Dilma 'fica irritada' com apagão e com fala de ministro

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Outubro 2012

Eram sete horas da manhã quando o telefone tocou no Palácio da Alvorada pedindo para falar com a presidente Dilma Rousseff, com notícias que não poderiam ser dadas mais tarde. Do outro lado da linha estava o ministro interino de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, preocupado com o apagão de quatro horas em parte do Norte e Nordeste e aflito por repassar à presidente as informações em primeira mão e as providências já tomadas, como a convocação de uma reunião com todos os setores envolvidos no problema para descobrir a razão do apagão.

A reportagem é de Tânia Monteiro e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 27-10-2012.

Naquele momento, a luz já havia sido restabelecida nos Estados, mas a demora de quatro horas para resolver o problema era difícil de ser explicada. Dilma ficou "muito irritada" com o episódio, e passou o dia monitorando o assunto e recebendo relatos do ministro.

As primeiras informações além de serem escassas, já que o apagão ocorreu de madrugada, eram também contraditórias. Chegou-se a pensar que o problema tinha se iniciado na Chesf - empresa responsável pela transmissão de energia para oito dos nove Estados nordestinos -, o que se verificou, depois, não ser verdadeiro.

Tão logo soube que o problema, na verdade, foi gerado na subestação de Colinas (TO) da empresa Taesa, ligada à Cemig, a presidente determinou que um avião da Força Aérea Brasileira fosse mobilizado para levar 12 técnicos de alto nível de todas as áreas para o local, a fim de verificar "in loco" o que motivou a queda de energia em cadeia e a demora no restabelecimento da luz.

Pouco oportuno

O Planalto não gostou da abordagem de Zimmermann, sugerindo que poderia ter ocorrido uma sabotagem no sistema, comentário considerado "pouco oportuno" em véspera de eleição, quando o governo quer evitar, a todo custo, politização do tema. O Palácio realmente considera que "coisas esquisitas" andaram acontecendo, mas a avaliação é que, se existe alguma coisa, isso pode estar ligado a problemas com empregados por causa dos anúncios de demissões em todas as empresas do setor por causa da renovação das concessões.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dilma 'fica irritada' com apagão e com fala de ministro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV