O sofrimento deve ser levado a sério

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Tuitadas

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Assim arma-se a próxima crise financeira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Junho 2013

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo
Lucas 7, 11-17, que corresponde ao 10º Domingo do Tempo Ordinário, ciclo C do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto.

Eis o texto

 
Fonte: http://migre.me/eSJZK

Jesus chega a Naim quando na pequena aldeia está acontecendo um acontecimento muito triste. Jesus vem pelo caminho, acompanhado pelos seus discípulos e de um grande grupo de gente. Da aldeia sai um cortejo fúnebre a caminho do cemitério. Uma mãe viúva, acompanhada pelos seus vizinhos, leva a enterrar o seu único filho.

Em poucas palavras, Lucas descreve-nos a trágica situação da mulher. É uma viúva, sem esposo que a cuide e proteja naquela sociedade controlada pelos homens. Restava-lhe apenas um filho, mas também este acaba de morrer. A mulher não diz nada. Só chora a sua dor. Que será dela?

O encontro foi inesperado. Jesus vinha anunciar também em Naim a Boa Nova de Deus. Qual será a sua reação? Segundo o relato, “Ao vê-la, o Senhor teve compaixão dela, e lhe disse: “Não chore!”. É difícil descrever melhor o Profeta da compaixão de Deus.

Não conhece a mulher, mas olha-a detidamente. Capta a sua dor e solidão e comove-se no seu íntimo. O abatimento daquela mulher chega até seu interior. A sua reação é imediata: “Não chore”. Jesus não pode ver ninguém chorar. Necessita intervir.

Não pensa duas vezes. Aproxima-se do féretro, detém o enterro e diz ao morto: “Jovem, eu lhe ordeno, levante-se!”. Quando o jovem se reincorpora e começa a falar, Jesus “entrega-o à sua mãe” para que deixe de chorar. De novo estão juntos. A mãe já não estará só.

Tudo parece simples. O relato não insiste no aspeto prodigioso do que acaba de fazer Jesus. Convida os seus leitores para ver nele a revelação de Deus como Mistério da compaixão e Força de vida, capaz de salvar até da morte. É a compaixão de Deus o que faz ser Jesus tão sensível ao sofrimento das pessoas.

Na Igreja temos de recuperar o quanto antes a compaixão como o estilo de vida próprio dos seguidores de Jesus. Temos que resgatá-la de uma concepção sentimental e moralizante que a desprestigiou. A compaixão que exige justiça é o grande mandato de Jesus: “Sede compassivos como o vosso Pai é compassivo”.

Esta compaixão é mais necessária do que nunca. Desde os centros de poder, tudo se tem em conta antes do sofrimento das vítimas. Funciona-se como se não houvesse afligidos nem perdedores. Desde as comunidades de Jesus se tem que escutar um grito de indignação absoluta: o sofrimento dos inocentes tem de ser tomado a sério; não pode ser aceito social

Esta compaixão é mais necessária do que nunca. Desde os centros de poder, tudo se tem em conta antes do sofrimento das vítimas. Funciona-se como se não houvesse afligidos nem perdedores. Desde as comunidades de Jesus se tem que escutar um grito de indignação absoluta: o sofrimento dos inocentes tem de ser tomado a sério; não pode ser aceito socialmente como algo normal, pois é inaceitável para Deus. Ele não quer ver ninguém a chorar.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O sofrimento deve ser levado a sério - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV