Luz verde do Papa sobre o primeiro cardeal no tribunal

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Não tenho nenhuma esperança de que o Governo Bolsonaro ainda se empenhe em transmutar sua visão a respeito da Amazônia. Entrevista com Dom Erwin Krautler

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Julho 2021

 

Fala-se que a luz verde de Francisco para os juízes chegou em 19 de junho, mas agora já se trata de uma luz verde dada como certa. Nos últimos meses, as ações do Papa convergiram para o mesmo princípio que Bergoglio já havia esclarecido a respeito das acusações sobre a pedofilia: "Não haverá filhinhos de papai". A virada foi em 30 de abril, quando um motu proprio de Bergoglio estabeleceu que no Vaticano até cardeais e bispos, como todo mundo, devem ser julgados pelo tribunal ordinário, formado por juízes leigos. Até agora só podiam ser julgados por outros cardeais ou pelo próprio Pontífice. A única cláusula que ficou foi a do "assenso" do próprio Pontífice.

O comentário é de Gian Guido Vecchi, publicado por Corriere della Sera, 04-07-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.

Dizem que Becciu não esperava por isso. Certamente, em 24 de setembro, quando o caso explodiu, Francisco impôs ao então prefeito da Congregação dos Santos a renúncia à liderança do dicastério e, sobretudo, aos "direitos e prerrogativas do cardinalato", um título esvaziado. É uma decisão grave, com bem poucos precedentes. "Fui tratado como o pior dos pedófilos, o Papa já me condenou", desabafou o cardeal ao Corriere. Depois, um esclarecimento: na tarde de 1º de abril, quinta-feira santa, Francisco celebrou a missa na casa de Becciu e não em São Pedro. O abraço, os telefonemas com o Papa ... Becciu via uma luz no horizonte. Outros falaram de um gesto de "misericórdia". Certamente o Papa sempre se refere ao "princípio jurídico fundamental" da presunção de inocência, mas quer que a justiça, para o resto, siga seu curso de maneira autônoma.

Que seja esclarecido o que aconteceu e nunca mais se repita: a Secretaria de Estado não terá mais fundos reservados, a gestão passou para a APSA. A dureza da decisão de setembro permanece. Alguns falam de provas esmagadoras e outros de pressões sobre o Papa por vingança ou a eliminação de um possível candidato ao conclave. Apenas boatos, as "fofocas" muitas vezes denunciadas por Francisco. Mas os rumores falam muito sobre o clima da Cúria, que ainda está dividida. 

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Luz verde do Papa sobre o primeiro cardeal no tribunal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV