Porque o Cardeal Burke não é o Cardeal Ottaviani. O próprio Papa confirma e esclarece

Mais Lidos

  • Especialização em Protagonismo Feminino na Igreja: experiência de sororidade e crescimento humano integral

    LER MAIS
  • Católicos versus Evangélicos no Brasil: “guerra de posição” x “guerra de movimento”. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS
  • No meio do caminho estava o CIMI: 50 anos do documento-denúncia “Y-Juca-Pirama” e a atuação do Pe. Antônio Iasi Jr, SJ

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

30 Novembro 2023

Se há um cardeal na história da Santa Igreja Romana cujo nome evoca a frente conservadora, é o cardeal Alfredo Ottaviani que serviu a três papas (Pio XII, e os dois santos João XXIII e Paulo VI) como substituto da Secretaria de Estado, cardeal protodiácono, prefeito da Doutrina da Fé. Um príncipe da Igreja que teve a coragem de dizer, só para deixar claro: “Peço a Deus que me deixe morrer antes do final deste Concílio, para que pelo menos eu morra um católico". Como se sabe, Deus não o satisfez, visto que faleceu em 1979 e o seu funeral foi celebrado por outro santo, João Paulo II. Evidentemente, apesar dos seus temores, ele morreu católico.

A reportagem é de Maria Antonietta Calabrò, publicada por Just Out, 29-11-2023.

Mas a sua figura não é de forma alguma comparável à do conservador cardeal norte-americano Edmund Burke, que durante dois dias esteve no centro de rumores segundo os quais estava sob sanções canónicas do Papa, e foi convidado a abandonar o apartamento de serviço do Vaticano e a seu salário como cardeal. O Papa Francisco confirmou pessoalmente a decisão tomada contra Burke por escrito, numa nota em resposta ao seu biógrafo Austen Ivereigh, na noite de terça-feira, 28 de novembro de 2023. O texto que esclarece a confusão mediática que tem surgido a este respeito. Francisco acrescentou significativamente: “Nunca usei a palavra “inimigo” ou o pronome “meu”. Simplesmente anunciei o fato na reunião dos chefes dos dicastérios, sem dar explicações específicas” que tinham sido noticiadas na AP e na Reuters e no Corriere della Sera. O site conservador "La Bussola Daily", que lançou a notícia pela primeira vez, escreveu sobre Burke sendo sancionado por ser "meu inimigo".

Além da diferente profundidade teológica do Cardeal Ottaviani, um Trastevere que preferia apoiar as crianças pobres do Circolo San Pietro, a quem dedicava todos os momentos livres, às pessoas poderosas da época (Steve Bannon, conselheiro de Trump, pelo menos até certo momento, Burke) e seus recursos pessoais, a diferença entre Ottaviani e Burke é que o primeiro nunca atacou pessoalmente o Papa, contra quem os cardeais são obrigados se defender "usque ad sanguinem effusionis", e como bispos, também segundo o código canônico, eles só têm autoridade porque estão em comunhão com o Sucessor de Pedro. Não há menção de que Ottaviani alguma vez tenha acusado o Papa de minar o Depósito da Fé, de ser, em suma, um "herege", um infiltrado do globalismo dentro da Igreja, se não pior. Ele foi o chefe de uma feroz minoria no Concílio Vaticano II, mas não errou o alvo, não levantou a mão contra o Sucessor de Pedro.

Diz o professor Roberto Regoli, professor titular da Universidade Gregoriana, diretor do Departamento de História da Igreja e especialista em História do Papado (diretor da revista "Archivum Historiae Pontificiae"). “Não tenho conhecimento de quaisquer ataques ao Papa por parte de Ottaviani. Ele certamente não os teria divulgado publicamente... eram todos colegas de classe, de universidades pontifícias e de escritório... também haviam trabalhado juntos... Eles se conheciam muito bem e mesmo no caso de conflitos fortes eles souberam expressá-los nas linguagens habituais de suas funções"

No entanto, Ottaviani criticou por escrito a “nova” missa que colocou a tridentina no sótão, foi contra os padres operários, a abertura ao centro-esquerda e as posições de Aldo Moro, declarou-se publicamente o “policial da Ortodoxia”, e até certo ponto ele renunciou.

No entanto, este verdadeiro defensor dos conservadores nunca, jamais, atacou os papas “progressistas” João XXIII ou Paulo VI.

Sua memória hoje está em grande parte relegada aos estudos dos historiadores. Quem entre os fiéis europeus e ainda mais entre os fiéis do Terceiro e Quarto Mundo conhece a figura do Cardeal Ottaviani? O rio da história da Igreja tomou outros caminhos que não o seu, mas paradoxalmente foi o prelado quem confortou João XXIII na noite anterior à eleição e quem realmente lhe deu a ideia de convocar um Concílio. Outro paradoxo foi o Cardeal Protodiácono quem anunciou a eleição de Paulo VI.

Regoli lembra uma descrição de Arturo Carlo Jemolo sobre os curiais do século XIX, ainda depois de 1870: “lealdade absoluta à instituição, respeito formal ao Pontífice reinante, de quem usava a púrpura ou usava o anel de bispo, o que não impedia aquela liberdade de julgamento, e também, quando na intimidade, aquelas expressões drásticas com as quais o trabalho do papa e dos seus colaboradores foi criticado [...]”.

Mas precisamente sem o escândalo da divisão perante os fiéis e hoje de forma mais geral a opinião pública.

Além disso, entre dois assinantes da Dubia de 2016, juntamente com Cardeal Burke, Cardeal Emérito de Bolonha (reprovado em 2017) Carlo Caffara, declarou: "Gostaria de lhe dizer que tenho uma amante em vez de ser contra o Papa. Eu nasci papista e morrerei papista”.

É esse “pulo” que o cardeal Burke fez. E não é pouco.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Porque o Cardeal Burke não é o Cardeal Ottaviani. O próprio Papa confirma e esclarece - Instituto Humanitas Unisinos - IHU