Perdendo o ônibus... Como a Igreja Católica não consegue se adaptar desde o Concílio Vaticano II

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Essa ideia do fim da história é uma invenção dos conservadores”. Entrevista com Thomas Piketty

    LER MAIS
  • “Estamos em uma crise civilizatória que começou antes da pandemia”. Entrevista com Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • O bispo de Tonga: “A Oceania está em risco. É hora de nos ouvirem”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Julho 2019

Desde a Segunda Guerra Mundial (1939-45), a Igreja Católica Ocidental está visivelmente em declínio. Isso faz parte de uma enorme mudança cultural que é mundial.

O artigo é de Eric Hodgens, teólogo e padre da Arquidiocese de Melbourne, publicado por La Croix Internacional, 18-07-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

A cristandade era a estrutura social e política predominante na Europa do século IV ao século XVII. O ponto alto foi Luís XIV, de mãos dadas com a hierarquia francesa.

Mas, ao mesmo tempo, o Iluminismo estava enfurecido, minando sua própria estrutura central.

Enquanto isso, do outro lado do Atlântico, na América, uma nova ordem social democrática estava sendo estabelecida, baseada nos princípios do Iluminismo. A democracia venceu o dia e a Igreja ficou com uma viúva sem poder.

O pleno efeito das ideias iluministas, como o poder do povo e os direitos humanos individuais, veio à tona na reconstrução da Europa após a devastação da Segunda Guerra Mundial. A Igreja ainda parecia a mesma, mas não era mais a força política que tinha sido.

O Concílio Vaticano II (1962-1965) foi chamado para descobrir como lidar com essa nova ordem mundial. Mudou a imagem preferida da Igreja Católica de uma organização hierárquica criada por Deus para o Povo de Deus em uma jornada comum.

As qualidades igualitárias e interativas da nova ordem mundial substituíram as qualidades hierárquicas e estáticas da ordem pré-iluminista. A Igreja estava se adaptando ao mundo moderno. Mas apenas no papel.

Muitos que antes haviam se submetido à velha ordem haviam farejado a brisa e abandonado a igreja. Esse fluxo de partidas - pequeno o suficiente para começar - se transformaria em uma torrente.

O Vaticano II havia nos alertado para a igualdade de filiação e a necessidade de se adaptar às rápidas mudanças sociais, mas cabia aos membros serem ágeis na adaptação, se quisessem conter o colapso.

O Concílio terminou em 1965. Mas a adaptação à nova ordem mundial ficou estagnada. O ônibus da oportunidade tem passado de tempos em tempos, mas a Igreja o perde. Por quê?

Um movimento restauracionista de direita mobilizou-se para impedir qualquer adaptação posterior e restabelecer a antiga ordem. Este grupo pequeno mas bem relacionado teve grande influência sob o papa Paulo VI. Mas encontrou em João Paulo II o verdadeiro herói e depois Bento XVI.

Sua metodologia para estender seu poder era nomear bispos ideológicos com a mesma mentalidade. O líder australiano do bando era o cardeal George Pell, que conseguiu nomear seus próprios homens como arcebispos de Sydney, Melbourne e Hobart.

Tremulando a bandeira ideológica

O cenário australiano está mudando rapidamente. O casamento entre pessoas do mesmo sexo e o morrer assistido agora são legislados. O cardeal Pell, campeão da guerra cultural, foi condenado por abuso sexual infantil e está preso. Pedidos de compensação financeira estão crescendo, esgotando rapidamente as reservas de dioceses e ordens religiosas.

A campanha contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo era uma questão importante para os restauracionistas do Vaticano e da Austrália. Os bispos australianos condenaram-no como "contra a natureza e contra Deus", mas as pesquisas mostraram que os católicos discordam deles.

O arcebispo de Sydney tremulou a bandeira ideológica, mas foi ignorado. Outro bispo foi denunciado por doar 250 mil dólares para a causa "Não" - mas em vão.

Os restauracionistas estão agora clamando por liberdade religiosa para permitir que continuem a discriminação religiosa em suas instituições. Um cenário semelhante aconteceu na morte assistida. A chamada da hierarquia é continuar a criminalização da morte assistida, enquanto a maioria dos católicos diz que deixam as pessoas livres para decidir.

O arcebispo de Melbourne, Comensoli, proibiu a renomada irmã beneditina americana Joan Chittester de falar em uma conferência nacional de educação católica em Melbourne. Fiel a Pell, seu mentor, Comensoli, assinala um retorno aos velhos e maus tempos da censura episcopal e da misoginia, os quais pensávamos terem desaparecido há muito tempo.

Finalmente, o livro de Fréderic MartelNo Armário do Vaticano, chocou o mundo com sua exposição. O Vaticano seguiu uma política implacável e homofóbica sob Wotyjla e Ratzinger - no entanto, a burocracia papal é esmagadoramente gay, fortemente comprometida e hipócrita. Alguns dos mais altos para condenar a homossexualidade são gays ativos.

Enquanto este livro aprofunda, os católicos ficarão mais enojados e envergonhados.

Nós (primeira pessoa do plural, porque eu, pessoalmente, me identifico com essa infeliz Igreja) perdemos três oportunidades principais de adaptação: missão, mensagem e ministério.

Missão: Os bispos sul-americanos foram os primeiros a adotar uma nova missão - a opção preferencial pelos pobres. Eles criaram Comunidades Eclesiais de Base para servir as necessidades dos pobres e protegê-los da opressão. João Paulo II deliberadamente reverteu isso substituindo bispos pastorais por outros linha-dura.

Mensagem: A catequese centrada na vida começou a rearticular o cristianismo como um estilo de vida a ser vivido, em vez de um conjunto de doutrinas a serem memorizadas. Os restauracionistas, sob o comando de Joseph Ratzinger (o futuro Bento XVI), deram-nos o Catecismo Católico - mais doutrina e regras, incluindo posições em desacordo com o que os católicos convencionais acreditam.

Ministério: Contra-intuitivamente, as vocações sacerdotais têm caído desde a Segunda Guerra Mundial, mesmo durante o período do baby boom. As proporções estavam caindo.

Ninguém quer esse estilo de vida, especialmente tendo que aceitar o celibato. A convocação do Vaticano II para uma adaptação ágil não poderia romper a barreira do clericalismo.

O clérigo de hoje pode ser como o cavaleiro ferido no Santo Graal de Monty Python, mas ele ainda bloqueia a porta do ministério.

A liturgia, o ministério central, deveria ser adaptada à cultura local. Em vez disso, tornou-se um campo de batalha de guerra cultural, resultando em liturgias e linguagem indescritíveis.

Esta foi uma vitória de Pirro para o acampamento João Paulo II-George Pell porque o povo está abandonando não apenas a liturgia, mas a própria Igreja. E uma vez que eles vão, eles não retornam. A Igreja Católica está agora em queda livre.

A maioria das oportunidades de adaptação foi perdida. Algumas paróquias ainda funcionam bem, mas serão as últimas. Seus pastores preocupados podem sentir que seu ministério ainda é necessário e valorizado pelo remanescente dos crentes. Ao fornecer serviço fiel, eles ainda estão no ônibus - embora possa ser o último.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Perdendo o ônibus... Como a Igreja Católica não consegue se adaptar desde o Concílio Vaticano II - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV