Grécia diz que não vai pagar ao FMI dívida de 1,6 bilhão de euros

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Bolsonaro institui o Dia do Rodeio na Festa de São Francisco de Assis

    LER MAIS
  • “O transumanismo acredita que o ser humano está em um suporte equivocado”, afirma filósofo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 25 Maio 2015

O ministro do Interior grego, Nikos Vutsis, disse nesse sábado que a Grécia não será capaz de pagar ao Fundo Monetário Internacional (FMI) o empréstimo de 1,6 bilhão de euros que vence em junho.

A reportagem é de Talita Cavalcante e publicada por Agência Brasil, 24-05-2015.

A Grécia tinha concordado em pagar o empréstimo em quatro parcelas de 1,6 bilhão de euros no período de 5 a 19 de junho mas, segundo Vutsis, “este dinheiro não será pago, porque não há". "Isso é conhecido e discutido com base num otimismo cauteloso de que haverá acordo que permita ao país respirar", disse.

Em entrevista a uma canal de televisão, o ministro reconheceu que existem divergências sobre algumas questões e que, por isso, neste momento não será possível chegar a um acordo. No entanto, fez a ressalva de que a existência de um pacto irá "incentivar o país".

Vutsis disse, ainda, que o calendário das negociações poderá se estender até o final de junho ou início de julho. Ainda de acordo com o canal de televisão Mega, o primeiro-ministro Alexis Tsipras informou ao secretário do Tesouro americano, Jack Lew, a incapacidade do governo de lidar com os pagamentos ao FMI que vencem em junho.

No final de fevereiro, os parceiros da zona do euro concordaram com a Grécia em estender até junho o segundo resgate para chegar a um acordo sobre as reformas que o país deve fazer para poder continuar a receber financiamento. A oposição a cortes nos salários e pensões, a liberalização total do mercado de trabalho e a reforma tributária são alguns dos temas que geram desacordo com a Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grécia diz que não vai pagar ao FMI dívida de 1,6 bilhão de euros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV