O apoio do papa Francisco a união civil homossexual é “vazio” ou um “passo significativo”?

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Novembro 2020

Os comentários sobre a fala do papa Francisco a respeito das uniões civis homossexuais no mês passado continuam a ser publicadas. Hoje, destacamos algum desses.

A reportagem é de Robert Shine, publicada por New Ways Ministry, 09-11-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

A teóloga Mary Hunt, da WATER (Aliança Feminina para Teologia, Ética e Ritual), escreveu em Religion Dispatches que recomenda fortemente o filme Francesco, no qual os comentários do Papa foram revelados, e que é um contexto útil para interpretar as palavras de Francisco. Mas, dado o endosso do então cardeal Jorge Bergoglio às uniões civis na Argentina durante o debate sobre a igualdade do casamento naquela nação, veio apenas depois de chamar a igualdade do casamento de “um ataque destrutivo ao plano de Deus” e implicar que veio do diabo. Hunt afirma que “a declaração atual sobre as uniões civis de mesmo sexo dificilmente é um endosso papal”. Em seu ensaio aponta para várias outras considerações históricas, mas uma conclusão é esta:

“... As palavras do Papa sobre as uniões civis, por mais bem-intencionadas que sejam além de uma maneira instrumentalista de manter o diabo queer distante, soam vazias. À luz de seus apelos intensos pela paz mundial, pelo fim das armas nucleares e da pena de morte, pela igualdade econômica e pelo fim do genocídio, é estranho e decepcionante que ele não consiga cingir a batina e encontrar coragem para afirmar a igualdade relacional e a justiça. Fazer isso poderia dar crédito às suas outras posições de justiça”.

“A teologia é baseada em dados. Nas uniões civis, as respostas a algumas dezenas de palavras papais foram mais um teste de Rorschach das opiniões das pessoas do que uma leitura clara do que Francisco quis dizer. Alguns condenaram seus comentários. Mas muitas esperanças e sonhos de uma Igreja acolhedora são generosamente atribuídos a algumas frases curtas. A opinião do povo é um ponto de dados importante na criação de uma teologia robusta do amor, independentemente do que diga qualquer Papa”.

Barbara Gonzalez, uma mulher queer criada como católica ativa, escreveu um comentário para a Refinery 29 reconhecendo o poder por trás da declaração do papa Francisco, “não apenas como o chefe da Igreja Católica, mas como um homem argentino” por causa da homofobia e transfobia às vezes presente em comunidades Latinas. Para Gonzalez, as palavras do Papa chegaram tarde demais – e para ela pessoalmente. Porém, escreveu que ainda assim são relevantes de forma mais ampla:

“Depois de me formar no colégio [católico], tomei a decisão de que a Igreja Católica não era um lugar onde me sentisse bem-vinda devido aos seus ensinamentos homofóbicos, história de colonização e assassinato de nativos, corrupção desenfreada e muito mais... Isso não quer dizer que eu não acredite em um poder superior. Ainda oro com bastante regularidade, irradiando energia positiva para meus entes queridos, colegas e estranhos. Eu ainda chamo a entidade eu oro a Deus. Mas a religião, por enquanto, simplesmente não me serve da mesma forma que antes...”

“Embora não seja para mim, ainda entendo que é uma importante identidade de cruzamento para muitas pessoas latinas. De acordo com um estudo do Pew Research Center, 83% dos latino-americanos afirmam ter uma afiliação religiosa, com 62% deles se identificando como católicos. Fiquei orgulhoso de ver que esse mesmo estudo mostrou que quase 60% acreditam que a homossexualidade deve ser aceita pela sociedade. E o problema é o seguinte: precisamos que 60% sejam mais expressivos em suas comunidades e realmente sirvam como aliados para nós na Igreja...”

“A Igreja é muito mais do que pessoas como o papa Francisco, os arcebispos ou qualquer outra pessoa que tenha autoridade na religião. Igreja é também sobre as pessoas que você vê todas as semanas, com quem você serve e ora em comunidade. Estas são as pessoas com quem precisamos conversar para criar ambientes onde as paróquias pró-LGBTQ+ possam prosperar”.

Jason Steidl, um teólogo que escreve no National Catholic Reporter, argumenta contra os muitos comentários que fazem parecer que “a sobrevivência de pessoas queer parece depender do que sai da boca [do papa Francisco]”. Ele explica que “o alvoroço perene em torno das declarações públicas de Francisco sobre questões LGBTQ, seja de quadrantes progressistas ou tradicionalistas, me parece errado e perigoso por uma série de razões”. Na verdade, “é uma missão tola colocar nossa esperança no papa Francisco”.

A primeira das razões de Steidl é que “isso obscurece o próprio histórico de Francisco em questões LGBTQ”. Em segundo lugar, “um foco obsessivo em Francisco desvia nossa atenção do resto da igreja”, de questões como o clericalismo e as “lutas de base dos Católicos LGBTQ enfrentam comparecimento à missa todos os domingos”. Steidl continua:

“Uma terceira razão vem de minha própria experiência como católico gay. Por anos, tenho lutado para me amar e me aceitar tanto quanto confio que Deus me ama e aceita. Na maior parte, o ensino da Igreja e a retórica dos bispos têm sido um obstáculo, ao invés de uma ajuda para minha busca pela integridade espiritual e sexual”.

“Com o tempo, no entanto, descobri e recuperei o poder que uma vez lhes dei para definir minha sexualidade como ‘intrinsecamente desordenada’. Autoridades religiosas opressoras não podem me impedir de experimentar o amor e a santidade dos relacionamentos íntimos do mesmo sexo. Os líderes da igreja não têm poder para revogar a dignidade dada por Deus”.

Julie Hanlon Rubio, uma teóloga que escreve para The Conversation, sugere que o apoio do Papa às uniões civis está alterando a forma como Francisco entende a família, de acordo com a evolução da compreensão da família por parte da Igreja por décadas. Por exemplo, Rubio observa o quanto o Vaticano II mudou e enriqueceu as concepções católicas de família, para além de apenas alertar contra males, como o divórcio e a coabitação. Ela escreve:

“Os críticos de Francisco temem que o Papa esteja diluindo a doutrina católica sobre casamento e família. Mas o que eu argumento é que Francisco não está mudando a doutrina. Ele está incentivando uma visão mais ampla de quem é considerado família dentro e fora da igreja...”

“Os comentários no documentário mostram um movimento persistente no sentido de acolher famílias no pensamento católico contemporâneo. Francisco propõe que uma igreja acolhedora deve apoiar todas as famílias, especialmente aquelas que estão sofrendo. Da mesma forma, como ele diz, os governos deveriam fazer o mesmo – incluindo apoiar casais de gays e lésbicas”.

O padre Tomáš Halík, um estudioso tcheco de filosofia e sociologia, escreve que Francisco fala como “uma pessoa normal do século XXI”, e o Katholisch.de relatou seus comentários adicionais:

“’Este Papa não muda as normas escritas, ele não destrói as estruturas externas – mas ele muda a prática, a vida. Ele não transforma a igreja de fora, mas muito mais profundamente: espiritualmente, de dentro...’”.

Halík descreve o ensino magistral sobre a homossexualidade como ‘posições de compromisso inconsistentes’ que pertencem àqueles ‘produtos enlatados’ cuja data de validade expirou há muito tempo. Além deste tópico, o teólogo critica uma não ‘pequena parte dos cristãos’ que hoje têm ‘tal conteúdo positivo de fé esvaziado para construir sua identidade cristã’ em uma ‘guerra cultural’, em uma guerra contra os preservativos, contra aborto, contra casais de homossexuais”.

O padre James Martin, s.j., co-escreveu um artigo para o Religion News Service com o presidente da Human Rights Campaign, Alphonso David, no qual eles chamaram o apoio do Papa de “um passo significativo”. Eles comentam:

“Muitas pessoas LGBTQ hoje concordariam com o famoso comentário da juíza Ruth Bader Ginsburg de que as uniões civis nada mais são do que uma versão de ‘leite desnatado’ do casamento. Mas, embora pequeno, esse passo do Papa ajuda a estabelecer um terreno comum entre o movimento LGBTQ e a Igreja, por mais tênue que seja...”

“A declaração mais recente de Francisco pode marcar um momento para todos os líderes religiosos e pessoas de fé refletirem mais sobre como suas próprias ações estão avançando – ou trabalhando contra – um maior progresso e inclusão”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O apoio do papa Francisco a união civil homossexual é “vazio” ou um “passo significativo”? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV