O que Francisco pensa sobre negar a Comunhão? Artigo de Thomas Reese

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Maio 2013

Como o Papa Francisco se posiciona diante de uma prática controversa: negar a comunhão aos católicos? O problema, em suma, são os católicos "fingidos".

A reflexão é do jesuíta norte-americano Thomas J. Reese, ex-editor-chefe da revista America, dos jesuítas dos EUA, de 1998 a 2005, e autor de O Vaticano por dentro (Ed. Edusc, 1998). O artigo foi publicado no sítio National Catholic Reporter, 30-04-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Quando o cardeal Joseph Ratzinger foi eleito papa, havia muito pouco que nós não sabíamos sobre os seus pontos de vista sobre teologia e práticas eclesiais. Ele era um teólogo prolificamente publicado e era, no momento da sua eleição, o prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, onde as suas ações eram bem noticiadas.

A eleição do cardeal Jorge Bergoglio, SJ, por outro lado, colocou no papado um arcebispo latino-americano pouco publicado e de baixo perfil que foi uma surpresa e um mistério para a maioria das pessoas na Igreja. Até agora, o seu estilo pastoral simples tem recebido críticas quase universalmente positivas.

Nas próximas semanas, eu vou tentar ir mais fundo na mente do Papa Francisco, examinando os escritos, entrevistas e homilias limitados que estão disponíveis. Embora esse material vai nos ajudar a compreender o Papa Francisco, ele pode, é claro, modificar os seus pontos de vista no futuro.

Em um artigo anterior, eu examinei os seus pontos de vista sobre o celibato opcional. Aqui vou olhar para outra prática controversa: negar a comunhão aos católicos.

Em Sobre o Céu e a Terra (Companhia das Letras, 2013), o livro do qual ele foi coautor com o rabino Abraham Skorka, o cardeal Bergoglio escreveu: "Pode-se negar a comunhão a um pecador público que não se arrependeu, mas é muito difícil comprovar essas coisas".

Pode-se notar que ele disse "pode-se" e não "deve-se". E, como um pastor experiente, ele ressaltou a dificuldade de comprovar se uma pessoa é "um pecador público que não se arrependeu". Muitos bispos norte-americanos, como os cardeais Francis George e Donald Wuerl, tomaram posições semelhantes.

Ao mesmo tempo, Bergoglio disse que seria errado receber a comunhão por parte de alguém que, "mais do que unir o povo de Deus, distorceu a vida de muitíssimas pessoas". Tal pessoa "não pode comungar, seria uma contradição total".

No livro, a questão da comunhão surge não no contexto do aborto, mas da injustiça. Ele se refere ao "que não só matou intelectual ou fisicamente, mas também matou indiretamente pelo mau uso dos capitais, pagando salários injustos". Ele os chama de hipócritas porque "fazem parte de sociedades de beneficência, mas não pagam aos seus empregados o que lhes corresponde ou os contrata de modo clandestino".

Por isso, se você paga os seus empregados de forma irregular, sem imposto de renda, então o Papa Francisco o consideraria um católico "fingido", que sofre de hipocrisia e esquizofrenia espirituais. Ele reconhece que há muitas dessas pessoas "que se escondem dentro da Igreja e não vivem de acordo com a justiça que Deus proclama". Se você é uma dessas pessoas, ele gostaria que você se perguntasse se você está pronto para a comunhão.

O arcebispo Bergoglio era especialmente suspeito dos católicos "fingidos" que são figuras públicas buscando aparecer na foto na fila da comunhão. Em tais circunstâncias, "eu não dou a comunhão, eu fico atrás, os ministros a dão, porque eu não quero que essas pessoas se aproximem de mim para a foto".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que Francisco pensa sobre negar a Comunhão? Artigo de Thomas Reese - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV