Assis reunirá 450 líderes de todas as religiões, com recorde de muçulmanos

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco convoca Sínodo para a região panamazônica

    LER MAIS
  • Um Sínodo muito importante para a Igreja na Amazônia. Entrevista com Cláudio Hummes

    LER MAIS
  • Povos indígenas e criação: um Sínodo dos Bispos especial para a região panamazônica

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

14 Setembro 2016

Três dias repletos, a partir do próximo domingo até a terça-feira, 20 de setembro. O presidente italiano, Sergio Mattarella, estará na inauguração, e o Papa Francisco irá acompanhar todo o dia conclusivo. Trinta anos depois da intuição de Wojtyla, Assis volta a ser a capital mundial da paz e do diálogo, no espírito do Santo do qual o pontífice quis tomar o nome.

A reportagem é de Gian Guido Vecchi, publicada no jornal Corriere della Sera, 13-09-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Em 1986, o mundo ainda estava dividido pela Guerra Fria. Hoje, existe aquela "terceira guerra mundial em pedaços" que Bergoglio não se cansa de denunciar. Conflitos, terrorismo, migrações forçadas, violências. Em tudo isso, o papel das religiões é mais decisivo do que nunca, como explica o cardeal Pietro Parolin, no texto publicado pelo Corriere: a reflexão do secretário de Estado vaticano fará parte do livro "O espírito de Assis", que será dado a líderes religiosos e convidados .

O encontro "Sede de paz. Religiões e culturas em diálogo" foi organizado pela Comunidade de Santo Egídio junto com as famílias franciscanas e a diocese de Assis (o programa está disponível nos sites santegidio.org e sanfrancesco.org). Esperam-se mais de 450 líderes religiosos (cristãos, muçulmanos, judeus, budistas, xintoístas, jainistas, zoroastristas, sikhs, hindus e outros), expoentes da cultura e das instituições. Nunca houve tantos muçulmanos: fala-se de 26 delegações.

A estratégia do diálogo de Francisco segue em frente. A partir de segunda-feira, 29, "painéis" discutirão os desafios mais urgentes do planeta. Na terça-feira, o papa vai se encontrar com o Patriarca de Constantinopla, Bartolomeu, o arcebispo de Canterbury, Justin Welby, o Patriarca Siro-Ortodoxo de Antioquia, Efrém II, os líderes muçulmanos e judeus. Espera-se também a presença de Ahmad al-Tayyeb, imã da Universidade do Cairo Al-Azhar, a mais alta autoridade do Islã sunita.

As religiões vão rezar em diversos lugares da cidade. A conclusão será na frente do Sacro Convento: discursos, silêncio em oração e a assinatura de um apelo pela paz.

Leia mais:

"Espírito de Assis, desça sobre nós"

Em Assis, a equipe do papa pela paz

O papa e os 400 líderes em Assis pela paz

Papa Francisco volta a Assis no dia 20 de setembro para o Dia Mundial de Oração pela Paz com a presença de mais de 400 líderes religiosos

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Assis reunirá 450 líderes de todas as religiões, com recorde de muçulmanos