Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Notícias » Notícias

Mercado dos transgênicos foge da Europa por rejeição social

A Europa não é um continente para transgênicos. A rejeição social e política em muitos países deixou a União Europeia muito atrasada nesse campo. E o anúncio de que a multinacional alemã BASF transferirá para os EUA e para a América do Sul a maior parte de suas pesquisas sobre transgênicos é o último sintoma da vitória dos ecologistas e dos grupos de consumidores nessa dura batalha. Das grandes do setor, só a Bayer mantém centros de pesquisa na Europa.

A reportagem é de Juan Gómez e Rafael Méndez, publicada no jornal El País, 18-01-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A gigante química alemã BASF justifica a sua decisão na baixa demanda por esses produtos na Europa. Segundo a porta-voz Julia Meder, a multinacional continuará suas pesquisas genéticas no continente americano. A BASF fecha seus três laboratórios genéticos com a consequente redução de quadro e transfere a sua sede central de biotecnologia de Limburgerhof (Renânia) para Raleigh (Carolina do Norte). Os produtos geneticamente modificados "não encontram suficiente aceitação na Europa" para justificar os investimentos. Só a Espanha, diz, "é aparentemente a exceção". Mas, em conjunto, "o mercado europeu é muito reticente" para que seja rentável.

Em 2004, a suíça Syngenta tomou uma decisão similar. Como a Monsanto, Dow e DuPont não mantêm centros de pesquisa na Europa, isso implica que, das grandes empresas do setor, só a Bayer mantêm centros na UE.

Carel du Marchie Sarvaas, diretor de Biotecnologia da Europa Bio, associação empresarial do setor, considera que a situação é desastrosa. "Falamos de postos de trabalho para doutores, bem remunerados, e as empresas europeias vão levá-los para os EUA. É a típica coisa que deveria fazer com que as pessoas refletissem". A BASF não fornece os valores sobre os investimentos cancelados, mas assegura que pesquisou a um custo de mais de um bilhão de euros nos últimos 15 anos.

As dificuldades de implementação na Europa não se devem tanto a restrições legais para a pesquisa e o cultivo, mas sim à rejeição do consumidor. Um inquérito Eurobarômetro de 2010, com 16 mil enquetes, constatou um incremente na rejeição aos transgênicos: havia subido de 57% em 2005 para 61%. Enquanto isso, o apoio caiu de 27% para 23% (na Espanha, de 66% em 1996 para 35%). "Ao contrário da indústria e dos cientistas, os europeus consideram que os transgênicos não oferecem benefícios e são inseguros", concluiu. Isso, apesar de que nas quase duas décadas de uso dos transgênicos até a Organização Mundial da Saúde (OMS) aprovou a sua segurança. Então, só seis países cultivavam transgênicos: Espanha (líder em milho resistente à praga do caruncho), a República Tcheca, Portugal, Romênia, Polônia e Eslováquia. Na Europa, havia apenas cerca de 100 mil hectares, comparadas com os 134 milhões no mundo.

A situação é tal que a França, Alemanha, Hungria, Grécia, Áustria, Luxemburgo e Bulgária já proibiram o milho cultivado na Espanha. E há outros como a Áustria que votam sistematicamente contra a opinião da Agência Europeia de Segurança Alimentar. Nos EUA e nos países em desenvolvimento, em contrapartida, há muito menos debate. Carlos Vicente, diretor de Biotecnologia da Monsanto na Espanha, afirma a situação europeia não afetará o desenvolvimento mundial: "Países muito importantes na produção de matérias-primas agrícolas, como Canadá, EUA, Brasil, Argentina, China e Índia, por exemplo, continuam avançando no desenvolvimento da biotecnologia agrícola".

A BASF obteve em 2010 a licença de cultivo de uma batata transgênica. É geneticamente modificada (a empresa a chama de "melhorada") para conter mais amido de uso industrial do que uma batata normal. Isso gerou uma onda de protestos na Alemanha. A batata Amflora chegou a ser cultivada legalmente em um Estado oriental do país. O governo regional ordenou a sua confiscação quando se descobriu que, na Suécia, haviam sido cultivadas entre as Amflora outros tipos de batatas modificadas que não possuíam licença. A BASF não comercializa produtos agrícolas diretamente, mas colabora com empresas como Monsanto ou Bayer. Com elas, desenvolve as sementes modificadas, que chegam ao mercado através desses sócios.

A retirada da BASF do continente europeu gerou nesta terça-feira um debate político na Alemanha. Os liberais do DFDP lamentaram a "perda para o desenvolvimento científico". A política "não soube conter a corrente de pensamento anticientífica e alheia à realidade", disseram. Parlamentares dos Verdes, no entanto, asseguraram que a decisão da BASF se deveu meramente ao "fiasco comercial" de seus produtos agrícolas.

Os ecologistas saudaram o anúncio como um triunfo: "A decisão da BASF é um aviso para empresas como Monsanto, Syngenta e Bayer, que continuam pressionando para introduzir culturas transgênicas na Europa. O exemplo da BASF mostra que forçar a vontade dos consumidores e da grande maioria dos agricultores não é nem rentável economicamente", manifestou a Amigos de la Tierra em um comunicado.

O professor de pesquisa do CSIC Pere Puigdomènech opina que a retirada da BASF "pode ser vista como uma vitória ecologista ou como uma perda para a Europa, porque a biotecnologia aplicada à alimentação não vai se deter. O Brasil, por exemplo, fez um feijão transgênico, e os EUA debatem agora a aprovação da alfafa". Puigdomènech destaca outro aspecto, de que, ao perder a pesquisa, a UE também perde o controle: "Importam-se milhões de toneladas de grãos transgênicos, mas não poderemos controlar se são produzidos por outros, e não temos a tecnologia para isso".

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium