Israel ataca paróquia de padre argentino, na Faixa de Gaza

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Brasil. Único país do mundo onde o início da vacinação representou uma derrota política para o presidente da República – Frases do dia

    LER MAIS
  • Um Brasil sufocado e orientado para uma política de morte. Nota do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil - CONIC

    LER MAIS
  • Os gritos silenciosos do meu pai quando voltou do campo de concentração

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 31 Julho 2014

Israel bombardeou, hoje, uma paróquia católica da cidade de Gaza, que está sob a responsabilidade do pároco argentino Jorge Hernández, em uma ofensiva que já matou mais de 1.200 pessoas, em sua maioria civis, e que destruiu parte de várias mesquitas e escolas da ONU.

A reportagem é publicada pelo jornal argentino El Comercial, 29-07-2014. A tradução é do Cepat.

A Paróquia Sagrada Família, localizada no bairro Al Zeitun, no leste de Gaza, foi alcançada esta manhã pelas bombas israelenses, apesar de oferecer refúgio para dezenas de crianças deficientes e para idosos.

O ataque israelense destruiu a casa das freiras da instituição, que se ocupam de cuidar das crianças e idosos.

O padre argentino explicou, em declarações à agência Fides, que além da casa das freiras do Instituto do Verbo Encarnado, o bombardeio destruiu parcialmente a escola paroquial adjacente e seu escritório.

Segundo a Fides, o objetivo principal do bombardeio era uma casa que se encontra a poucos metros da paróquia. Essa moradia ficou completamente destruída.

Hernández detalhou que, ontem à tarde, “o Exército israelense começou a enviar mensagens SMS aos residentes de Al-Zeitun, onde fica a paróquia católica e uma ortodoxa, com a ordem de abandonar as casas já que iam a bombardear”.

Muitas pessoas conseguiram fugir, mas aqueles que atualmente vivem na igreja não puderam.

Além do pároco Hernández, vivem ali três Irmãs de Madre Teresa, junto com 29 crianças deficientes e nove mulheres anciãs sob suas responsabilidades.

Os quatro religiosos decidiram ficar na paróquia, apesar de que há três semanas o Exército israelense bombardeia sistematicamente a Faixa de Gaza, na terceira ofensiva massiva desde 2007, quando o movimento palestino Hamas ganhou as eleições e assumiu o poder.

O pároco Hernández, que recebeu há alguns dias uma mensagem de solidariedade do papa Francisco, explicou que, assim como a maioria dos habitantes da faixa, eles não podem fugir. “Nós não podemos nos mover. Como fazer isso com 29 crianças deficientes e nove pessoas idosas? Não é possível, de nenhuma maneira”, denunciou, em declarações para a Rádio Vaticano.

O religioso argentino destacou que as crianças que estão sob seu cuidado “não são órfãs” e, consequentemente, “nós não somos seus tutores” para poder levá-los para fora de Gaza.

“Sem permissão, não podemos fazer isso. Além disso, sair de casa é perigoso. Então, nós estamos aqui, procurando resistir”, acrescentou o argentino.

Hernández também recordou o pedido que o Papa fez, no domingo passado, em nome das crianças que ficam presas nos conflitos. Alguém precisa dizer basta, sentenciou o religioso, e exigiu que alguém “coloque fim a este massacre, porque é impressionante”.

“Há duas semanas, a casa de uma família cristã foi bombardeada, a mamãe morreu, o pai ficou ferido e o filho luta para sobreviver em um hospital”, contou o pároco, tentando descrever a dramática situação que é vivida no pequeno e superlotado território palestino.

“É uma guerra absurda que, no entanto, segue adiante”, destacou Hernández, durante o dia mais violento que Gaza viveu, desde o começo da ofensiva militar.

No total, ao menos 1.229 palestinos já morreram, entre eles quase 250 crianças, e mais de 7.000 ficaram feridas. Ao passo que, por parte de Israel, morreram 53 soldados e três civis.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Israel ataca paróquia de padre argentino, na Faixa de Gaza - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV