As acusações contra o Papa por parte de cardeais conservadores dos EUA e a reação de Francisco contra Burke: o que está acontecendo... Artigo de Massimo Franco

Mais Lidos

  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS
  • A campanha da Fraternidade 2024. Fraternidade e Amizade Social. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • A primeira pergunta de Deus ao homem foi “Onde você está?”. O Artigo é de Enzo Bianchi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

29 Novembro 2023

"A guerra desencadeada contra ele [Papa Francisco] pela frente conservadora dos EUA terá consequências: “medidas econômicas e sanções canônicas” estão a caminho para o cardeal Burke", escreve Massimo Franco, jornalista vaticanista e autor de "Il Monasterio", em artigo publicado por Corriere della Sera, 28-11-2023. 

Eis o artigo. 

Na semana passada, o Papa Francisco deixou claro aos chefes dos dicastérios do Vaticano que a guerra desencadeada contra ele pela frente conservadora dos EUA terá consequências: “medidas econômicas e sanções canônicas” estão a caminho para o cardeal Burke. Mas por que agora? E o que pode acontecer?

Na semana passada, ao receber os chefes dos departamentos do Vaticano, o Papa Francisco deixou claro que a guerra contra ele levada a cabo pela frente conservadora nos Estados Unidos não pode deixar de ter consequências. E desta vez o sancionado não seria o bispo de uma diocese menor como Joseph Strickland, de Tyler, Texas, suspenso no início de novembro com uma iniciativa que foi incomum na sua dureza após repetidos ataques ao pontífice. Francisco falou do cardeal Raymond Burke, apontado como o líder daquela corrente que nos Estados Unidos, e não só, há anos lhe dirige críticas consideradas excessivas até mesmo pelos adversários de Jorge Mario Bergoglio.

Sem entrar em detalhes, o papa teria anunciado contra Burke “algumas medidas de natureza econômica, acompanhadas de sanções canônicas”, relatou um alto prelado presente na reunião, referindo-se a apartamento e salário.

Alguns no Vaticano acreditam que é um sinal de que decidiu não tolerar mais a atitude agressiva do cardeal e dos seus seguidores; outros, que pretende apenas emitir um último aviso. Mas o que acontece confirma a tendência conflituosa que uma parte do episcopado norte-americano escolheu e que reflete uma divisão crescente entre o catolicismo conservador e progressista.

Por que a reação do Papa está chegando agora?

A questão é por que a reação papal acontece agora. O cardeal americano é um dos cinco que expressaram as famosas “dubia”, dúvidas sobre o Sínodo que acaba de terminar e sobre o anterior sobre a Amazônia; que no passado acusou Francisco de causar um cisma na Igreja Católica; e que, embora negue ser inimigo do Papa, acusa-o de escolhas contrárias à doutrina oficial. Há quem relacione esta mudança de postura de Francisco, em comparação com a atitude muito paciente que teve no passado, à chegada à Congregação para a Doutrina da Fé do seu conselheiro e amigo Victor Manuel Fernández: um argentino nomeado cardeal no último consistório.

Burke não fez muito para refutar a sua reputação de ultraconservador hostil ao Papa. Ele não tem mais funções, mas continua sendo um personagem complicado. No início de outubro, numa conferência intitulada “A Babel Sinodal”, aberta nas vésperas do Sínodo, atacou “os erros filosóficos, canónicos e teológicos” que, na sua opinião, estavam a ser cometidos; e isto depois de o Papa ter respondido às “dúvidas” dos cardeais. Além disso, Burke tinha evocado o apoio de muitos cardeais que não tinham aderido à iniciativa, acenando para uma coligação antipapal mais ampla do que a liderada por ele. Certamente, o descontentamento em relação a Bergoglio é generalizado para além da ruidosa minoria da qual o cardeal americano é considerado o expoente mais proeminente. Mas a crueza dos seus ataques deixa perplexos e silenciosos mesmo aqueles que há muito o criticam.

A relação entre o Papa e os Estados Unidos

A questão não resolvida e particularmente espinhosa das relações do papado com os Estados Unidos permanece. E não só porque a partir da Segunda Guerra Mundial o financiamento para o Vaticano veio principalmente de lá, bem como da Alemanha nas últimas décadas. A questão é se a hostilidade quase ostensiva de grandes setores do episcopado americano não reflete também uma limitação e um desconhecimento daquela Igreja e da sua cultura por parte do atual papado: uma realidade em que muitas paróquias continuam a desaparecer devido à falta de fiéis. As sondagens revelam uma radicalização das posições religiosas, simétrica à da sociedade norte-americana. A singularidade é que os padres jovens parecem mais tradicionalistas do que os mais velhos.

Não somente. Há bispos, como Christopher Coyne, em Connecticut, que pedem a Francisco que “se afaste da Itália, se afaste de Roma”, convencidos de que o Vaticano está poluído pela mentalidade da capital italiana. E há um bloco de interesses que observa com desconfiança o “sulismo” e o diálogo com a China. Em setembro passado, Francisco falou de uma abordagem “forte, organizada e reacionária” no catolicismo americano. Com “a ideologia substituindo a fé”. E as suas palavras não foram lidas apenas como uma referência ao episcopado.

Por trás de Burke e da sua “guerra cultural” podemos vislumbrar o perfil de figuras e instituições americanas, mas também europeias, que consideram Francisco um perigo.

O cardeal defendeu-se diversas vezes contra a acusação de fazer parte da organização política de Steve Bannon, um dos ideólogos de Donald Trump. Mas conheceu e frequentou Bannon durante muito tempo através do instituto Dignitatis Humanae: “uma associação criada para ajudar os parlamentares europeus a seguir os preceitos da lei moral”, explicou o próprio Burke numa entrevista ao New York Times em novembro de 2019. Quatro anos depois, as suas críticas ainda ressoam como uma saudação ao Papa; e como um sinal enviado a quem já se posiciona diante de um Conclave que na realidade poderá estar próximo ou distante.

Mas desta vez, o ‘basta’ a Burke e seu mundo provavelmente virá de Francisco. Resta saber se isso será interpretado como um gesto de força ou de fraqueza.

Segundo a vaticanista Franca Giansoldati, do Il Messaggero, 28-11-2023, “este episódio servirá como um ‘chega!”. Com a ameaça de ter o salário e a casa tirados, é difícil que ainda haja vozes e opiniões conflitantes dentro e fora do Vaticano. A ala conservadora parece ter sido colocada de costas contra a parede como nunca tinha acontecido no passado. Nenhum Papa, pelo menos nos tempos modernos, alguma vez agiu de forma tão dura”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As acusações contra o Papa por parte de cardeais conservadores dos EUA e a reação de Francisco contra Burke: o que está acontecendo... Artigo de Massimo Franco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU