vacinas foram desenvolvidas com financiamento público, é justo distribuí-las igualmente. A função do Estado é precisamente esta, intervir com a sua autoridade para pedir uma distribuição equitativa dos bens desenvolvidos com a tributação geral. As grandes empresas farmacêuticas querem ter lucro, mas, em uma situação como esta, o Estado tem a obrigação de colocar uma contenção. Infelizmente, estamos verificando mais uma vez que, em vez disso, que manda são as finanças, as multinacionais. O Sul deve ter a possibilidade de produzir as vacinas de que precisa também por meio da transferência de conhecimento.

Qual é o efeito do outro lado do Mediterrâneo de uma epidemia tão violenta?

Há anos, assistimos indiferentes ao apartheid sanitário, que é muito mais devastador do que o econômico. Eu estava na África quando a Aids eclodiu. Havia remédios, mas só para os ricos. Eu vi crianças de 13, 14, 16 anos morrendo na minha frente. O Ocidente simplesmente não se importa. Nunca desenvolveu uma vacina contra a malária, apesar dos danos que produz, talvez só agora estejamos chegando lá. Uma doença terrível como a lepra voltou a atacar, porque produziu resistência aos medicamentos, e não se investe na pesquisa de novos remédios. Sequer enviamos as vacinas anti-Covid. É o escândalo de um sistema de morte que permite que 10% do mundo engula 90% dos bens. Isso ocorre em todos os níveis. O Ocidente vive daquilo que subtrai do Sul do mundo e depois se volta para o outro lado diante das mortes por Covid, por miséria, por guerra.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“O egoísmo acabará destruindo até os países ricos do Ocidente.” Entrevista com Alex Zanotelli - Instituto Humanitas Unisinos - IHU