Fazer parte do Mistério

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Dezembro 2016

A origem de Jesus, o Messias, foi assim: Maria, sua mãe, estava prometida em casamento a José, e, antes de viver juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo. José, seu marido, era justo. Não queria denunciar Maria, e pensava em deixá-la, sem ninguém saber. Enquanto José pensava nisso, o Anjo do Senhor lhe apareceu em sonho, e disse: "José, filho de Davi, não tenha medo de receber Maria como esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo”. “Ela dará à luz um filho, e você lhe dará o nome de Jesus, pois ele vai salvar o seu povo dos seus pecados".
Tudo isso aconteceu para se cumprir o que o Senhor havia dito pelo profeta: "Vejam: a virgem conceberá, e dará à luz um filho. Ele será chamado pelo nome de Emanuel, que quer dizer: Deus está conosco".

Leitura do Evangelho de Mateus 1, 18-24 (Correspondente ao 4º Domingo de Advento, ciclo A do Ano Litúrgico).

O comentário é de Ana Maria Casarotti.

Fazer parte do Mistério

Celebramos hoje o último Domingo de Advento, o período que nos convida à esperança e nos prepara para celebrar a chegada do Emanuel, presença de Deus conosco!

A passagem que lemos conclui o capítulo primeiro do Evangelho de Mateus, onde se apresenta “a origem de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão”.

O relato oferecido inicia-se com estas palavras: “A origem de Jesus, o Messias, foi assim” . Continua com a descrição da situação da gravidez de “Maria, sua mãe”, que “estava prometida em casamento a José, e, antes de viver juntos, ela ficou grávida pela ação do Espírito Santo”.

Lembremos que o casamento tinha dois momentos: o compromisso, chamado no texto como “prometida em casamento”, e um segundo momento, que é quando começam a viver juntos, em que geralmente a mulher é acolhida na casa da família do marido. Por isso, esclarece-se, na narrativa, que Maria estava prometida em casamento a José, mas ainda não tinham vivido juntos.

Entre José e Maria, estabelece-se um compromisso, um contrato, que os prepara para estarem juntos. Por causa disso ela não pode pertencer a outro homem e menos ainda ficar grávida. Caso isso aconteça, o homem tem direito de denunciá-la e ela será apedrejada até a morte.

Até agora não sabemos muito de José. Neste momento, tentemos imaginar o relato: uma jovem, Maria, que fica grávida e ainda não vive com seu prometido.

Pensemos em José. Que terá acontecido no seu interior a partir deste acontecimento? Como terá reagido? Acredita na gravidez de Maria pelo Espírito Santo sem nenhum problema? O trecho do Evangelho da semana passada apresentava João Batista, no cárcere, com dúvidas sobre Jesus. Ele se perguntava: é o Messias anunciado ou “devemos esperar outro?”. João Batista conhecia Jesus, mas, apesar disso, ainda não acreditava nele.

Continuamos nos aprofundando no texto e lemos que “José, seu marido, era um homem justo” e como não quer “denunciar Maria”, considera que o melhor é “deixá-la, sem ninguém saber”, desta forma ela não vai morrer.

Podemos pensar também que ele se encontra envolvido num mistério que o abrange, e prefere ficar de lado. Conhece e ama sua prometida e não desconfia dela. É um homem justo, “que fala com sabedoria” (Salmo 37, 10), e acha-se indigno diante deste mistério.

Este trecho nos revela como ele recebe o anúncio da gravidez de sua prometida para fazer parte, assim, deste atuar de Deus. Por isso ele também recebe uma visita de Deus, que o convida a não ter medo e confiar no Espírito Santo, que atua além das limitações humanas.

Com reverência e respeito escutemos, assim como José, o convite de Deus a introduzir-nos no seu mistério.

O Senhor fala no nosso interior, através de situações inimagináveis, de pessoas, daquilo que não foi o planejado, dos imprevistos que nos rodeiam continuamente.

Hoje, próximos do Natal, recebemos esta chamada do Senhor a introduzir-nos, com veneração, diante do Sagrado que está acontecendo.

Entremos neste presépio que nos rodeia. Como Moisés no monte Sinai, de pés descalços, deixemos que a Boa Notícia nos albergue. Deixemos que sua Luz ilumine nossa obscuridade, responda nossas dúvidas e desperte em nós a alegria da Vida Nova que nasce.

Pedimos a José que nos ajude a acolher o convite de Deus de fazer parte deste grande Mistério da Encarnação.

Aprofunde sua reflexão...

O sinal do Emanuel

Experiência interior

O silêncio do "homem justo"

Acesse outros Comentários do Evangelho: clique aqui

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fazer parte do Mistério - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV