Cadastro recorde de trabalho escravo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa obriga os futuros núncios a passar pelo menos um ano como missionários

    LER MAIS
  • O esgotamento do desenvolvimento: a confissão da Cepal. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Um dicionário de teologia de acordo com a sensibilidade contemporânea. Artigo de Gianfranco Ravasi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Janeiro 2012

O Ministério do Trabalho e Emprego divulgou, ontem, nova lista suja, como é popularmente conhecido o cadastro de empregadores flagrados explorando mão de obra escrava no país. Desta vez, em um espaço de apenas seis meses, foram incluídos os nomes de 52 pessoas físicas e jurídicas. Com as novas inclusões, o cadastro passa a conter 294 nomes, um número recorde. Apenas dois nomes foram retirados da lista no período porque cumpriram os requisitos para a exclusão. A lista completa está disponível no site do ministério (www.mte.gov.br).

A reportagem é de Vânia Cristino e publicada pelo jornal Correio Braziliense, 03-01-2012.

"Nunca tivemos tantos empregadores irregulares ao mesmo tempo. Estamos atuando no trabalho escravo urbano, pois temos empregadores infratores também nesse meio", disse o chefe da Divisão de Fiscalização para Erradicação do Trabalho Escravo do ministério, Alexandre Rodrigo Teixeira da Cunha Lyra.

Para coibir o uso ilegal de mão de obra análoga à escravidão, o governo criou, em 2004, um cadastro em que figuram os empregadores flagrados praticando a exploração. Ao ser inserido nessa lista, o infrator fica impedido de obter empréstimos em bancos oficiais e entra para a lista suja. O cadastro é utilizado pelas indústrias, pelo varejo e pelos exportadores para a aplicação de restrições. O objetivo é não permitir a comercialização dos produtos advindos do abuso de trabalhadores.

De acordo com o Ministério do Trabalho, a lista passa por atualizações maiores a cada seis meses. Os nomes são mantidos por dois anos e, caso o empregador não volte a cometer o delito e tenha pago devidamente os salários dos trabalhadores, o registro é excluído.

Auto de infração

A inclusão do nome no cadastro ocorre após decisão administrativa relativa ao auto de infração, lavrado em decorrência de ação fiscal, em que tenha havido a identificação de trabalhadores submetidos ao trabalho escravo. O Grupo Especial de Fiscalização Móvel do Ministério do Trabalho resgatou, até 29 de dezembro, 2.271 pessoas encontradas em situação degradante de trabalho em 158 operações realizadas no ano.

Foram inspecionados cerca de 320 estabelecimentos e pagos mais de R$ 5,4 milhões em indenizações trabalhistas, de acordo com a Divisão de Fiscalização para a Erradicação do Trabalho Escravo. De 1995 até o fim do ano passado, 41.151 trabalhadores foram resgatados.
mão de obra escrava

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cadastro recorde de trabalho escravo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV