Livro de Rajan é um contraponto ao documentário que ganhou o Oscar

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Abril 2011

Para ganhar Hollywood, o filme "Trabalho Interno" pregou Wall Street na cruz. O documentário levou o Oscar da categoria indicando vilões para a crise: banqueiros e gente do governo George W. Bush (2001-2009).

Elegantemente, Rajan procura mostrar que esse argumento é míope e não dá conta de explicar tanta confusão.
"As pessoas fizeram coisas erradas, mas isso aconteceu numa escala tão grande que você tem que se perguntar se isso não é maior do que algumas maçãs podres", diz.

A reportagem é de Roberto Dias e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 30-04-2011.

Rajan defende que é preciso olhar mais fundo e reparar três "falhas geológicas":

1) O conflito político interno nos EUA, fruto do aumento da desigualdade. Rajan mostra como, ao tentar combater esse problema, o governo Bill Clinton (1993-2001) ajudou a criar a crise, incentivando "soluções criativas" para financiar casas para mais e mais americanos.

2) O desequilíbrio comercial entre países como os EUA, que consomem muito, e a China, que depende demais da demanda externa.

3) O confronto entre duas culturas distintas. De um lado, economias de mercado, como EUA e Inglaterra, com leis que enfatizam o cumprimento de contratos e a transparência (ainda que esse último item tenha sumido na crise, como reconhece Rajan).

De outro lado, sistemas financeiros em que há menos informação pública, em que os negócios dependem do relacionamento entre o banco e o tomador de empréstimo. Rajan olha aqui para a Ásia.

Ele diz que não há bala de prata, mas dá um norte para qualquer reforma: "O único sistema realmente seguro é um que não assuma riscos, que não financie a inovação e o crescimento, que não tire as pessoas da pobreza, que dê poucas opções aos consumidores".

FAULT LINES [Falhas Geológicas]
AUTOR Raghuram Rajan
EDITORA Princeton University
QUANTO US$ 26,75 (R$ 42,10; 272 págs.)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Livro de Rajan é um contraponto ao documentário que ganhou o Oscar - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV