O que é o Extinction Rebellion, movimento que quer parar Londres em mega protesto ambiental e já está presente no Brasil

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Sigilo em torno do Sínodo da Amazônia mostra tensão entre transparência e discernimento

    LER MAIS
  • Está chegando o cato-fascismo

    LER MAIS
  • “Facebook ameaça a democracia”, adverte Chris Hughes, cofundador da rede social

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Outubro 2019

No começo da manhã de uma terça-feira, pedestres caminham em uma rua movimentada no centro de Londres. De repente, em um movimento coordenado, parte deles se vira em direção a um grandioso e bonito edifício construído em 1906 e começa a vandalizá-lo. É a embaixada brasileira na capital britânica.

A reportagem é de Juliana Gragnani, publicada por BBC News Brasil, 07-10-2019.

Jogam tinta vermelha em sua fachada e escrevem palavras de ordem como "Stop Ecocide" (pare o ecocídio) nas paredes. Dois sobem em cima de um toldo, enquanto outros três usam cola nas mãos para se grudar às janelas do prédio.

Todos eles, jovens e uma mulher idosa, fazem parte do Extinction Rebellion ou (XR na sigla adotada), movimento de ativismo ambiental que nasceu em outubro do ano passado no Reino Unido e que, agora ao completar um ano, quer parar Londres novamente. O grupo planeja ocupar três espaços notórios e movimentados no centro da capital britânica: a Trafalgar Square (na área onde fica a embaixada brasileira), a ponte Westminster e o The Mall, uma avenida importante que liga o Palácio de Buckingham à praça Trafalgar e por onde monarcas e chefes de Estado transitam em cerimonial quando visitam o Reino Unido.

"Extinction" significa extinção e, "rebellion", rebelião. Membros do grupo, que se identificam como "rebels" (rebeldes) dizem querer promover uma rebelião contra a extinção das espécies, inclusive a humana, algo que, afirmam, vai acontecer se nada for feito agora por nossos representantes políticos para impedir a mudança climática.

No Brasil, já existe um grupo organizando uma versão brasileira do Extinction Rebellion, que será chamada de "Rebelião ou Extinção". Nesta semana, também planejam ações, embora não tenham anunciado quais.

"É uma questão de sobrevivência, não ambientalismo. Ambientalismo sempre significa uma coisa: ou o ambiente é distante e pobre, e temos que ajudá-lo, ou é algo que temos que explorar para ficarmos mais ricos. A verdadeira questão que enfrentamos é: ou fazemos algo agora ou no futuro vamos passar fome", diz em entrevista à BBC News Brasil um dos fundadores do Extintion Rebellion, o britânico Roger Hallam, antes de ser detido em Londres por ter protestado no aeroporto de Heathrow, em setembro, usando um drone para atrapalhar voos. "É como se estivéssemos discutindo dentro de um barco que está navegando em direção a uma cachoeira e vai cair no abismo."

Em seu discurso e ações, membros do movimento enfatizam mensagens que transmitem à população um sentimento de urgência. Estamos à beira de uma "catástrofe climática", de uma "emergência", do "colapso do mundo", afirmam, e é preciso acordar dessa letargia. É um tom semelhante ao da adolescente ativista Greta Thunberg, da Suécia, que, num cruzamento de movimentos, já participou de protestos do Extinction Rebellion em Londres.

Para os rebeldes, a mídia, os governantes e grupos ambientalistas tradicionais como o Greenpeace não foram eficientes em transmitir o senso de urgência à população.

Agora, eles têm três demandas: 1) que o governo "conte a verdade à população declarando uma emergência climática e ecológica"; 2) que o governo "zere as emissões de gases de efeito estufa até 2025"; 3) que o governo "crie uma assembleia popular, formada por cidadãos comuns e escolhidos aleatoriamente, e siga suas decisões sobre o meio ambiente".
Para convencer o governo a adotar essas reivindicações, os fundadores do grupo estudaram revoltas passadas para formular estratégias. Para eles, manifestações convencionais não funcionam —s ão contra marchas, por exemplo.

Todas ações têm uma coisa em comum: usam técnicas de resistência não violenta. Ou seja, protestos que interrompam o funcionamento das coisas, às vezes desrespeitando a lei, mas de modo pacífico. São estratégias inspiradas em Mahatma Gandhi, que liderou o movimento bem-sucedido pela independência da Índia, e Martin Luther King, um dos líderes mais importantes na campanha pelos direitos civis aos negros nos Estados Unidos. "A participação em massa e a desobediência civil são os mecanismos mais efetivos para desafiar o projeto genocida das elites do mundo", diz Hallam.

Os atos de agora em Londres são a terceira vez que fazem algo tão grande, embora tenham levado a cabo ao longo do ano ações menores como a da embaixada brasileira, que aconteceu em agosto, auge da crise da Amazônia do governo Jair Bolsonaro. Em outubro do ano passado, quando surgiu, o grupo já havia interrompido o trânsito londrino com seus protestos. Cresceu muito em abril de 2019, quando seus participantes —de jovens a ativistas mais velhos— fizeram grandes protestos em Londres: durante 11 dias, grudaram seus corpos em trens, marcharam no aeroporto de Heathrow e bloquearam avenidas importantes, inclusive uma ponte inteira. Na ocasião, mais de mil ativistas foram detidos.

Parte importante do movimento no Reino Unido é ter pessoas que se identificam como "arrestables", ou seja, que se dispõem a serem detidas (algo como "detíveis") e terem sua ficha criminal manchada. Elas devem informar os organizadores de protestos para serem contabilizadas e destacadas para levar a cabo as ações não violentas que podem acabar na prisão e chamar atenção da imprensa.

Há grupos dentro do movimento de "apoio aos detidos", pessoas que ajudam a divulgar financiamentos coletivos para pagar os custos do processo pós-detenção ou que simplesmente comparecem às audiências para dar apoio emocional. Mas nem tudo são flores. Ainda não há consenso sobre como as pessoas devem lidar com o processo depois da detenção: "Pagar um advogado?", "Com que dinheiro?", "Representar a si mesmo, sem advogado?", "Dizer-se inocente ou culpado?" são algumas das questões levantadas nas reuniões do Extinction Rebellion.

A estratégia, é claro, incomoda. Segundo a polícia, os protestos em abril do ano passado custaram à corporação mais de £7,5 milhões (cerca de R$ 38 milhões). Para o Brasil, consertos no edifício da embaixada custaram cerca de £8 mil (R$ 40 mil), segundo o Itamaraty. Motoristas e pedestres tiveram sua rota interrompida ("vi uma senhora que tinha trabalhado o dia todo e ficou presa até uma da manhã em um ônibus na ponte", afirmou à reportagem uma brasileira que não quis ser identificada) e, em Bristol, no oeste do Reino Unido, um filho não pode ir ao hospital se despedir do pai, que estava morrendo, por conta de um protesto que interrompia a rua.

A íntegra da reportagem pode ser lida aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que é o Extinction Rebellion, movimento que quer parar Londres em mega protesto ambiental e já está presente no Brasil - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV