#90AnosDePedro. O Araguaia é testemunha

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Karl Rahner sobre o que significa amar Jesus

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Fevereiro 2018

Comemorando os 90 de nosso bispo Pedro Casaldáliga, queremos relembrar os momentos significativos da sua ordenação episcopal no dia 23 de outubro de 1971 e as repercussões da Carta PastoralUma Igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social", lançada naquela ocasião.

O portal da Comissão Pastoral da Terra - CPT reproduz o que foi publicado no Jornal Alvorada, em Retalhos de Nossa História, na edição de setembro/outubro de 1996 e que foi republicado agora na edição especial comemorativa de seus 90 anos de vida, 50 de Brasil, fevereiro 2018.

Eis o texto.

São Félix do Araguaia, 23 de outubro de 1971. Noite. À beira do rio, Dom Fernando Gomes dos Santos, arcebispo de Goiânia, Dom Tomás Balduino, bispo de Goiás e Dom Juvenal Roriz, bispo de Rubiataba, consagram como bispo a Pedro Casaldáliga.

Esta ordenação marcaria profundamente a história da recém-criada Prelazia de São Félix do Araguaia e, podemos dizer, da Igreja do Brasil

Uma celebração carregada de fé, de simplicidade e de cheiro do povo e que teve o Araguaia como testemunha”.

Chapéu de Palha

Como sinal de identificação com o povo e do despojamento com que esta igreja queria se revestir, o novo bispo não aceitou qualquer insígnia ou distintivo que o distanciasse do povo a quem queria servir.

A mitra foi substituída por um chapéu de palha sertanejo. Um remo, feito pelos Tapirapé, substituiu o báculo. O anel de tucum, feito pelos índios da região, marcaria o compromisso com sua causa. (O anel que cursilhistas amigos de Madri enviaram, foi mandado como recordação e sinal de carinho à velha mãe, na Espanha).

Assim dizia o cartão-lembrança distribuído aos presentes:

“Tua mitra será um chapéu de palha sertanejo, o sol e o luar; a chuva e o sereno; o olhar dos pobres com quem caminhas e o olhar glorioso de Cristo, o Senhor.

Teu báculo será a verdade do Evangelho e a confiança do teu povo em ti.

O teu anel será a fidelidade à Nova Aliança do Deus Libertador e a fidelidade ao povo desta terra.

Não terás outro escudo que a força da Esperança e a liberdade dos filhos de Deus, nem usarás outras luvas que o serviço do Amor. ”

As leituras bíblicas, traduzidas para a linguagem regional, lembravam os compromissos que o bispo assumia naquele momento.

“Eu sou o bom vaqueiro. O bom vaqueiro arrisca a vida pelo seu gado. Aquele que não é vaqueiro e que não zela o gado, quando vem a onça, ele foge.

Eu sou o bom vaqueiro. Conheço o meu gado e o meu gado me conhece e dou a minha vida pelo meu gado. Tenho outros gados que não estão neste retiro. Eu devo ir atrás deles. E eles escutarão o meu aboio e haverá um rebanho só.” (Jo 10, 11-16)

“Um documento cheio de dores”

No dia da sagração episcopal foi distribuída a Carta PastoralUma Igreja da Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social”. Em 123 páginas, a carta descreve a Prelazia, sua situação geográfica, econômica e social, mas, sobretudo, denuncia as injustiças sofridas pelos posseiros, índios e peões, provocadas pelas grandes empresas que estavam se estabelecendo na região com o dinheiro farto dos cofres públicos, através dos incentivos fiscais, em projetos aprovados pela Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia – SUDAM.

Todas as denúncias vinham comprovadas com uma série de documentos que até hoje ninguém contestou.

A carta apela para a consciência e a solidariedade dos cristãos. Apelava também aos latifundiários: “pediríamos, se nos quisessem ouvir, um simples pronunciamento entre sua fé e seu egoísmo”. Apelava às autoridades: “Apelamos às supremas autoridades federais, para que escutem o clamor abafado do povo; para que subordinem os interesses dos particulares ao bem comum; a política da ‘pata do boi’, à política do homem.”

E na carta se expressavam, de forma clara, os compromissos desta igreja, movida pelo Evangelho de Jesus Cristo na luta ao lado deste povo esquecido.

O Boletim “Notícias” da CNBB, a qualificou de “Um documento cheio de dores”.

Repercussão nacional

A carta foi divulgada pela CNBB no dia 9 de novembro e encontrou enorme repercussão em todo o Brasil. Jornais de quase todos os estados divulgaram o documento e muitos destacaram trechos inteiros do mesmo.

O jornal “O SÃO PAULO”, da Arquidiocese de São Paulo, já em 23/10/71, comentava com destaque a carta e no dia 23/11/71 falava da repercussão que estava provocando.

O “JORNAL DO BRASIL” do Rio de Janeiro no dia 11/11/71, publicou editorial intitulado: “DENÚNCIA DO BISPO”, em que dizia: “Não há dúvida de que o documento do Bispo de São Felix não pode cair no vazio. Surge num momento de certo modo propício e fere um tema que está nas cogitações das autoridades, empenhadas em integrar um país de proporções continentais, como é o nosso” ( Jornal do Brasil – 11/11/71).

Já “O ESTADO DE SÃO PAULO”, defensor e porta-voz dos latifundiários publicou editorial com o seguinte título: “A MÁ FÉ E A DEMAGOGIA DESTE BISPO” (OESP 13/11/71) e o “JORNAL DA TARDE” também de São Paulo publicou: “A INJUSTIÇA DO DOCUMENTO SOBRE A AMAZÔNIA” (JT 15/11/71). Os dois editoriais defendem os latifundiários, fazendo-os passar por grandes desbravadores. Estes editoriais foram elogiados pela Associação dos Empresários Agropecuários da Amazônia e pelo dono da Fazenda Suiá-Missu, Herminio Ometto (O ESP – 2/12/71).

O jornalista Sebastião Nery, em sua coluna no jornal ‘TRIBUNA DA IMPRENSA”, do Rio de janeiro, transcreve trechos da carta, dando eco às denúncias do bispo. (Tribuna da Imprensa 11/11/71).

Várias agências de notícias internacionais e a Nunciatura Apostólica, procuraram na CNBB em Brasília, cópias do documento.

Documento 'limpo, preciso e imparcial'

A reação das autoridades diante do documento foi diferente.

O presidente da FUNAI, Gal. Bandeira de Melo e o Ministério do Interior negaram-se a comentá-las.

Já a SUDAM, através do Cel. Igrejas Lopes, disse que o assunto já era do conhecimento dos organismos de segurança e que “nosso país é democrático e por isso assegura a qualquer um ter terra, latifúndios ou minifúndios” (JB 11/11/71). A “FOLHA DO NORTE”, de Belém, reproduz as críticas do Cel. Igrejas, com a seguinte manchete: “BISPO SEM FÉ PARA IGREJAS” (Folha do Norte 11/11/71). O Coronel dizia que o documento era “subversivo” e “caluniador”.

O presidente do INCRA, José Francisco Cavalcanti disse que “as denúncias representam uma realidade que deverá ser modificada em breve com as iniciativas já estruturadas de discriminação de terras” (JB 12/11/71).

O Senador Correia da Costa, da Arena de Mato Grosso, afirmou que “jamais teve conhecimento de trabalho escravo no Mato Grosso” ... e que “em Mato Grosso reina paz social” (Folha de São Paulo 11/11/71).

O Governador do Estado, José Fragelli, disse que “o bispo exagerou ao denunciar injustiças” (Globo 16/11/71).

As declarações do Cel. Igrejas Lopes foram rebatidas pelos Bispos do Norte 1 reunidos que enviaram telegramas de apoio e solidariedade ao Bispo Pedro e por Dom Ivo Lorscheider, secretário Geral da CNBB, que considerou o documento “limpo, preciso e imparcial.” É muito fácil dizer o que o Cel. Igrejas disse, quero ver ele provar como fez o bispo de São Félix”, disse dom Ivo (Jornal da Tarde – São Paulo 12/11/71).

Muitos hoje consideram esta Carta Pastoral um marco na história da Igreja do Brasil, pela coragem da denúncia. Foi traduzida para diversos idiomas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

#90AnosDePedro. O Araguaia é testemunha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV