Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Sonho de Francisco: “Uma Igreja sem correntes e sem muros, que não acumule atrasos diante dos desafios de hoje”

    LER MAIS
  • “O catolicismo de amanhã será diaspórico ou não será.” Entrevista com Danièle Hervieu-Léger

    LER MAIS
  • A "revolução litúrgica" de Francisco põe fim às missas tradicionalistas e restaura a reforma conciliar “em toda a Igreja do Rito Romano”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Mai 2022

 

O reverendo Ricardo Gondim, da Igreja Betesda, de São Paulo, anunciou que essa congregação jamais descriminará qualquer pessoas devido à identidade sexual e de gênero. Ele fez um mea culpa a respeito do posicionamento que chegou a expressar no passado. “Escrevi textos e participei de conferências em que fui homofóbico: ‘não há lugar para pessoas homossexuais no reino de Deus’, era uma das minhas frases”.

 

A reportagem é de Eldeberto Behs, jornalista. 

 

Pastores e igrejas perdem “inúmeras pessoas lindas por elas virem de fora das normas culturais. Por outro lado, acolhem fariseus moralistas, imorais e violentos”, manifestou Gondim em postagem nas redes sociais. “Por outro lado, acolhem fariseus moralistas, imorais e violentos”.

 

Gondim disse que conheceu de perto a discriminação, repúdio e exclusão que essas pessoas sofrem. “Eu mesmo, em tempos fundamentalistas, rotulava gays de ‘pervertidas’, ‘pecadoras’, ‘abominações””, admitiu.

 

Posturas desse calibre “empurraram alguns e algumas para o suicídio. Sujei as mãos de sangue. Pedi perdão a Deus, mas não foi o suficiente; me comprometi a usar todo o esforços para acolher. Equivalente em oferecer esperança”, afirmou.

 

“Minha bandeira – proclamou – não é a homossexualidade; minha causa é o amor hospitaleiro. Minha causa transcende essa pauta. Não sou gay, mas sou pastor que vê essas pessoas sem os óculos da discriminação, da culpa e do pecado”. Homossexualidade, concluiu, não é pecado.

 

Gondim iniciou o seu pastorado na Igreja Assembleia de Deus.

 

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pastor pede escusas por ter discriminado homossexuais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV