Crise da CoronaVac: Pazuello anuncia compra, Bolsonaro cancela

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Outubro 2020

Decisão tomada ontem por Pazuello foi criticada por apoiadores do presidente. “Não compraremos vacina da China”, afirmou Bolsonaro, falando em “traição”.

A reportagem é de Raquel Torres, publicada por Outras Palavras, 21-10-2020.

O presidente Jair Bolsonaro decidiu cancelar uma decisão anunciada ontem pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Mesmo com toda a campanha do presidente contra a CoronaVac – e apenas um dia depois de ele reclamar do preço dessa vacina –, Pazuello anunciou ontem um acordo de R$ 1,9 bilhão com o estado de São Paulo para a compra das 46 milhões de doses do imunizante. Com isso, a CoronaVac ficaria incorporada ao Programa Nacional de Imunizações, em vez de tornar-se um negócio exclusivo de São Paulo. “A vacina do Butantan será vacina do Brasil”, disse Pazuello, em reunião com governadores.

Segundo a pasta, foi assinado um protocolo de intenções que depende do registro da Anvisa para que a compra se concretize. A expectativa era que isso acontecesse até o fim do ano; nesse caso, a vacinação começaria em janeiro.

Nem os auxiliares de Jair Bolsonaro conseguem sustentar por muito tempo o circo político armado diariamente pelo chefe”, escreveu o colunista da Folha Bruno Boghossian sobre a derrota do presidente. No mesmo jornal, Pedro Venceslau apurou que João Doria, viajaria hoje mesmo para Brasília para “capitalizar o que seus aliados consideram uma vitória política do tucano“, de olho nas eleições de 2022.

Mas logo o peso da decisão chegou ao colo do presidente. Respondendo a comentários de apoiadores em suas redes sociais, Bolsonaro escreveu que a compra não seria concretizada, e falou até em “traição”. O site Poder360 apurou que ele enviou uma mensagem aos ministros dizendo: “Alerto que não compraremos vacina da China. Bem como meu governo não mantém diálogo com João Doria sobre covid-19″.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crise da CoronaVac: Pazuello anuncia compra, Bolsonaro cancela - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV