Breves do Facebook

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • Presidente do Bradesco enquadra Bolsonaro: não está entregando o combinado

    LER MAIS
  • “O capitalismo está sob séria ameaça”, adverte Raghuram Rajan, economista que previu a crise financeira global

    LER MAIS
  • Um presidente errático em sintonia com frustrações e anseios inconscientes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

19 Outubro 2018

Gustavo Gindre

Não é segredo para ninguém que me conhece que estou em processo de superação de um cenário interno muito difícil e que muitos prejuízos emocionais, físicos e sociais me causou.

Nesse processo aprendi que jamais poderei contribuir de fato para um mundo melhor se eu não me tornar uma pessoa melhor.

Digo isso porque vejo uma grande quantidade de pessoas ao meu redor que estão adoecendo com a perspectiva de um governo Bolsonaro.

Não tenho moral para dizer nada, mas, mesmo assim, segue meu conselho: cuidem-se. O cenário futuro não parece ser nada positivo e vocês precisarão estar fortes.

 

Carlos Minc

Grotesco. Bolsonauristas invadem reunião da CNBB. Aos brados acusam a Igreja de comunista e cúmplice da corrupção. Lembra ações do CCC - comando de caça aos comunistas - na Ditadura militar. Como a invasão da peça Roda Viva, de Chico Buarque - com espancamento de atores e atrizes. Isto antes da horripilante possível vitória do truculento Inominável! Há que resistir contra a Barbárie!

 

Maurício Caleiro

O dano à democracia já está feito. A eleição para o Senado foi gravemente afetada e as candidaturas de Zema (MG) e Witzel (RJ) devem ser questionadas.
Trata-se agora, sobretudo, de impedir que o esquema criminoso emposse um Presidente. #Caixa2doBolsonaro

 

Samuel Osmari

BISPOS QUE FIZERAM HISTÓRIA,

DOIS BISPOS LUTADORES, NA CNBB, Dom José Ivo Lorscheiter e Dom Aloisio Lorscheider que enfrentaram a Ditadura Militar defendendo os persseguidos e torturados pelos amigos do cel Ustra, durante a Ditadura militar!

 

 

 

 

 

Gustavo Gindre

Há uma coisa que não entendo.

Ao contrário das fake news de ex jornalistas como Paulo Henrique Amorim, a Globo está bem longe de falir.

Mas é fato que ela vem passando por dificuldades, especialmente por conta do declínio da TV aberta (e também da TV paga).

Ano passado o Grupo Globo teve prejuízo operacional (que acabou sendo revertido para um lucro líquido de R$ 2 bilhões graças aos seus investimentos financeiros). Mas essa não é uma situação que possa ser mantida indefinidamente.

Esse ano tudo indica que o tombo será ainda maior, porque, ao que parece, a Copa do Mundo não deu lucro.

Assim que passar o vendaval das eleições deve sair um texto meu explicando a reforma radical que a Globo promove. Ao final, não haverá mais empresas separadas como TV Globo e Globosat. E pelo menos dois netos de Roberto Marinho assumiram papel determinante nesse processo.

Ou seja, a Globo se prepara para dias difíceis, onde seus adversários serão os serviços de streaming da Netflix, AT&T e Disney e a captação de publicidade feita pelo Google e o Facebook, muito mais do que os anões locais, como Record e SBT.

Mas o fato é que a Globo tem um limite bem claro. Muito mais de 90% do seu faturamento vem do mercado brasileiro. Ao contrário de seus novos adversários, a Globo praticamente não possui outros mercados para explorar. Portanto, a saúde econômica do Brasil é determinante para seus negócios.

Com certeza a Globo ainda lembra da mega desvalorização cambial do segundo governo FHC e da crise econômica que se seguiu. Na época a empresa tinha dívidas em dólares e passou por péssimos momentos, chegando a ficar mais de dois anos sem conseguir pagar seus credores.

Sendo assim, não faz muito sentido a tranqüilidade com que a Globo aceita a hipótese de um governo Bolsonaro, porque parece claro que viveremos anos de muita instabilidade e não há perspectiva de crescimento do mercado interno.

 

Maurício Caleiro

Imagem denunciando #Caixa2doBolsonaro projetado pela Mídia Ninja nos prédios da cidade de São Paulo. A campanha do ódio e da fake news não vai passar!

 

Caio Almendra

Minha querida bolha: tem que apertar na #MarketeirosDoBolsonaro, achar um eleitor dele que não parece um bot e ir desconstruindo, com respeito mas convicção, as desculpas dele. Pode parecer besteira, esse cara que usa essa hashtag nunca será convencido... mas a rede de contatos dele será.

Titio Twitter é bem útil para furar bolhas. É trabalho de formiguinha mas é essencial. Usem! Ficar apenas na hashtag "caixa 2 do bolsonaro" é ficar na bolha.

 

Caio Almendra

Ontem, eu conversava com um amigo sobre os interesses de um conglomerado de inteligência em dados, ligado à extrema-direita mundial, poderia ter no Brasil. Claro que há um esforço de conter a ascensão da China que, em breve, será a grande potência mundial. E o Brasil deixou, nos últimos d z anos, de ser quintal dos EUA para ser quintal chinês. A China é o maior investidor no Brasil hoje, responsável desde nossa produção de commodities até em nossa infraestrutura.

Mas o que queria alertar era um lance específico sobre a natureza da mercadoria "dados" e dos investimentos em dados: eles são cumulativos. Toda tecnologia se aperfeiçoa quando é utilizada... mas só a ciência de dados se aperfeiçoa SOZINHA.

Quanto mais se acumulam os bancos de dados, quanto mais se utilizam eles, quanto mais se imputam dados em máquinas que aprendem, mais eles são úteis, precisos e etc.

E só existem eleições em um país duas vezes ao ano. Então, ser transnacional é acelerar o aperfeiçoamento necessário para a utilização nos países da economia central.

 

Gustavo Gindre

Matéria interessante do jornal Valor Econômico de hoje trata sobre a boa vontade que Bolsonaro tem demonstrado em relação à possível reforma da previdência dos militares.

E isso bate com o que venho dizendo há muito tempo.

Claro que existem militares com perfil mais ideologico, como o tal Mourão, que sonham com a volta da ditadura militar.

Mas a maior parte está ali agenciando negócios, seja no varejo (uma licitação aqui, um cargo ali) seja no atacado (a manutenção das regras atuais da previdência militar, por exemplo).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Breves do Facebook - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV