A governabilidade mais bizarra do mundo

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Mas Francisco está sozinho, como diz Marco Politi? Um valioso livro de análise do pontificado. De qualquer forma, Francisco deu início a um novo curso na Igreja

    LER MAIS
  • Cardeal peruano defende agenda do Sínodo amazônico após ataques de Müller e Brandmüller

    LER MAIS
  • Padilha: suspensão de programa de medicamentos gratuitos coloca vidas e empregos em risco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 04 Fevereiro 2015

"Que governabilidade é essa que se constrói cercando-se de inimigos nos ministérios e no Congresso? Me parece bizarro. Quem garante que estes 'aliados' não serão capazes de tentar derrubar Dilma em vez de garantir a governabilidade”? O comentário é de Cynara Menezes em artigo na CartaCapital, 02-02-2015.

Eis o artigo.

No salão verde do Congresso, no domingo à noite, o queixo da mulher de Eduardo Cunha, Claudia Cruz, treme. Ladeada pela filha, a bela e loira Bárbara, a ex-apresentadora da TV Globo chora e sorri ao mesmo tempo, de nervosismo e êxtase. Seu marido ganhara a queda-de-braço com o governo e se tornara o presidente da Câmara dos Deputados.

– Por que a senhora está tão emocionada?, pergunto.

– Ah, são tantas décadas… É praticamente uma vida inteira em comum.

A poucos metros dali, o pastor Everaldo, aquele ex-candidato à presidência da República que disse que “casamento é entre homem e mulher”, também comemorava a eleição do colega fundamentalista (Everaldo é da Assembleia de Deus; Cunha é da Sara Nossa Terra).

– Agora ele e a presidente têm que se entender, pelo bem do Brasil. Mas Dilma precisa ver que o Congresso não é um bando de empregados dela, que ela trata como se fosse criancinha de escola. É um poder independente.

Encontro Arlindo Chinaglia, o candidato derrotado do governo na disputa. Ele parece atônito. Pergunto, de supetão:

– Mas como é que se governa assim?

Arlindo encolhe os ombros e vira as palmas das mãos para cima, naquele conhecido gesto de “e eu sei lá?” Insisto mais um pouco:

– Teve gente dizendo que o Lula também perdeu eleições para a presidência da Câmara. Mas esse caso me parece diferente. Eduardo Cunha é inimigo declarado de Dilma e a recíproca é verdadeira.

Arlindo tenta dizer que não é bem assim:

– Olha, essa versão… No contato pessoal com a presidenta, ele sempre foi… sempre foi… sempre foi… Como eu diria? Qual é mesmo o termo? (Olha para os lados em busca de socorro dos assessores.) Ele sempre foi mais gentil, até, do que eu. E a função, como presidente da Câmara, é outra. Não é o mesmo que ser líder do PMDB, ele agora tem o dever da imparcialidade.

De outros petistas, ouvi após a eleição a seguinte frase:

– Que merda!

Obviamente, o pior aconteceu. A situação já não estava boa para o governo Dilma neste segundo mandato e a eleição de um inimigo da presidenta para o comando da Câmara não ajuda em nada, muito pelo contrário. O que vai acontecer nos próximos meses? Imaginem-me fazendo neste momento o mesmo gesto de Arlindo Chinaglia.

Os cálculos de Dilma e do PT me escapam. Se era para sofrer essa derrota acachapante na Câmara, para que tantas concessões à direita na montagem do ministério? Se o PT apoiou Renan Calheiros para a presidência do Senado, por que não agiu igual com Cunha, já que sua vitória era inevitável? Se não queria de jeito nenhum a eleição de Cunha, por que o governo não tentou atrair deputados com promessas, já que as fará do mesmo jeito? Sabe-se que Renan aconselhou Dilma a compor com Cunha, conselho que ela não seguiu antes da derrota, mas que seguirá após a derrota. Ou seja, não restará opção à presidenta a não ser ceder ao inimigo. “Ceder”, vocês sabem: dar cargos a ele e seus aliados – e isso sem nenhuma garantia de que ele colocará os temas que interessam ao governo na pauta. Bye, bye, regulação econômica da mídia…

Não é só Chinaglia, estamos todos atônitos. Que governabilidade é essa que se constrói cercando-se de inimigos nos ministérios e no Congresso? Me parece bizarro. Quem garante que estes “aliados” não serão capazes de tentar derrubar Dilma em vez de “garantir a governabilidade”? Ainda no domingo, a pergunta que os jornalistas mais faziam a Cunha era:

– O senhor vai receber o pedido de impeachment da presidente?

Problemático quando se sabe que, ao acenar tanto à direita, o PT se desfez completamente do apoio da parcela da esquerda que apoiou Dilma durante a campanha. Quem defenderá a presidenta nas ruas se for preciso? E eu sei lá?

A sensação de que este governo vai repetir a mediocridade do segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso, ao contrário de, como Lula, fazer um segundo mandato melhor que o primeiro, não me abandona. Oxalá eu esteja errada. Estamos em fevereiro ainda, mas a presença de Eduardo Cunha na presidência da Câmara me causa arrepios, sobretudo pela certeza de que tentará impor ao País os projetos conservadores tão de seu agrado como fundamentalista religioso – foi Cunha quem articulou a ida do pastor Marco Feliciano para a presidência da Comissão de Direitos Humanos, em 2011. Aposto como teremos péssimas surpresas nos próximos dias.

“Ah, Dilma ainda pode compor com ele”. E isso é uma boa notícia?

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A governabilidade mais bizarra do mundo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV