Tecnologias sociais geram qualidade de vida no Semiárido

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 31 Julho 2013

Um lugar belo e de muita fartura, onde não falta alimento, água, muito menos trabalho. Este cenário de prosperidade retrata a realidade de quase 30 mil famílias agricultoras atendidas pelo Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2), desenvolvido pela Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA) em nove estados.

A reportagem é da Assessoria de Comunicação do Chapada e publicada pelo sítio da  Articulação do Semiárido – ASA, 30-07-2013.

Desde 2008, o Centro de Habilitação e Apoio ao Pequeno Agricultor do Araripe (Chapada), organização que integra a ASA, é uma das entidades responsáveis pela execução do Programa na região do Araripe. Ao longo dos anos, a partir da ação do P1+2, agricultores/as têm tido a oportunidade de participar dos processos de formação, criar pequenos animais, produzir alimentos e comercializar o excedente nas feiras e comunidades rurais.

Este ano, além do apoio do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), o Programa conta com o patrocínio da Petrobras. Como fruto da nova parceria, há três meses, o Chapada começou a desenvolver as atividades nos municípios de Exu, Ipubi e Araripina. Dessa forma, a iniciativa prevê a construção de 148 cisternas-calçadão, 49 barreiros trincheiras, 96 cisternas-enxurrada e quatro barragens subterrâneas. Isso significa dizer que 297 famílias agricultoras serão beneficiadas com tecnologias hídricas até o início do próximo ano.

Algumas destas implementações já foram construídas, e no Sítio Samambaia, em Araripina, o processo de mobilização social já aconteceu. Lá, cinco famílias estão envolvidas nas dinâmicas do P1+2 e alimentam a expectativa de ter água para produção de alimentos e para tirar a sede do animais, conhecida como segunda água, como é o caso da família de Dona Irenilda Santos que recebeu a cisterna-enxurrada. “Espero que a situação da gente melhore quando a chuva vier e cair na cisterna, pois quero plantar árvores de frutas e fazer vários plantios com um bocado de horta diferente. Fico pensando como vai ser, quando meu quintal estiver todo verdinho”, revela a agricultora.

Atualmente o Chapada está realizando o processo de seleção e cadastramento das famílias, como também os cursos de Gestão de Água para Produção de Alimentos, as capacitações de pedreiros/as, entre outras atividades que fazem parte do plano de trabalho do P1+2.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Tecnologias sociais geram qualidade de vida no Semiárido - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV