Morte deve ser investigada e governo precisa estancar invasões na Terra Indígena Araribóia

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O que deve ser cancelado? Eis a questão

    LER MAIS
  • Cardeal Luis Antonio Tagle: a melhor nomeação do papa

    LER MAIS
  • CNBB emite nota sobre o desrespeito à fé cristã

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

03 Novembro 2019

O Instituto Socioambiental (ISA) manifesta seu apoio à luta dos guardiões da floresta da Terra Indígena Araribóia e seu pesar em relação à morte brutal de Paulo Paulino Guajajara na sexta-feira 1/10.

A reportagem é publicada por Instituto Socioambiental - ISA, 02-11-2019.

Paulino foi morto a tiros por madeireiros em uma emboscada na região da Lagoa Comprida. Como guardião da floresta, ele lutava para proteger a floresta de seu território não só para a sobrevivência dos guajajara, mas também dos grupos de Awá Guajá isolados, indígenas sem nenhum contato com os brancos e que dependem intrinsecamente da floresta para sobreviver.

O guardião da floresta Laércio Guajajara também estava na emboscada, mas conseguiu escapar. Com ferimentos graves, ele passou por atendimento e está se recuperando. Um madeireiro morreu no confronto, e outro ficou ferido.

Paulino, Laércio e outros guardiões vinham recebendo ameaças dos madeireiros há tempos. Em julho de 2019, a situação foi denunciada por cineastas guajajara no filme "Ka'a zar Ukize Wà: Os donos da floresta em perigo". Uma tragédia como essa demonstra o resultado de um governo negligente em relação aos direitos dos povos indígenas e à proteção do meio ambiente. Na Araribóia, a ausência do estado obrigou os indígenas a protegerem seu território com a própria vida.

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) também manifestou se pesar e repúdio em relação ao episódio.

Os guajajara afirmam que Laércio e outros guardiões da floresta que moram na terra indígena continuam sob ameaça. Segundo informações locais, familiares do madeireiro ferido prometem um novo ataque dentro da Terra Indígena.

É imprescindível que o crime seja investigado, e que os órgãos responsáveis atuem para acabar com as invasões dentro da Araribóia, interrompendo o ciclo de violência ao qual esses indígenas estão submetidos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Morte deve ser investigada e governo precisa estancar invasões na Terra Indígena Araribóia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV