Dilma, a Mafalda brasileira

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Viagem ao inferno do trabalho em plataformas

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Agosto 2011

O governo Dilma atravessou o mar borrascoso dos tempos de Antonio Palocci. Entrou, a seguir, nas águas tempestuosas que engolfaram o ministro e o Ministério dos Transportes. Atravessa, agora, um oceano agitado na área da Agricultura. Mas o ministro Wagner Rossi, de pronto, agiu para restabelecer a calma. Saiu o secretário-executivo. As coisas tendem a se ajustar. E, de repente, mais um estouro nos canais do Turismo. 38 pessoas envolvidas numa situação embaraçosa. Que começou com emendas de uma deputada do Amapá, no valor de R$ 9 milhões, favorecendo um Instituto, o Ibrasi, em contratos com o Ministério do Turismo para capacitação profissional. Mazelas de nosso sistema político/governativo.

O comentário é de Rudá Ricci, sociólogo, publicado no seu blog, 10-08-2011.

Na minha opinião, a situação é mais grave. Dilma, do alto de sua inexperiência política, faz da cruzada moralista uma ação solitária. O Brasil agradece, mas a política contra-ataca. E a Presidente vai aprendendo aos trancos e barrancos. Será refém de sua própria volúpia moralista.

Listo três possibilidades que vislumbro daqui por diante:

1) Dilma tem sua ânsia de faxina arrefecida. Aos poucos, vai diminuindo o ímpeto moralista. Vai se entregando;

2) Lula entra em cena e acalma a coalizão presidencialista;

3) Crise política permanente e Dilma se isola aceleradamente.

A política brasileira é assim. O sistema partidário é frágil e divorciado do cotidiano dos brasileiros. As intenções morais do país não se relacionam com as intenções políticas dos partidos. E Dilma precisa do voto no Congresso para quase tudo.

A coalizão presidencialista montada por Lula apenas aumentou o cacife dos partidos.

Em outras palavras: são os partidos que governam o país, não a população.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dilma, a Mafalda brasileira - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV