Vaticano: ''Um verdadeiro compromisso para frear a crise nuclear''. Entrevista com Jody Williams

Mais Lidos

  • Somos todos aspirantes a cristãos. Entrevista com Paolo Ricca

    LER MAIS
  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

01 Novembro 2017

Prêmio Nobel da Paz de 1997, por ter fundado e levado ao sucesso a Campanha Internacional para a Eliminação de Minas, Jody Williams é um dos prêmios Nobel que participarão do congresso sobre o Tratado de Proibição das Armas Nucleares, organizado pelo Vaticano nos dias 10 e 11 de novembro.

A reportagem é de Francesca Caferri, publicada no jornal La Repubblica, 31-10-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Por que você aceitou o convite?

Como eu disse pessoalmente ao papa quando o encontrei, ele é um dos maiores ativistas do mundo. O fato de ter decidido se envolver na questão nuclear envia uma mensagem poderosa ao mundo em um momento muito delicado.

Você se refere à crise norte-coreana, imagino...

O momento desse encontro e a lista dos países convidados a participar dizem muito. Não sabemos o quanto isso poderá influenciar diretamente Kim Jong-un e Donald Trump, mas, como cidadã estadunidense, estou muito contente pelo fato de alguém tomar a palavra no momento em que a situação é tão assustadora.

Existe a possibilidade de que uma mediação do Vaticano surta efeitos positivos, na sua opinião?

O Papa Francisco, sem dúvida, é um potencial negociador. Mas, dada a natureza dos dois líderes envolvidos, é difícil dizer se seria um negociador perfeito – quem poderia ser? Mas não tenho dúvidas em dizer que, dado o caráter deste papa e os seus posicionamentos públicos, o fato de ele ter decidido dedicar as suas energias a esse tema já me parece ser um passo significativo.

Mas há esperança de resultados concretos?

É uma mensagem muito importante que o Vaticano envia ao mundo com esse encontro: já é um compromisso concreto. Se, depois, o papa conseguisse fazer algo pelo diálogo, eu acho que ele se tornaria ainda mais amado do que já é agora. O que já é muito.

Trump estaria disposto a ouvir o papa?

Não é possível dizer. Trump muda de atitude de minuto em minuto, e isso não ajuda. Eu certamente não apoio as escolhas políticas da Coreia do Norte, mas há uma certa lógica nas suas escolhas militares: digamos que a política de Trump não ajuda.

Se você tivesse um desejo sobre esse congresso, qual seria?

Um mundo livre da obscenidade das armas nucleares. Perguntemo-nos quem ganha com as armas nucleares: os comerciantes da morte, como no caso das minas. Certamente, não as pessoas comuns.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vaticano: ''Um verdadeiro compromisso para frear a crise nuclear''. Entrevista com Jody Williams - Instituto Humanitas Unisinos - IHU