A Transfiguração: escutar Jesus

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Quem são os “idiotas úteis”?

    LER MAIS
  • Sob o império do grosseiro e do obsceno

    LER MAIS
  • Alastra-se o rechaço a Bolsonaro; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp)

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Março 2019

A leitura que a Igreja propõe neste domingo é o Evangelho de Jesus Cristo segundo Lc 9,28-36 que corresponde ao 2° Domingo de Quaresma, ciclo C, do Ano Litúrgico. O teólogo espanhol José Antonio Pagola comenta o texto. 

Eis o texto

Os cristãos de todos os tempos foram atraídos pela cena tradicionalmente chamada “a transfiguração do Senhor”. No entanto, para os que pertencemos à cultura moderna, não é fácil penetrarmos no significado de uma história, escrita com imagens e recursos literários, típicos de uma “teofania” ou revelação de Deus.

No entanto, o evangelista Lucas introduziu detalhes que nos permitem descobrir com mais realismo a mensagem de um episódio que muitos hoje acham estranho e inverossímil. Desde o início indica que Jesus sobe com seus discípulos mais próximos ao topo de uma montanha simplesmente “para rezar”, não para contemplar uma transfiguração.

Tudo acontece durante a oração de Jesus: “Enquanto ele estava a orar, a aparência de seu rosto mudou”. Jesus, profundamente recolhido, acolhe a presença de seu Pai e seu rosto muda. Os discípulos percebem algo da Sua identidade mais profunda e oculta. Algo que eles não conseguem entender na vida cotidiana de cada dia.

Na vida dos seguidores de Jesus não faltam momentos de clareza e certeza, de alegria e de luz. Ignoramos o que aconteceu no topo daquela montanha, mas sabemos que na oração e no silêncio é possível vislumbrar, a partir da fé, algo da identidade oculta de Jesus. Essa oração é fonte de um conhecimento que não é possível obter dos livros.

Lucas diz que os discípulos mal entenderam, pois “caíam de sono” e só “quando acordaram” captaram algo. Pedro só sabe que ali se está muito bem e que essa experiência nunca deveria terminar. Lucas diz que “não sabia o que dizia”.

Por isso a cena culmina com uma voz e um mandato solene. Os discípulos estão envoltos numa nuvem. Assustam-se, pois tudo aquilo os supera. No entanto, dessa nuvem sai uma voz: “Este é o meu Filho, o escolhido. Escutai-O”. Ouvir deverá ser a primeira atitude dos discípulos.

Os cristãos de hoje precisam urgentemente “interiorizar” a nossa religião se quisermos reavivar a nossa fé. Não basta ouvir o Evangelho de forma distraída, rotineira e gasta, sem qualquer desejo de escutar. Não basta tampouco ouvir de forma inteligente, apenas preocupado em entender.

Precisamos ouvir Jesus vivo no mais íntimo do nosso ser. Todos, pregadores e pessoas fiéis, teólogos e leitores, precisamos escutar sua Boa Nova de Deus, não desde fora, mas desde dentro. Deixe que suas palavras desçam das nossas cabeças até ao coração. A nossa fé seria mais forte, mais alegre, mais contagiante.

 

Leia mais: 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Transfiguração: escutar Jesus - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV