Após protestos em escolas, estudantes querem barrar aumento de passagens em SP

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Janeiro 2016

Assim, pelas redes sociais, estudantes que conduziram ocupações e protestos contra o fechamento de escolas em São Paulo reagiram ao anúncio de aumento de passagens de ônibus, trens e metrô na capital.

A reportagem é de Ricardo Senra, publicada por BBC Brasil, 30-12-2015.

Horas após a divulgação do reajuste (de R$ 3,50 para R$ 3,80), eles prometeram voltar às ruas "até que o aumento nas passagens seja cancelado".

"Estaremos na luta contra o aumento abusivo da tarifa e convocamos todos os estudantes de luta, da ETESP e de todas as outras escolas, a participarem dos atos", anunciou o grêmio estudantil Bertolt Brecht, da Escola Técnica Estadual de São Paulo.

A Secretaria Municipal de Transportes e a Secretaria Estadual dos Transportes Metropolitanos argumentam que o aumento de 8,57% é inferior à inflação.

"A inflação acumulada desde o último reajuste, em 6 de janeiro de 2015, foi de 10,49%, segundo o IPC-Fipe", afirmam as pastas, em nota conjunta. "No entanto, as duas secretarias decidiram, em conjunto, fixar reajuste menor que a inflação."
'Não tem arrego'

Em nota no Facebook, os estudantes da ETEC disseram que o transporte é um "dever do Estado" e que enquanto não tiverem "direito de ir e vir assegurado, gratuito e de qualidade", não sairão das ruas.

Eles querem aproveitar a visibilidade das ocupações escolares para tentar reverter mais esta decisão. "Em 2013 lutamos e conquistamos: o aumento foi revogado! Precisamos mostrar que a força que barrou o aumento da tarifa e a reorganização escolar não acabou."

Também por redes sociais, o G.A.S (Grupo Autônomo Secundarista), que se classifica como "estudantes secundaristas organizados e organizadas na luta estudantil de forma autônoma, desvinculados de organizações burocráticas", também se posicionou.

"Agora que secundarista tá organizado, se prepara pra ver trabalhador e estudante lado a lado contra a tarifa!".

Passe Livre

A BBC Brasil apurou que alguns jovens que participam das ocupações que tomaram mais de 200 escolas nos últimos dois meses também integram o Movimento Passe Livre (MPL), principal articulador das manifestações de 2013.

O grupo também se posicionou pelo Facebook, em um texto chamado "Mais um aumento de presente de ano novo".

"Só a luta muda a vida, e é bom que Haddad e Alckmin tenham vindo preparados para a briga, porque nós vamos bater de frente."

Segundo o MPL, "o busão e o metrô seguem lotados, o transporte continua servindo apenas para levar e buscar (e muito mal) do trabalho e nosso acesso à cidade e nosso direito de ir e vir continuam sendo mercadorias das mais caras."

A prefeitura e o governo do Estado afirmam que, além de reajustar tarifas abaixo da inflação, "decidiram congelar, sem qualquer reajuste, os valores atuais dos bilhetes temporais (24 horas, semanal e mensal).

"Mais da metade dos usuários do sistema de transportes (53%) não será impactada pela mudança na tarifa unitária, porque são beneficiários de gratuidades, usam bilhetes temporais que não terão aumento ou são trabalhadores que já pagam o limite legal de 6% do salário para o vale transporte", diz a nota.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após protestos em escolas, estudantes querem barrar aumento de passagens em SP - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV