Amoris laetitia, uma nova “constituição” para as famílias (parte 1)

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco entrega sua cruz peitoral à comunidade de Brumadinho

    LER MAIS
  • "Vamos guardar o pessimismo para tempos melhores". Entrevista com Frei Betto

    LER MAIS
  • A opção Mourão: Kant contra Bolsonaro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 11 Abril 2016

As dificuldades, os desafios, mas também toda a contribuição positiva do amor conjugal. A exortação pós-sinodal do Papa Francisco é a “carta” para as próximas décadas. Desde a importância da sexualidade (“um maravilhoso presente de Deus”) até dois capítulos com conselhos para que os esposos se amem. A família é “um bem do qual a sociedade não pode prescindir”. A importância da educação dos filhos.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada por Vatican Insider, 08-04-2016. A tradução é de André Langer.

Nove capítulos em um documento de 268 páginas, longo e complexo: Amoris laetitia, a alegria do amor, é a exortação com que o Papa Francisco encerra o percurso de dois Sínodos dedicados à família. O primeiro capítulo oferece um marco de citações bíblicas, o segundo traça uma visão sobre a situação, o terceiro fala sobre a vocação da família. Dois capítulos, o quarto e o quinto, são dedicados especificamente ao tema do amor conjugal. O sexto fala das perspectivas pastorais e o sétimo sobre a educação dos filhos. Ao contrário, o oitavo, que será seguramente o mais discutido, contém as indicações para a integração dos divorciados recasados.

O amor, símbolo das realidades íntimas de Deus

No primeiro capítulo, o Papa recorda que “a Bíblia aparece cheia de famílias, gerações, histórias de amor e de crises familiares”. O “casal que ama e gera a vida é a verdadeira ‘escultura’ viva (não a de pedra ou de ouro, que o Decálogo proíbe), capaz de manifestar Deus criador e salvador. Por isso, o amor fecundo chega a ser o símbolo das realidades íntimas de Deus”.

Individualismo e diminuição demográfica

No segundo capítulo, enfrenta-se o tema dos “desafios” das famílias. Existe o perigo “representado pelo individualismo exagerado” que faz prevalecer, “em certos casos, a ideia de um sujeito que se constrói segundo seus próprios desejos assumidos com caráter absoluto”. Francisco chama a atenção para a queda demográfica, devido “a uma mentalidade antinatalista e promovida pelas políticas mundiais de saúde reprodutiva”, e recorda que “a Igreja rejeita com todas as suas forças as intervenções coercitivas do Estado em favor da anticoncepção, da esterilização e inclusive do aborto”. Todas medidas “inaceitáveis até mesmo em lugares com alta taxa de natalidade”, mas animadas pelos políticos inclusive nos países onde nascem poucas crianças.

A casa

Francisco escreve que “a falta de uma moradia digna ou adequada leva muitas vezes a adiar a formalização de uma relação”. Uma “família e uma casa são duas realidades que se reclamam mutuamente”. Por este motivo, “devemos insistir nos direitos da família, e não apenas nos direitos individuais. A família é um bem de que a sociedade não pode prescindir, mas precisa ser protegida”.

Exploração infantil

A exploração sexual de meninos e meninas constitui “uma das realidades mais escandalosas e perversas da sociedade atual”. Há meninos “de rua” nas sociedades que sofrem violência, guerra ou onde há a presença do crime organizado. “O abuso sexual de crianças torna-se ainda mais escandaloso – denuncia Francisco – quando ocorre nos lugares onde devem ser protegidas, particularmente nas famílias e nas escolas e nas comunidades e instituições cristãs”.

Miséria, eutanásia e outras pragas

Entre as “graves ameaças” para as famílias em todo o mundo, o Papa cita a eutanásia e o suicídio assistido. E depois reflete sobre a situação das “famílias caídas na miséria, castigadas de tantas maneiras, onde as limitações da vida se fazem sentir de forma lancinante”. Também se refere à “praga” da toxicodependência, “que faz sofrer muitas famílias e, não raro, acaba por destruí-las. Algo semelhante acontece com o alcoolismo, os jogos de azar e outras dependências”.

Não enfraquecer a família

Enfraquecer a família não “favorece a sociedade”, mas “prejudica o amadurecimento das pessoas, o cultivo dos valores comunitários e o desenvolvimento ético das cidades e das aldeias”. Francisco indica que “já não se adverte claramente que só a união exclusiva e indissolúvel entre um homem e uma mulher realiza uma função social plena”. Ao passo que, “as uniões de fato ou entre pessoas do mesmo sexo, por exemplo, não podem ser simplisticamente equiparadas ao matrimônio. Nenhuma união precária ou fechada à transmissão da vida garante o futuro da sociedade”.

Aluguel de úteros, infibulação, violência

No parágrafo 54, o Papa fala sobre os direitos das mulheres e indica que é inaceitável “a violência vergonhosa que, às vezes, se exerce sobre as mulheres, os maus-tratos familiares e várias formas de escravidão, que não constituem um sinal de força masculina, mas uma covarde degradação”. A “violência verbal, física e sexual, perpetrada contra as mulheres em alguns casais, contradiz a própria natureza da união conjugal”.

Francisco também se refere à infibulação, a “grave mutilação genital da mulher em algumas culturas, mas também à desigualdade de acesso a postos de trabalho dignos e aos lugares onde as decisões são tomadas”. E recorda a prática do “aluguel de ventres ou a instrumentalização e mercantilização do corpo feminino na atual cultura midiática”.

O pensamento único da ideologia “gender”

Algumas linhas do documento são dedicadas ao “gender”, ideologia que “nega a diferença e a reciprocidade natural de homem e mulher”, apresenta “uma sociedade sem diferenças de sexo e esvazia a base antropológica da família. Esta ideologia leva a projetos educativos e diretrizes legislativas que promovem uma identidade pessoal e uma intimidade afetiva radicalmente desvinculadas da diversidade biológica entre homem e mulher”. Francisco diz que “preocupa o fato de algumas ideologias deste tipo, que pretendem dar resposta a certas aspirações por vezes compreensíveis, procurarem impor-se como pensamento único que determina até mesmo a educação das crianças”.

Não à “fábrica” de crianças

Também se expressa preocupação com a “possibilidade de manipular o ato procriativo”, independentemente da “relação sexual entre homem e mulher. Assim, a vida humana bem como a paternidade e a maternidade tornaram-se realidades componíveis e decomponíveis, sujeitas de modo prevalecente aos desejos dos indivíduos ou dos casais”. “Não caiamos no pecado de pretender substituir-nos ao Criador”.

Educar os filhos, “direito primário” dos pais

No terceiro capítulo da exortação, Francisco recorda o magistério de seus predecessores e explica que o sacramento do matrimônio “não é uma convenção social”, mas um “dom para a santificação e a salvação dos esposos”, uma verdadeira “vocação”. Portanto, “a decisão de se casar e de formar uma família deve ser fruto de um discernimento vocacional”. O amor conjugal está aberto à fecundidade. E “a educação integral dos filhos” é “obrigação gravíssima, ao mesmo tempo direito primário dos pais” e que “ninguém deveria querer tirar”.

Instruções sobre o amor

No quarto capítulo, um dos mais inovadores, o Papa propõe uma paráfrase do Hino à Caridade de São Paulo, tirando dele indicações concretas para os esposos. Convida-os para a “paciência” recíproca, sem pretender que “as relações sejam celestiais ou que as pessoas sejam perfeitas”, e sem colocar-se sempre a si mesmo “no centro”. Convida-os para serem benevolentes e a “doar-se sobreabundantemente sem medir, sem reclamar pagamentos, pelo simples gosto de dar e servir”.

Convida-os a não ser invejosos, a não se orgulhar ou “se engrandecer”, porque “quem ama, evita falar muito de si mesmo”, a não tornar-se “arrogantes e insuportáveis”, a ser humildes e a “tornar-se amáveis”, a não destacar “defeitos e erros alheios”. Convida-os a nunca acabar o dia “sem fazer as pazes em família”, a personar sem rancores, a falar bem reciprocamente, tratando de “mostrar o lado bom do cônjuge para além de suas fraquezas e erros”, a ter confiança no outro sem controlá-lo, deixando “espaços de autonomia”. E convida também para “contemplar” o cônjuge, recordando que “as alegrias mais intensas da vida brotam quando se pode provocar a felicidade dos outros”.

Mensagem aos jovens

O Papa diz aos jovens que devido à “seriedade” do “compromisso público de amor”, o matrimônio “não pode ser uma decisão apressada”, mas também não se deve adiá-la “indefinidamente”. Comprometer-se com outra pessoa exclusiva e definitivamente “sempre comporta uma cota de risco e de ousada aposta”. É preciso “reservar tempo” e consultar o cônjuge, deixar que fale antes de “começar a dar opiniões ou conselhos”. “Muitas discussões do casal não são por questões muito graves”. Às vezes, trata-se de coisas pequenas, “pouco importantes, mas o que altera os ânimos é o modo de dizê-las ou a atitude que se assume no diálogo”.

Sexualidade, “presente maravilhoso”

Desejos, sentimentos, emoções “ocupam um lugar importante no matrimônio”. Francisco, citando Bento XVI, explica que o ensinamento oficial da Igreja “não rejeita o eros como tal, mas declarou guerra ao seu desvio”, que o “desumaniza”. O próprio Deus “criou a sexualidade, que é um presente maravilhoso para as suas criaturas”. João Paulo II rejeitou a ideia de que o ensinamento da Igreja implique “uma negação do valor do sexo humano”, ou que simplesmente o tolere “pela própria necessidade da procriação”.

A necessidade sexual dos esposos não é “objeto de desprezo”. Mas, “não podemos ignorar que muitas vezes a sexualidade se despersonaliza e também se enche de patologias”, convertendo-se “cada vez mais em ocasião e instrumento de afirmação do próprio eu e de satisfação egoísta dos próprios desejos e instintos”. Por isso, o Papa insiste em que “um ato conjugal imposto ao cônjuge sem considerar sua situação atual e seus legítimos desejos, não é um verdadeiro ato de amor”. Deve ser rejeitada, portanto, “toda forma de submissão sexual”.

Acolher a vida

No quinto capítulo, o Papa recorda que a família é o espaço “não apenas da geração, mas do acolhimento da vida”. O Papa escreve que “se uma criança chega ao mundo em circunstâncias não desejadas, os pais ou outros membros da família, devem fazer todo o possível para aceitá-la como dom Deus”. As famílias numerosas são “uma alegria para a Igreja”, embora isto não queira dizer esquecer uma “saudável advertência” de João Paulo II: “a paternidade responsável não é procriação ilimitada”.

Francisco recorda que é importante que “a criança se sinta esperada”. “Um filho é amado porque é filho e não porque é bonito ou porque é deste modo ou daquele, mas porque é filho! Não porque pensa como eu, nem porque encarna as minhas aspirações”. O Papa dirige-se a todas as mulheres grávidas: “Aquela criança merece a tua alegria. Não permitas que os medos, as preocupações, os comentários alheios ou os problemas apaguem esta felicidade de ser instrumento de Deus para trazer uma nova vida ao mundo”.

A presença de uma mãe...

No documento diz-se que é “plenamente legítimo” e “desejável” que as mulheres estudem, trabalhem, desenvolvam as próprias capacidades e os próprios objetivos. Mas, ao mesmo tempo, “não podemos ignorar a necessidade que as crianças têm da presença materna, especialmente nos primeiros meses de vida”. A diminuição da presença materna, “com suas qualidades femininas, é um risco grave para a nossa terra”. “Valorizo o feminino – comenta Bergoglio – quando não pretende a uniformidade nem a negação da maternidade.

... e a ausência dos pais

O problema de nossos dias parece ser a “ausência” dos pais. Às vezes, o pai está “tão concentrado em si mesmo e seu trabalho e às vezes em suas próprias realizações individuais, que esquece inclusive a família. E deixa as crianças e os jovens sozinhos”. A presença paterna “se vê afetada também pelo tempo cada vez maior que se dedica aos meios de comunicação e à tecnologia da distração”. Mas pedir que o pai esteja presente “não é o mesmo que dizer controlador. Porque os pais muito controladores anulam os filhos”.

Sim às adoções

A adoção “é um caminho para realizar a maternidade e a paternidade de uma maneira muito generosa”. O Papa escreve: “é importante insistir em que a legislação possa facilitar os trâmites de adoção”. A família “não pode pensar em si mesma como um recinto fechado, procurando proteger-se da sociedade”, nem conceber-se como isolada do resto. “Deus confiou à família o projeto de tornar ‘doméstico’ o mundo, para que todos cheguem a sentir cada ser humano como irmão”.

E isto implica também o compromisso para com os pobres e aqueles que sofrem. O pequeno núcleo familiar “não deveria isolar-se da família ampliada, onde estão os pais, os tios, os primos e até os vizinhos. Nessa família grande pode haver alguns necessitados de ajuda, ou ao menos de companhia e de gestos de afeto, ou pode haver grandes sofrimentos que necessitam de um conforto”.

Fazer com que os anciãos se sintam em casa

“Devemos despertar o sentido coletivo de gratidão, apreço, hospitalidade, que façam sentir o ancião parte viva de sua comunidade”. Francisco observou que a atenção dada aos anciãos “distingue uma civilização”. O documento contém também um convite para não considerar como “competidores” ou “invasores” os sogros, sogras nem os demais parentes do cônjuge.

Famílias “sujeitos ativos” da pastoral

O sexto capítulo da exortação é dedicado às perspectivas pastorais. Francisco pede “um esforço evangelizador e catequético dirigido à família”, além de uma “conversão missionária” de toda a Igreja, para que não se fique “em um anúncio meramente teórico e desvinculado dos problemas reais das pessoas”. A pastoral familiar “deve fazer experimentar que o Evangelho da família responde às expectativas mais profundas da pessoa humana”.

Insiste-se também na necessidade de uma maior formação interdisciplinar e não apenas doutrinal dos seminaristas, para se ocuparem dos complexos problemas das famílias de hoje.

A preparação para o matrimônio

O Papa insiste muito na exigência de preparar melhor os noivos para o matrimônio, com uma maior participação de toda a comunidade. Cada Igreja local deve decidir como fazê-lo. “Trata-se de uma espécie de ‘iniciação’ ao sacramento do matrimônio que lhes forneça os elementos necessários para poder recebê-lo com as melhores disposições e iniciar com certa solidez a vida familiar”.

Mas não devemos esquecer “os valiosos recursos da pastoral popular”, como, por exemplo, o dia de São Valentim, que, “em alguns países, é melhor aproveitado pelos comerciantes do que pela criatividade dos pastores”. A preparação também deve oferecer a possibilidade de “reconhecer incompatibilidades ou riscos. Deste modo, pode-se chegar a advertir que não é razoável apostar nessa relação, para não expor-se a um fracasso previsível que terá consequências muito dolorosas”.

“Muito concentrados nos preparativos”

“A preparação próxima do matrimônio tende a concentrar-se nos convites, na roupa, na festa com os seus inumeráveis detalhes que consomem tanto os recursos econômicos como as energias e a alegria. Os noivos chegam desfalecidos e exaustos ao casamento”. “Queridos noivos, tende a coragem de ser diferentes, não vos deixeis devorar pela sociedade do consumo e da aparência”. Além disso, o matrimônio deve ser assumido como “um caminho de amadurecimento”, sem ter expectativas muito elevadas sobre a vida conjugal.

Sim à Humanae Vitae

Francisco pede para redescobrir a encíclica de Paulo VI e a Familiaris consortio do Papa Wojtyla, “para contrastar uma mentalidade muitas vezes hostil à vida”.

Conselhos para os jovens esposos

O Papa sugere alguns “rituais cotidianos”. “É bom dar-se sempre um beijo pela manhã, benzer-se todas as noites, esperar pelo outro e recebê-lo à chegada, ter alguma saída juntos, compartilhar as tarefas domésticas”. E é bom interromper “a rotina com festa, não perder a capacidade de celebrar em família, alegrar-se e festejar as experiências belas”.

As crises se resolvem

Com a “ajuda adequada e com a ação de reconciliação da graça, uma grande porcentagem de crises matrimoniais é superada de maneira satisfatória”. “Saber perdoar e sentir-se perdoado é uma experiência fundamental na vida familiar”. E, por isso, é necessária “a generosa colaboração de familiares e amigos e, às vezes, inclusive de ajuda externa e profissional”.

Nunca usar os filhos como “reféns”

Francisco pede aos pais separados para que “nunca, nunca e nunca tomem o filho como refém!” Se se separaram “por muitas dificuldades e motivos, a vida deu-lhes esta provação, mas os filhos não devem carregar o fardo desta separação; que eles não sejam usados como reféns contra o outro cônjuge”. Os filhos devem crescer “ouvindo a mãe falar bem do pai, embora já não estejam juntos, e o pai falar bem da mãe”. O Papa afirma que o divórcio é “um mal”, e define como “alarmante” o aumento dos divórcios.

A homossexualidade em família

A experiência de ter em seu seio pessoas com tendências homossexuais é uma experiência “nada fácil nem para os pais nem para os filhos”. O Papa insiste em que “cada pessoa, independentemente da própria orientação sexual, deve ser respeitada na sua dignidade e acolhida com respeito, procurando evitar qualquer sinal de discriminação injusta”.

Por isso, trata-se de “garantir um respeitoso acompanhamento, para que quantos manifestam a tendência homossexual possam dispor dos auxílios necessários para compreender e realizar plenamente a vontade de Deus na sua vida”. E insiste novamente em que não se pode comparar as uniões entre homossexuais com os casamentos.

O “aguilhão” da morte

O Papa recorda a importância de acompanhar as famílias afetadas por um luto, afirmando que “é preciso ajudar a descobrir que aqueles que perderam um ente querido ainda têm uma missão a cumprir e que não faz bem prolongar o sofrimento”.

Quem guia os nossos filhos?

No sétimo capítulo, fala-se sobre a educação dos filhos. Francisco convida a se perguntar: “quem se ocupa de lhes dar diversão”, quem “entra em suas casas através das telas”, a quem os confiamos “em seu tempo livre”. Sempre é preciso ficar vigilante. Os pais devem prepará-los para enfrentar “riscos, por exemplo, de agressões, abuso ou consumo de drogas”.

Mas, se um pai “está obcecado por saber onde está o seu filho e por controlar todos os seus movimentos, só buscará dominar seu espaço”, não o educará nem o “preparará para enfrentar os desafios”. Pelo contrário, é preciso colocar em marcha “processos de amadurecimento de sua liberdade, de capacitação, de crescimento integral, de cultivo da autêntica autonomia”.

Como educar?

A formação moral deveria ser realizada “intuitivamente”, para que o “filho possa chegar a descobrir por si mesmo a importância de determinados valores, princípios e normas, em vez de serem impostos como verdades irrefutáveis”. No mundo de hoje, “onde reinam a ansiedade e a pressa tecnológica, uma tarefa importantíssima das famílias é educar para a capacidade de esperar. Não se trata de proibir os filhos que brinquem com dispositivos eletrônicos, mas de encontrar a forma de gerar neles a capacidade de diferenciar as diversas lógicas e de não aplicar a velocidade digital a todos os âmbitos da vida”.

O perigo do “autismo tecnológico”

Os meios eletrônicos, às vezes, “afastam em vez de aproximar, como quando, na hora da refeição, cada um está concentrado no seu telemóvel ou quando um dos cônjuges adormece à espera do outro que passa horas entretido com algum dispositivo eletrônico”. Não se pode ignorar “os riscos das novas formas de comunicação para as crianças e os adolescentes, chegando às vezes a torná-los apáticos, desligados do mundo real. Este ‘autismo tecnológico’ expõe-nos mais facilmente às manipulações daqueles que procuram entrar na sua intimidade com interesses egoístas”.

A exortação diz sim à educação sexual, que tenha “um saudável pudor”, e também uma educação que acostume as crianças a compreender que também os homens podem (e devem) fazer as tarefas domésticas. Para concluir, é indispensável que “os filhos vejam de maneira concreta que para seus pais a oração é realmente importante”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amoris laetitia, uma nova “constituição” para as famílias (parte 1) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV