Um jesuíta em Dachau

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa afasta Enzo Bianchi da comunidade de Bose

    LER MAIS
  • Carta aberta à Igreja Católica Apostólica Romana no Brasil

    LER MAIS
  • A carta de 40 milhões de médicos aos líderes do G20: “É necessário um planeta saudável para recomeçar depois do Covid”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Agosto 2017

Preso pela sua atividade de resistência ao nazismo e por ter criado uma rede de hospitalidade aos judeus fugitivos, o jesuíta francês Jacques Sommet reconstrói, em dois textos escritos logo depois da guerra, os anos passados no campo de concentração de Dachau, Alemanha, aberto pelos nazistas em 1933 e que serviu de modelo para todos os posteriores.

Os dois textos – inéditos em italiano – foram recentemente traduzidos e publicados por Edizioni Dehoniane Bologna com o título: La condizione disumana. Un gesuita a Dachau [A condição desumana. Um jesuíta em Dachau].

Publicamos aqui uma passagem do primeiro dos dois artigos, La condition inhumaine. Le champ de Dachau, que apareceu inicialmente na revista Études, em julho de 1945.

O texto foi publicado por Settimana News, 13-08-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O que contrapor a este mistério da iniquidade? Mesmo em relação a isso, o campo ilumina com uma luz experimental os problemas nos quais a reflexão muitas vezes se perde.

De fato, no mesmo lugar em que tudo estava orientado para a morte do corpo e da alma, uma força venceu. A caridade triunfou, acima de tudo reconfortando os corpos, mas, principalmente, reanimando os corações.

Agora, é preciso falar daqueles que foram as testemunhas do espírito; só eles nos ensinarão como evitar que todo este mundo se torne um campo de morte lenta.

Entre essas testemunhas, recordamos, sobretudo, aquelas ligadas aos valores intelectuais a partir de uma cultura sólida. Assim, conservaram-se pequenos grupos através do gosto pelas artes e pelas letras. Alguns, graças aos lugares que lhes foram assegurados pelo conhecimento das línguas, evitaram a muitos franceses expedições e desventuras ou, através de um corajoso trabalho clandestino, recolheram documentos de grande valor.

Notamos ainda todos aqueles que, a partir de uma educação comum – fosse ela fruto de um grande partido, apóstolo da solidariedade ou de tradições familiares e culturais de respeito e sensibilidade –, eram induzidos a apoiar-se reciprocamente com coragem.

Mas como não expressar, a esse respeito, uma pesada reserva? Muitos deles não souberam ultrapassar o marco da sua solidariedade ou das suas relações tradicionais, limitando a dedicação total a alguns, e isso não só de fato, mas também por princípio: daí a oposição desses homens, mais ou menos conscientes, a todos os desconhecidos, os humilhados, ainda mais do que à categoria social adversa que se leva em conta por sabedoria política. Um triste espetáculo, o de homens generosos que colaboram desse modo com a condição desumana. Tendo limitado o seu amor, eles espalham, para além das suas fronteiras, ódio e crueldade.

Mas, por trás das sombras, eis que, finalmente, aparece a luz. No campo, havia também homens, leigos ou religiosos, de esquerda ou de direita, que, no dia da prova, já tendo aceitado há muito tempo a morte, socorreram os seus irmãos esquecidos.

Vivendo de algum modo no absoluto, realizando em si mesmos o valor eterno e sempre presente da pessoa humana que se queria abater, eles se comprometeram a ressuscitá-la nos outros. Penso nos militantes que arriscaram a vida para assegurar aos companheiros um kommando melhor; penso naquele pai de sete filhos que oferecia a sua ajuda, sem segundas intenções, e até mesmo o seu pão, sem distinção de pessoas.

A sua loucura preenche a minha memória: jovens padres, operários, voluntários na Alemanha, que eram presos e retomavam no campo o seu perigoso trabalho. Através deles, uma rede eucarística, invencível, alcançou todos os pavilhões: assim, todas as manhãs, Jesus Cristo penetrava em toda a parte, também naquela enfermaria na qual os padres não podiam entrar. Também vejo os jovens e os seminaristas que, nos dias da libertação, optaram por ficar com os mais doentes e sofredores para ajudá-los a morrer ali, arrancando-os das garras do desespero.

Vejo novamente ainda os 12 médicos franceses que morreram de tifo, os 20 padres que se trancaram voluntariamente nos blocos dos infectados. Penso nele, padre Dillard [1] e nas suas palavras: “Ofereço a minha vida pela França e pela classe operária”.

E como esquecer, enfim, a luz que, quase sempre, iluminou uma última vez o olhar daqueles que morreram! Todos ou quase todos aceitaram a morte, imaginando que, finalmente, tocavam o mundo no qual os homens sabem se amar. Esperança que continua sendo a sua maior vitória sobre o princípio que os matava.

Hoje, então, convém ouvir a mensagem dos mortos e daqueles que sofreram para salvá-los. Os mortos permanecem lá por não terem conhecido os olhares que se devem a cada homem, até mesmo vencido. Os vivos levantaram os desesperados, esbanjando com eles esse respeito esquecido...

Vítimas ou adversários do desprezo do homem, uns e outros nos imploram para não nos comportarmos mais com ninguém sem respeitá-lo e amá-lo, e principalmente quando é preciso exercer a justiça. Portanto, não vinguemos os desaparecidos com o ódio de um país ou com a apoteose do seu sacrifício em benefício do seu partido ou da sua Igreja, mas, acima de tudo, com o ódio contra tudo o que em nós imite ou recorde os métodos que os mataram.

Que possamos conservar diante dos nossos olhos esse olhar da sua última hora ou, se necessário, o triste espetáculo dos seus cadáveres, para nos lembrar da sua lição! Não, não pode ser mais permitido, sob pena de matá-los novamente em nós, usar os homens unicamente para um fim temporal. Não, não é mais permitido, sob pena de desprezá-los com o esquecimento, permanecer inertes quando o respeito pela pessoa é ameaçado. Maquiavelismo e inércia são as duas tentações do nosso tempo, que é preciso superar com a fidelidade à sua presença invisível.

Que eles possam obter para nós, com o seu sacrifício e com a sua recordação, a coragem d’Aquele quem detém o segredo da fidelidade ao Homem!

Nota:

1. Victor Dillard (1897 - 12 de janeiro de 1945), jesuíta francês, economista, ligado à Action Populaire. Inscreveu-se no STO (Service du Travail Obbligatoire – Serviço de Trabalho Obrigatório) como eletricista, para organizar uma capelania clandestina na Alemanha. Preso em novembro de 1944 em Wuppertal, foi imediatamente deportado para Dachau.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um jesuíta em Dachau - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV