Grupos religiosos aproveitam Carnaval para conquistar novos fiéis

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Ailton Krenak: “A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho”

    LER MAIS
  • Covid-19: 'Pandemia no Sul caminha para agravamento sem precedentes', diz epidemiologista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Fevereiro 2013

À primeira vista, é a cena esperada de um Carnaval de rua: marchinhas, foliões fantasiados, alguns com instrumentos na mão e outros, com latinhas de cerveja. Mas, olhando mais de perto, um grupo destoa em meio ao bloco. São jovens de diferentes religiões que aproveitam a festa para tentar convencer novos fiéis a se juntarem a suas igrejas.

A reportagem é publicada pela BBC Brasil11-02-2013.

"Durante o Carnaval, onde tiver um aglomerado grande de pessoas, nós vamos. Tentamos mostrar para elas como seria sua vida com Cristo", explica o evangélico Thiago Hernandes, de 27 anos, do grupo Jocum (Jovens com uma Missão).

"A abordagem varia de pessoa para pessoa, mas às vezes dizemos diretamente: 'Aqui não é lugar para você'. Encontramos muitos desavisados durante o Carnaval."

Thiago conta que, para atrair as pessoas durante a festa, eles distribuem água e fazem pequenos shows de arte, com teatro, dança, malabares ou pirofagia. Este ano, ele e outros missionários estão promovendo o chamado "impacto evangelista de Carnaval" na Baixada Santista. Sedes do grupo em outras partes do país estão fazendo o mesmo - inclusive em Ouro Preto, destino em Minas Gerais altamente popular entre os jovens no Carnaval.

'Felicidade de fachada'

Mesmo no fim de semana anterior ao Carnaval, fiéis ligados a igrejas evangélicas se misturaram em blocos carnavalescos para disseminar suas crenças. No bairro da Pompeia, zona oeste de São Paulo, jovens da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) distribuíam aos foliões o jornalzinho Hora da Mudança.

Algumas das reportagens tinham títulos como: "Folia para esconder as tristezas", "Musa do Carnaval tinha vida de aparência" e "Ex-líder de banda fala sobre sua felicidade de fachada durante o Carnaval".

"A proposta do encarte Hora da Mudança é evangelizar por intermédio dos depoimentos nele descritos", afirma a assessoria da IURD. "Ele sempre traz relatos de pessoas que tentaram preencher lacunas em suas vidas de diversas formas, mas que só se viram supridas na fé no Senhor Jesus."

Para o professor Leonildo Silveira Campos, autor do livro Teatro, Templo e Mercado, sobre a igreja Reino de Deus, essas ações no Carnaval vêm do fato de que os neopentecostais (caso da IURD e da Renascer em Cristo) abandonarem padrões mais rígidos do pentecostalismo tradicional, em que não é permitido dançar, por exemplo.

"É uma pentecostal mais light, e daí surge essa possibilidade de invadir os espaços ditos profanos com mais desenvoltura que outros grupos religiosos", afirma o professor. "Um pentecostal tradicional não entraria em um bar, nem que fosse só para pedir um guaraná."

Sem promiscuidade

No Rio, grupos religiosos já têm tradição em montar seus próprios blocos carnavalescos. Além dos evangélicos como o Mocidade Dependente de Deus, criado há mais de 20 anos, há também os formados por católicos.

Um dos maiores atualmente é o Folia com Cristo, que começou a sair às ruas cariocas há seis anos e, de acordo com os organizadores, chegou a reunir mais de 30 mil pessoas em suas últimas edições.

"Tivemos essa ideia para mostrar que é, sim, possível usar o Carnaval para se divertir sem denegrir a própria imagem e sem cair na promiscuidade", explica o microempresário católico Thomaz Pogile, de 21 anos, um dos idealizadores do evento, ligado à Arquidiocese de São Sebastião.

"Temos um trio elétrico de última geração, com cantores católicos de samba e de axé. Muitas vezes, cantamos músicas da Ivete Sangalo e da Cláudia Leitte mas com letras religiosas."

Thomaz admite que o evento não é visto com bons olhos por setores mais tradicionais da igreja. Segundo ele, o Folia com Cristo foi muito criticado, especialmente nas primeiras edições. "Mas aos poucos, todos estão percebendo que, além de ser uma forma de evangelizar, é um evento muito família, frequentado inclusive por evangélicos, que vêm pela tranquilidade da festa."

"Até os ambulantes que tentam vender cerveja percebem logo que não há espaço para eles ali."

Baladas e cerimônias

Em vez de missionários ou blocos nas ruas, alguns grupos religiosos organizam retiros para seus fiéis. É o caso da igreja Renascer em Cristo, cuja fazenda em Mairinque (interior de São Paulo) é usada como acampamento nesse período. O site do evento explica que o evento é uma "alternativa para os jovens se divertirem e, ao mesmo tempo, serem ministrados pela Palavra de Deus no Carnaval".

Mas Débora Nogueira, da Renascer, conta que o acampamento também é uma forma de conquistar novos fiéis, já que muitos levam amigos que não são da igreja para aproveitar as instalações do local e também para ouvir depoimentos e palestras de bispos.

"Eles (novos fiéis) são batizados lá e nas cerimônias, muitos se livram do vício, jogando fora, por exemplo, as drogas que usavam", diz Débora. Segundo ela, as palestras religiosas são intercaladas com uma programação cultural intensa. "Além de piscinas e quadras, há baladas todas as noites, cada uma com um estilo musical diferente."

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grupos religiosos aproveitam Carnaval para conquistar novos fiéis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV