Papa Francisco encoraja padre jesuíta James Martin em seu ministério com as pessoas LGBT+

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • A vida de Xi Jinping e as escolhas da China

    LER MAIS
  • Sobre o amor. Artigo de Faustino Teixeira

    LER MAIS
  • A favor da capacidade de ignorar

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Junho 2021

O Papa Francisco mais uma vez encorajou o ministério de James Martin, SJ junto às pessoas LGBT e com palavras que também poderiam encorajar outras pessoas nesse trabalho. Ele fez isso às vésperas do congresso de pastoral católica LGBT “Outreach 2021”, que ocorreu na modalidade online nesse sábado, 26 de junho, da qual o padre jesuíta foi o principal organizador.

A reportagem é de Gerard O’Connell, publicada por America, 27-06-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Algumas semanas atrás, o Pe. Martin, colunista da America Media, informou o papa sobre o congresso em um e-mail privado e explicou seu propósito, e então recebeu uma carta pessoal escrita à mão, em espanhol, de Francisco, datada de 21 de junho, expressando seu encorajamento e apoio a esse trabalho.

Como se sabe, Francisco tende a fazer telefonemas pessoais para as pessoas, mas é menos conhecido seu hábito de enviar mensagens pessoais escritas à mão para as pessoas – geralmente em espanhol e muitas vezes em resposta a cartas que lhe são enviadas. Embora às vezes ele peça explicitamente que a carta permaneça confidencial, ele geralmente deixa que o destinatário decida se quer tornar o seu conteúdo conhecido ou não. O Pe. Martin, após consultar pessoas que conhecem o papa, decidiu que poderia revelar seu conteúdo.

Embora o primeiro parágrafo da carta seja familiar, pessoal e até mesmo bem-humorado, e se relacione ao sobrinho do Pe. Martin que adotou o nome de Francisco para a sua Crisma, o restante do texto se refere ao seu ministério pastoral junto às pessoas LGBT, incluindo o congresso deste fim de semana, sobre o qual o padre jesuíta tinha contado ao papa.

Francisco está bem informado do trabalho que o Pe. Martin faz. Ele procurou encorajá-lo nesse ministério e por essa razão, em um significativo gesto público de encorajamento e apoio, ele o recebeu em uma audiência privada na biblioteca do Palácio Apostólico do Vaticano, no dia 30 de setembro de 2019.

A sua carta na véspera do congresso de sábado pode ser entendida sob essa mesma luz. Dirigindo-se a ele como “Querido Hermano” (“Querido irmão”), Francisco elogia o Pe. Martin por todo esse trabalho, dizendo: “Quero agradecer-te pelo teu zelo pastoral e tua capacidade de estar perto das pessoas, com aquela proximidade que Jesus tinha e que reflete a proximidade de Deus”.

Ele o lembra: “Nosso Pai do Céu se aproxima com amor de cada um de seus filhos, de todos e de cada um. Seu coração está aberto para todos e para cada um. Ele é Pai”.

Aqui, o papa enfatiza mais uma vez que o amor de Deus não exclui. Ele fez a mesma ênfase com os pais de filhos e filhas LGBT no fim de uma audiência pública no Vaticano, em 17 de setembro de 2020, quando lhes disse: “Deus ama seus filhos como eles são”.

Em sua carta ao Pe. Martin, o Papa Francisco repete o que ele disse muitas vezes antes: “O ‘estilo’ de Deus tem três traços: proximidade, compaixão e ternura. É assim que ele se aproxima de cada um de nós”.

Referindo-se explicitamente ao “trabalho pastoral” do padre jesuíta, do qual o congresso faz parte, o papa observa: “Vejo que tu buscas continuamente imitar esse estilo de Deus. Tu és sacerdote para todos e todas, assim como Deus é Pai de todos e todas”.

Significativamente, Francisco encoraja o Pe. Martin a continuar com esse ministério. “Rezo por ti, para que continues assim, sendo próximo, compassivo e com muita ternura.”

Ao concluir sua carta, o Papa Francisco oferece palavras encorajadoras a todos aqueles a quem o jesuíta estadunidense está alcançando por meio do seu ministério. Ele diz: “E rezo pelos teus fiéis, teus ‘paroquianos’, todos aqueles que o Senhor coloca [no teu caminho] para que os cuides, os protejas, os faças crescer no amor de nosso Senhor Jesus Cristo”.

O texto completo da carta está abaixo:

Querido irmão,

Obrigado pelo teu e-mail e pelas fotos. Agradece ao teu sobrinho pela sua bondade para comigo e por ter escolhido o nome de Francisco... E felicita-o pelas meias... Me fizeram rir. Diz-lhe que rezo por ele e que, por favor, o faça por mim.

Com respeito ao teu P.S. [sobre o congresso de pastoral LGBT Outreach], quero te agradecer pelo teu zelo pastoral e tua capacidade de estar perto das pessoas, com aquela proximidade que Jesus tinha e que reflete a proximidade de Deus. Nosso Pai do Céu se aproxima com amor de cada um de seus filhos, de todos e de cada um. Seu coração está aberto para todos e para cada um. Ele é Pai. O ‘estilo’ de Deus tem três traços: proximidade, compaixão e ternura. É assim que ele se aproxima de cada um de nós.

Pensando no teu trabalho pastoral, vejo que tu buscas continuamente imitar esse estilo de Deus. És sacerdote para todos e todas, assim como Deus é Pai de todos e todas. Rezo por ti, para que continues assim, sendo próximo, compassivo e com muita ternura.

E rezo pelos teus fiéis, teus ‘paroquianos’, todos aqueles a quem o Senhor coloca [no teu caminho] para os cuides, os protejas, os faças crescer no amor de nosso Senhor Jesus Cristo.

Por favor, não te esqueças de rezar por mim. Que Jesus te abençoe e a Virgem Santa te cuide.

Fraternalmente,

Francisco

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco encoraja padre jesuíta James Martin em seu ministério com as pessoas LGBT+ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV